Iniciativa contra corrupção liderada por procurador evangélico supera 1,5 milhão de assinaturas » Rede Acontece
Últimas
09-12-2018 » Denarium é governador eleito | 'Vamos restringir entrada de venezuelanos', diz interventor em RR 09-12-2018 » Novo governo | Bolsonaro anuncia Ricardo Salles no Meio Ambiente e fecha seu ministério 09-12-2018 » Executivo foi preso no Japão | Nissan suspeita de elo de Ghosn com Cabral e Eike, afirma jornal inglês 09-12-2018 » 2º jogo disputado em Madri | Na prorrogação, River bate Boca por 3 a 1 e conquista Libertadores 09-12-2018 » Muita foto, meme... | Melhor celular com memória expansível ou mais memória interna? 09-12-2018 » Venezuelano na mira | Palmeiras sofre assédio e topa negociar Guerra, mas impõe condições 09-12-2018 » Só Brasil viu | Novo trailer de Shazam! na CCXP brinca com Batman e Superman 09-12-2018 » Dedodato foi à CCXP | Artista brasileiro diz que participará de 'entrada' de Conan na Marvel 09-12-2018 » Comediante domina web | Com mais de 6 milhões inscritos no YouTube, Gentili 'ameaça' SBT 09-12-2018 » Tentativa de assalto matou 13 | 'Polícia chegou atirando sem ver que éramos reféns', diz mãe de vítima no CE 09-12-2018 » Crime aconteceu no sábado | Líderes do MST são mortos a tiros em acampamento na Paraíba 09-12-2018 » Governador do RJ está preso | Moraes, do STF, nega habeas corpus e mantém Pezão na prisão 09-12-2018 » Foi detida no Canadá | China convoca embaixador dos EUA por prisão de executiva da Huawei 09-12-2018 » Organizou cúpula conservadora no PR | Com improviso e sem lideranças, clã Bolsonaro tenta lançar liga da direita 09-12-2018 » Médium é acusado de abuso sexual | Denúncias contra João de Deus geram medo em Abadiânia (GO) 09-12-2018 » Defende 'voto de confiança' no eleito | 'Bolsonaro não tem um projeto para o país', afirma Luciano Huck
Publicidade
2 de março de 2016

Iniciativa contra corrupção liderada por procurador evangélico supera 1,5 milhão de assinaturas

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

10 medidas contra a corrupção, campanha contra corrupção, Corrupção, Deltan Dallagnol, ficha limpa, Operação Lava-Jato, procurador nicolau dino, Tribunal Superior Eleitoral. A iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) que propõe 10 medidas contra a corrupção alcançou, na última semana, 1,5 milhão de assinaturas de apoio, e poderá ser apresentada ao Congresso Nacional como um projeto de lei de iniciativa popular, nos moldes da lei da Ficha Limpa. A proposta do MPF prevê dez mudanças na legislação atual, como a transformação da corrupção em crime hediondo, aumento das penas e criminalização de doações não-declaradas em campanhas eleitorais. “A ideia é apresentar esse conjunto de assinaturas ao Congresso com o pleito de instalação de uma comissão para apreciação das propostas. Sabemos que já existem vários projetos de lei com escopos similares ou até mesmo com o mesmo teor. Portanto, nossa expectativa é de que tudo seja aglutinado de forma que a Câmara e o Senado possam se debruçar sobre eles”, informou o subprocurador-geral da República, Nicolau Dino. Pela previsão inicial, o conjunto de propostas deverá ser enviado ao Congresso em abril. A iniciativa precisava coletar as assinaturas de 1% do total de eleitores brasileiros. Atualmente, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o país tem 142,8 milhões de cidadãos aptos a votar. O procurador Deltan Dallagnol, que integra a força-tarefa da Operação Lava-Jato, foi um dos principais divulgadores da iniciativa. Para ele, a ajuda de mais de 800 entidades sociais na divulgação da proposta foi essencial e legitimadora: “O que vemos hoje é um movimento da sociedade, de baixo para cima, por mudanças que ansiamos desde que o Brasil é Brasil”, contextualizou. “Este volume de assinaturas demonstra que não somos meros espectadores, somos protagonistas da história”, acrescentou Dino. Além dos três pontos supracitados, a proposta quer tornar crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos quando seu patrimônio for incompatível com a renda, mesmo que não seja possível provar a origem escusa dos recursos; a prisão preventiva para evitar que suspeitos de corrupção ocultem ou dissipem o dinheiro ganho com o crime; confisco do patrimônio do condenado por corrupção, sem distinção direta entre os ganhos extraídos exclusivamente do crime e os lucros posteriores; e responsabilização de partidos políticos quando filiados com cargos eletivos forem condenados por crimes de corrupção.


VOLTAR