Iniciativa contra corrupção liderada por procurador evangélico supera 1,5 milhão de assinaturas » Rede Acontece
Últimas
23-06-2018 » México avança contra a Coreia do Sul e marca segundo gol 23-06-2018 » Atacante polêmico | Com cartões, Neymar ameaça desfalcar seleção brasileira 23-06-2018 » Goleada no Grupo G | Hazard e Lukaku brilham, e Bélgica bate a Tunísia por 5 a 2 23-06-2018 » Lá em Iekaterimburgo... | Na sede mais distante da Copa, Brasil é time só de alguns peruanos 23-06-2018 » 'Acharam que era puta' | Mulheres se rebelam na Copa e rebatem o assédio e o machismo 23-06-2018 » Narrador em alta | Spoiler de novela e 'negros maravilhosos': a Copa de Luis Roberto 23-06-2018 » Escalação em jogo | Tite conversa com Marquinhos e avalia Fernandinho para lateral 23-06-2018 » Destaque da goleada belga | Em português, Lukaku fala sobre ídolo: 'Adriano é maior do que eu' 23-06-2018 » Até tu, treinador? | Tite tem lesão na coxa e anda mancando após tombo que virou meme 23-06-2018 » Milton Leite corta Noriega com grito homofóbico de mexicanos e diverte web 23-06-2018 » Zagueiro do Irã diz que Diego Costa foi imoral e insultou sua mãe e irmã 23-06-2018 » Miranda exalta dificuldade da Copa e fala da situação argentina: 'Dá pena' 23-06-2018 » Suíço recorda: dia mais feliz da vida foi quando ganhou camisa de Ronaldo 23-06-2018 » Goleiro argentino troca mensagens com jornalista após falha: 'Momento duro' 23-06-2018 » Jogo do grupo F, às 15h | Comissão de Tite vai ao jogo da Alemanha, possível adversária 23-06-2018 » Análise | Stycer: Gritaria entre comentaristas da Fox Sports é desrespeitosa 23-06-2018 » Análise | Rizzo: Inocentes ou culpados? O peso de Messi e Neymar 23-06-2018 » Seleção joga quarta-feira | Douglas Costa sofre lesão na coxa e desfalca o Brasil contra a Sérvia 23-06-2018 » Opinião | Perrone: Brasil deixa para o torcedor pacote de preocupações 23-06-2018 » Briga no basquete | Em evidência na Copa, conflito nos Balcãs já rachou 'irmãos' de bola
Publicidade
grafica bandeirante supermercado centrel lab laboratorio intersorft clinica master centro medico sao gabriel
2 de março de 2016

Iniciativa contra corrupção liderada por procurador evangélico supera 1,5 milhão de assinaturas

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

10 medidas contra a corrupção, campanha contra corrupção, Corrupção, Deltan Dallagnol, ficha limpa, Operação Lava-Jato, procurador nicolau dino, Tribunal Superior Eleitoral. A iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) que propõe 10 medidas contra a corrupção alcançou, na última semana, 1,5 milhão de assinaturas de apoio, e poderá ser apresentada ao Congresso Nacional como um projeto de lei de iniciativa popular, nos moldes da lei da Ficha Limpa. A proposta do MPF prevê dez mudanças na legislação atual, como a transformação da corrupção em crime hediondo, aumento das penas e criminalização de doações não-declaradas em campanhas eleitorais. “A ideia é apresentar esse conjunto de assinaturas ao Congresso com o pleito de instalação de uma comissão para apreciação das propostas. Sabemos que já existem vários projetos de lei com escopos similares ou até mesmo com o mesmo teor. Portanto, nossa expectativa é de que tudo seja aglutinado de forma que a Câmara e o Senado possam se debruçar sobre eles”, informou o subprocurador-geral da República, Nicolau Dino. Pela previsão inicial, o conjunto de propostas deverá ser enviado ao Congresso em abril. A iniciativa precisava coletar as assinaturas de 1% do total de eleitores brasileiros. Atualmente, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o país tem 142,8 milhões de cidadãos aptos a votar. O procurador Deltan Dallagnol, que integra a força-tarefa da Operação Lava-Jato, foi um dos principais divulgadores da iniciativa. Para ele, a ajuda de mais de 800 entidades sociais na divulgação da proposta foi essencial e legitimadora: “O que vemos hoje é um movimento da sociedade, de baixo para cima, por mudanças que ansiamos desde que o Brasil é Brasil”, contextualizou. “Este volume de assinaturas demonstra que não somos meros espectadores, somos protagonistas da história”, acrescentou Dino. Além dos três pontos supracitados, a proposta quer tornar crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos quando seu patrimônio for incompatível com a renda, mesmo que não seja possível provar a origem escusa dos recursos; a prisão preventiva para evitar que suspeitos de corrupção ocultem ou dissipem o dinheiro ganho com o crime; confisco do patrimônio do condenado por corrupção, sem distinção direta entre os ganhos extraídos exclusivamente do crime e os lucros posteriores; e responsabilização de partidos políticos quando filiados com cargos eletivos forem condenados por crimes de corrupção.


VOLTAR