Governo quer usar bancos públicos para injetar R$ 50 bilhões na economia » Rede Acontece
Últimas
17-01-2019 » Inseparáveis | Por que você vai ouvir falar muito de Arielle, a coreógrafa da Anitta 17-01-2019 » Bem além da passarela | 5 lutas compradas por Gisele que a tornaram mais do que modelo 17-01-2019 » Discurso nos EUA; veja | Bolsonaro elogiado por Trump? No contexto, talvez não seja assim 17-01-2019 » Deputada e socialista | Por que Ocasio-Cortez é a mulher mais importante dos EUA? 17-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 17-01-2019 » Sexo sem tabu | 'Com 16 eu tinha cama de casal', diz youtuber Dora Figueiredo 17-01-2019 » Onda de violência no estado | Governador do CE pede a Moro reforço em segurança por reação de facções 17-01-2019 » Grito de carnaval da cidade | Shows do CarnaUOL serão em frente ao sambódromo de SP; veja atrações 17-01-2019 » Mercado financeiro | Bolsa sobe e fecha acima de 95 mil pontos pela 1ª vez; Taurus salta 14% 17-01-2019 » Brecha na segurança | Vazamento na web atinge 800 milhões de e-mails e senhas; veja se foi afetado 17-01-2019 » Educação | Economista que chamou docentes de manipuladores será coordenador do Enem 17-01-2019 » Reforma da previdência | Governo quer restringir acúmulo de pensão com aposentadoria 17-01-2019 » No Fórum de Davos, na Suíça | Guedes apresentará privatizações e Previdência como vitrines do Brasil 17-01-2019 » Senador eleito pelo PSL | MP do Rio usa Coaf como 'atalho' para burlar Justiça, diz Flávio Bolsonaro 17-01-2019 » Liminar parou investigação de Queiroz | Flávio Bolsonaro alega ter foro e pede anulação de provas do Coaf no STF 17-01-2019 » Normal ou cesariana? | Como disputas ideológicas no Brasil chegaram ao parto 17-01-2019 » UOL Líderes | País não sobreviverá sem reformas, diz vice da Microsoft América Latina 17-01-2019 » Celular, isqueiro, cabo USB... | Preso tenta voltar para a cadeia com 62 objetos no estômago em SC
Publicidade
27 de janeiro de 2016

Governo quer usar bancos públicos para injetar R$ 50 bilhões na economia

Foto: Conquista Acontece

Foto: Conquista Acontece

O governo Dilma está tentando alternativas para fazer a economia crescer até o final do ano. Uma das possíveis medidas será lançar linhas de crédito em torno de R$ 50 bilhões por meio de bancos públicos para setores como construção civil, exportador, bens de capital e micro e pequenas empresas. De acordo com a Folha de S. Paulo, o valor será anunciado pela presidente nesta quinta-feira (28) na reunião do Conselhão e ainda não está totalmente fechado, dependendo de ajustes finais. O governo ainda não definiu se vai mesmo lançar nesta semana o uso de parte da multa do FGTS como garantia para crédito consignado de trabalhadores do setor privado. Como refere a publicação, entre as linhas de crédito que serão anunciadas na quinta, o governo vai destinar cerca de R$ 10 bilhões para a construção civil com recursos do FGTS, que garante taxas de juros mais baixas do que as de mercado. Parte desses recursos virá do pagamento no final do ano passado dos passivos das pedaladas fiscais. Esse acerto reforçou o caixa do fundo em R$ 22,5 bilhões no fim de 2015. Ainda segundo a Folha, o Planalto definiu o setor de construção civil como uma das prioridades nas medidas de estímulo à economia como forma de tentar reduzir o aumento do desemprego.A área de habitação é o principal foco das linhas de crédito para construção civil, com liberação de recursos do FGTS para construtoras que tocam obras do programa Minha Casa, Minha Vida. Além disso, o governo deve anunciar reforço de linhas de crédito para o setor agrícola, na casa de R$ 10 bilhões, por intermédio do Banco do Brasil. Também serão contemplados com oferta de crédito, a taxas mais baixas do que as de mercado, os setores de: micro e pequena empresa, exportadores e fabricantes de máquinas e equipamentos. Estes serão beneficiados por meio de linhas de crédito do BNDES, que podem ficar entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões. Os empréstimos terão correção pela TJLP (Taxas de Juros de Longo Prazo), hoje de 7,5%, mais um “spread” –a taxa final deve ficar entre 15% e 18%. A equipe econômica também está estudante outras linhas, que serão fechadas na volta da presidente Dilma do Equador. A Folha destaca que o governo deve anunciar que a tentativa de aprovar três reformas (Previdência, Fiscal e administrativa) para garantir um equilíbrio das contas públicas de forma sustentável no médio e longo prazos. Nelson Barbosa, ministro da Fazenda, dirá que pretende também criar um sistema de meta para os gastos públicos, com a adoção de limites para as despesas do governo federal.


VOLTAR