Iniciativa contra corrupção liderada por procurador evangélico supera 1,5 milhão de assinaturas » Rede Acontece
Últimas
19-08-2018 » Striptease até de dia | Festa de Barretos tenta vetar sexo ao ar livre em camping 19-08-2018 » "Meus dois esquimós" | Galvão Bueno parabeniza os netos gêmeos nas redes 19-08-2018 » Cachos soltos | Maju muda visual e ganha elogios dos internautas 19-08-2018 » Separados há 20 anos | Aniversário da filha reúne Demi Moore e Bruce Willis 19-08-2018 » Corinthians perde | Loss vê Grêmio mais entrosado e lamenta falta de treino 19-08-2018 » Às 11h | Atlético-PR recebe Fla no maior jogo de 'torcida única' 19-08-2018 » Emagrecimento | Suco de laranja não é vilão e pode ajudar na perda de peso 19-08-2018 » Atriz tem 78 anos | 'Minha doença é não abandonar a cannabis', afirma Maria Gladys 19-08-2018 » Marcelo e Jesus voltam? | Tite telefona para 'esquecidos' e projeta volta até Copa América 19-08-2018 » Proteínas no cérebro protegem | Algumas pessoas podem ser imunes ao Alzheimer, e ciência descobre razão 19-08-2018 » Mentiras que matam gente | Detalhes do 1º caso de repercussão em que notícia falsa tirou uma vida 19-08-2018 » Diva country bota peões para dançar | Com arena de rodeios lotada, Shania Twain levanta Barretos com clássicos 19-08-2018 » Fila para ver mostra polêmica | Queermuseu tem 1º dia com recorde de público, protesto e proibição no RJ 19-08-2018 » O gênio por trás do AliExpress | Como um 'antinerd' tornou o Alibaba uma potência global do comércio 19-08-2018 » Sonho de muita gente | Transformar o hobby em trabalho nem sempre vai deixar você mais feliz 19-08-2018 » Violência no Rio | Vice de Romário é vítima de roubo; suspeitos tinham pistola e fuzil 19-08-2018 » Surpresas e riscos | Catacumba faz das profundezas de Paris quase uma outra cidade 19-08-2018 » Eleições 2018 | Dinastias políticas lançam mais de 60 candidatos 19-08-2018 » Como fica a CLT em 2019 | Conheça propostas dos presidenciáveis para leis do trabalho 19-08-2018 » Momento instável | Vale a pena investir em imóvel agora? Depende do próximo presidente
Publicidade
intersorft centro medico sao gabriel clinica master lab laboratorio
2 de março de 2016

Iniciativa contra corrupção liderada por procurador evangélico supera 1,5 milhão de assinaturas

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

10 medidas contra a corrupção, campanha contra corrupção, Corrupção, Deltan Dallagnol, ficha limpa, Operação Lava-Jato, procurador nicolau dino, Tribunal Superior Eleitoral. A iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) que propõe 10 medidas contra a corrupção alcançou, na última semana, 1,5 milhão de assinaturas de apoio, e poderá ser apresentada ao Congresso Nacional como um projeto de lei de iniciativa popular, nos moldes da lei da Ficha Limpa. A proposta do MPF prevê dez mudanças na legislação atual, como a transformação da corrupção em crime hediondo, aumento das penas e criminalização de doações não-declaradas em campanhas eleitorais. “A ideia é apresentar esse conjunto de assinaturas ao Congresso com o pleito de instalação de uma comissão para apreciação das propostas. Sabemos que já existem vários projetos de lei com escopos similares ou até mesmo com o mesmo teor. Portanto, nossa expectativa é de que tudo seja aglutinado de forma que a Câmara e o Senado possam se debruçar sobre eles”, informou o subprocurador-geral da República, Nicolau Dino. Pela previsão inicial, o conjunto de propostas deverá ser enviado ao Congresso em abril. A iniciativa precisava coletar as assinaturas de 1% do total de eleitores brasileiros. Atualmente, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o país tem 142,8 milhões de cidadãos aptos a votar. O procurador Deltan Dallagnol, que integra a força-tarefa da Operação Lava-Jato, foi um dos principais divulgadores da iniciativa. Para ele, a ajuda de mais de 800 entidades sociais na divulgação da proposta foi essencial e legitimadora: “O que vemos hoje é um movimento da sociedade, de baixo para cima, por mudanças que ansiamos desde que o Brasil é Brasil”, contextualizou. “Este volume de assinaturas demonstra que não somos meros espectadores, somos protagonistas da história”, acrescentou Dino. Além dos três pontos supracitados, a proposta quer tornar crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos quando seu patrimônio for incompatível com a renda, mesmo que não seja possível provar a origem escusa dos recursos; a prisão preventiva para evitar que suspeitos de corrupção ocultem ou dissipem o dinheiro ganho com o crime; confisco do patrimônio do condenado por corrupção, sem distinção direta entre os ganhos extraídos exclusivamente do crime e os lucros posteriores; e responsabilização de partidos políticos quando filiados com cargos eletivos forem condenados por crimes de corrupção.


VOLTAR