Isidório Filho propõe suspensão de lei que obriga uso de farol baixo durante o dia » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 23-08-2019 » Meio ambiente | Bolsonaro convoca gabinete de crise para tratar da Amazônia 23-08-2019 » Desmatamento | Atos pela Amazônia devem ocorrer em pelo menos 40 cidades do Brasil 23-08-2019 » Julgamento foi suspenso | STF forma maioria contra redução de jornada e salário de servidor público 23-08-2019 » Encontro de delegados na BA | Policiais da PF elevam críticas a Bolsonaro e não poupam nem Moro 23-08-2019 » Por Previdência | Um terço do que governo quer remanejar é corte da Educação 23-08-2019 » Plateia no RS ficou indignada | Em Gramado, chefe da Ancine diz que suspensão de edital foi 'convite ao diálogo' 23-08-2019 » Veja como | Seguro do seu carro pode baixar mais de 10% com peça paralela 23-08-2019 » Veja detalhes | Entramos no Taycan, 1º Porsche elétrico: meta é ser um esportivo único 23-08-2019 » Segundo secretaria | SP receberá vacinas, e campanha contra sarampo está mantida 23-08-2019 » Defesa nega | Atriz acusa diretor de filme de Marquezine de assédio: 'Foi horrível' 23-08-2019 » Ilegal e perigoso | Mais de 4 milhões têm 'gatonet'; veja os riscos das caixas de TV pirata 23-08-2019 » Filho do presidente | Flávio usou casa penhorada por dívida em entrevista a TV 23-08-2019 » Santos está na ponta | Quem vai terminar 1º turno do Brasileiro na liderança? Blogueiros opinam 23-08-2019 » 'Essa coisa não é simples' | Relator da reforma da Previdência no Senado adia entrega de parecer 23-08-2019 » Flexibiliza regra trabalhista | Entenda as principais mudanças da MP da Liberdade Econômica 23-08-2019 » Educação | MEC troca chefia de órgão que cuida do Enem pela 4ª vez e nomeia general 23-08-2019 » Laura Carvalho | Abaixo do piso, há a barbárie dita por Drauzio Varella 23-08-2019 » Sakamoto | Bolsonaro queima o filme do Brasil com o mundo 23-08-2019 » Menon | Rodrigo Caio colocou Guerrero no bolso 23-08-2019 » Schneider | Fundeb no fim: quanto vale a educação?
Publicidade
12 de fevereiro de 2019

Isidório Filho propõe suspensão de lei que obriga uso de farol baixo durante o dia

Foto: divulgação/assessoria do deputado

O deputado estadual Pastor Isidório Filho (Avante) sugeriu a seu pai, o deputado federal Pastor Sargento Isidório (Avante), e ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), a suspensão da Lei 13.290/2016, que obriga o uso de farol baixo em todas as estradas federais e estaduais do País durante o dia. Na indicação apresentada na Assembleia Legislativa da Bahia, Isidório Filho argumenta que ao exigir os faróis acesos durante o dia, “o dispositivo legal retroalimenta a indústria de multas em todo território nacional”. Conhecida como ‘Lei do Farol Baixo’, a Lei 13.290/16 foi assinada pelo então presidente Michel Temer em maio de 2016. Diante das reclamações, a aplicação das multas foi suspensa por força de liminar, pelo juiz Renato Borelli, da 20ª Vara Federal do DF. Ato contínuo, a liminar foi derrubada pela Advocacia Geral da União (AGU), a pedido da Presidência da República. O parlamentar ilustra sua sugestão relatando que “em cidades como Brasília, São Paulo, Feira de Santana e Salvador, as ruas, avenidas, vias, estradas e rodovias penetram o perímetro urbano e se entrelaçam, tornando impossível a identificação do começo de uma via e o término de uma rodovia estadual ou federal, de modo a se ter certeza quando exigível o farol acesso e quando dispensável”. Citando a Resolução 227 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), o deputado alega ainda que o uso dos faróis fora dos padrões se torna uma infração. A resolução prevê o enquadramento no Artigo 223 do CTB. O artigo estabelece ainda como infração grave transitar com o farol desregulado ou com o facho de luz alta, de forma a perturbar a visão de outro condutor, o que pode ocasionar na retenção do veículo para regularização e uma multa de R$ 127,69. “Nosso entendimento, portanto, é que a matéria fere princípios elementares de bom senso e a revogação da Lei 13.290 se faz necessária para se restabeleça o justo e que, em última análise, o cidadão não pense que o Estado esteja extorquindo seus compatriotas, uma sensação real a todos que são multados por este dispositivo”, afirma Isidório Filho.


VOLTAR