Governo quer usar bancos públicos para injetar R$ 50 bilhões na economia » Rede Acontece
Últimas
21-08-2018 » Cotação em alta | Mercado especula com eleição, e dólar opera perto de R$ 3,97 21-08-2018 » Ex-presidente é candidato | Para acelerar caso Lula, Barroso pode abrir mão de prazos no TSE 21-08-2018 » Chove, mas continua seco | Imagens de satélite mostram que estiagem impera na maioria do NE 21-08-2018 » Uma alternativa pouco conhecida | Não tem fiador? Título de capitalização pode servir para garantir aluguel 21-08-2018 » Ideia é repetir Donald Trump | Bolsonaro diz que cometeu ato falho e que jamais pensou em sair da ONU 21-08-2018 » O craque de 13 patrocinadores | Por contrato, Neymar destina 85% do lucro com publicidade aos pais 21-08-2018 » Nova Blazer, Argo 'Cross' e mais | Confira os carros que serão lançados no Salão de São Paulo 2018 21-08-2018 » Jornalismo | Morre aos 61 anos Otavio Frias Filho, diretor de Redação da Folha 21-08-2018 » Pesquisa Ibope | Suplicy tem 28%, Covas, 17%, e Olimpio, 15% para Senado em SP 21-08-2018 » Caso Letícia Almeida | Ex-cunhada fala sobre traição de atriz e cita perdão 21-08-2018 » TV cita 'renovação' | Domingão do Faustão tem cinco bailarinas demitidas 21-08-2018 » Após oito anos | Narrador do SporTV é dispensado: 'Fui pego de surpresa' 21-08-2018 » Reality volta hoje | 5 participantes que se rebelaram contra o MasterChef 21-08-2018 » Pirâmide de sucessos | Como Goiânia virou o mais importante mercado do sertanejo 21-08-2018 » Multa e saída gratuita | Leila fala em prejuízo de R$ 100 mi com Barrios no Palmeiras 21-08-2018 » Seu corpo | Por que sentimos mais fome quando está frio? 21-08-2018 » Guerra contra a hora extra | Japão está pedindo que trabalhadores tirem uma manhã de 2ª de folga 21-08-2018 » Luto além do jornalismo | Como dramaturgo, Otavio teve sucessos e fracassos 21-08-2018 » Trajetória | Otavio esteve à frente da campanha pelas Diretas Já 21-08-2018 » Refrigerante importado? | Sem subsídio na Zona Franca, Coca-Cola ameaça deixar Brasil
Publicidade
clinica master intersorft lab laboratorio centro medico sao gabriel
27 de janeiro de 2016

Governo quer usar bancos públicos para injetar R$ 50 bilhões na economia

Foto: Conquista Acontece

Foto: Conquista Acontece

O governo Dilma está tentando alternativas para fazer a economia crescer até o final do ano. Uma das possíveis medidas será lançar linhas de crédito em torno de R$ 50 bilhões por meio de bancos públicos para setores como construção civil, exportador, bens de capital e micro e pequenas empresas. De acordo com a Folha de S. Paulo, o valor será anunciado pela presidente nesta quinta-feira (28) na reunião do Conselhão e ainda não está totalmente fechado, dependendo de ajustes finais. O governo ainda não definiu se vai mesmo lançar nesta semana o uso de parte da multa do FGTS como garantia para crédito consignado de trabalhadores do setor privado. Como refere a publicação, entre as linhas de crédito que serão anunciadas na quinta, o governo vai destinar cerca de R$ 10 bilhões para a construção civil com recursos do FGTS, que garante taxas de juros mais baixas do que as de mercado. Parte desses recursos virá do pagamento no final do ano passado dos passivos das pedaladas fiscais. Esse acerto reforçou o caixa do fundo em R$ 22,5 bilhões no fim de 2015. Ainda segundo a Folha, o Planalto definiu o setor de construção civil como uma das prioridades nas medidas de estímulo à economia como forma de tentar reduzir o aumento do desemprego.A área de habitação é o principal foco das linhas de crédito para construção civil, com liberação de recursos do FGTS para construtoras que tocam obras do programa Minha Casa, Minha Vida. Além disso, o governo deve anunciar reforço de linhas de crédito para o setor agrícola, na casa de R$ 10 bilhões, por intermédio do Banco do Brasil. Também serão contemplados com oferta de crédito, a taxas mais baixas do que as de mercado, os setores de: micro e pequena empresa, exportadores e fabricantes de máquinas e equipamentos. Estes serão beneficiados por meio de linhas de crédito do BNDES, que podem ficar entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões. Os empréstimos terão correção pela TJLP (Taxas de Juros de Longo Prazo), hoje de 7,5%, mais um “spread” –a taxa final deve ficar entre 15% e 18%. A equipe econômica também está estudante outras linhas, que serão fechadas na volta da presidente Dilma do Equador. A Folha destaca que o governo deve anunciar que a tentativa de aprovar três reformas (Previdência, Fiscal e administrativa) para garantir um equilíbrio das contas públicas de forma sustentável no médio e longo prazos. Nelson Barbosa, ministro da Fazenda, dirá que pretende também criar um sistema de meta para os gastos públicos, com a adoção de limites para as despesas do governo federal.


VOLTAR