Itapetinga: Com 200 jumentos mortos por maus-tratos, fazenda é interditada » Rede Acontece
Últimas
17-02-2019 » Acidente matou Boechat | Mãe de piloto de helicóptero morre três dias depois do filho 17-02-2019 » Crise no Planalto | Bolsonaro já assinou saída de Bebianno, dizem interlocutores 17-02-2019 » E o coração aguenta? | Maiara e Maraisa lavam alma sertaneja com sofrência e Jenifer no festival 17-02-2019 » Chegou chegando | Ludmilla põe público do CarnaUOL para rebolar e dançar até o chão com funk 17-02-2019 » Chicleeeeete! | Show de Bell Marques faz evento tremer com sucessos da BA 17-02-2019 » Primeira atração | Abertura do CarnaUOL tem clima de micareta com a Banda Eva 17-02-2019 » De olho nos ponteiros | Horário de verão no Brasil terminou; atrase relógio em 1 hora 17-02-2019 » 1ª negra na posição | Maju estreia na bancada do JN com elogios e improviso 17-02-2019 » Deslizamento em Mauá | Bombeiros buscam por 2 crianças soterradas na Grande São Paulo 17-02-2019 » Taça Guanabara | Justiça determina final com portões fechados após pedido do Flu 17-02-2019 » Papo com Mazzafera | No CarnaUOL, Ludmilla diz que nunca transou em 1º encontro: 'Sou careta' 17-02-2019 » Um ano após tiroteio nos EUA | Alunos, pais, policiais e professores falam sobre tragédia em Parkland 17-02-2019 » Destaque do CarnaUOL | Mariana Xavier conta a Mazzafera qual foi a pior cantada que já ouviu 17-02-2019 » Em São Paulo | CarnaUOL vibra com eletrônico de Alok 17-02-2019 » Bombeiros, Defesa Civil e PM já atuam | Moradores de Nova Lima (MG) deixam casas por risco em barragem
Publicidade
12 de setembro de 2018

Itapetinga: Com 200 jumentos mortos por maus-tratos, fazenda é interditada

Foto Reprodução

Uma fazenda de criação de jumentos localizada na cidade de Itapetinga, no sudoeste da Bahia, foi interditada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, neste mês, após denúncias de maus-tratos aos animais. O local é alvo de investigação da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual (MP-BA). A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) fiscaliza a situação. A estimativa é de que cerca de 200 jumentos tenham morrido no local por maus-tratos. Os animais pertencem à empresa chinesa Cuifeng Lin e são levados para o local antes de serem encaminhados para um frigorífico, onde são abatidos. Em seguida, a carne é exportada para o Vietnã. Com a interdição, a empresa foi impedida de levar novos jumentos para a fazenda. Apenas os que já estavam no local seguem o processo de abate. A Fazenda Barra da Nega tem 7 hectares, mas chegou a abrigar mais de 800 animais simultaneamente. Mais de 2 mil foram abatidos em um mês. A propriedade foi alugada em junho. Os animais começaram a ser levados para o local em julho. No entanto, segundo as autoridades, o espaço não é apropriado para a criação dos jumentos. De acordo com informações da Polícia Civil, durante as investigações foram encontrados 80 carcaças e dezenas de ossadas de jumentos. Mesmo assim, a polícia estima que um número maior de animais morreu no local. Vídeos gravados por entidades de proteção ambiental mostram o abandono dos jumentos. “É uma área pequena, que mede 7 hectares. E, no dia que foi feita a fiscalização, havia 657 animais. No dia seguinte, chegaram mais 150 animais. A concentração de animais era muito alta. Também foram recolhidas cerca de 80 carcaças de animais mortos e havia muitas ossadas. A gente estima que cerca de 200 animais mortos ou mais”, disse o coordenador regional da Polícia Civil, Irineu Andrade. Segundo a Adab, não há autorização para manter os jumentos no local. Por conta disso, a empresa chinesa foi multada em cerca de R$ 25 mil. Além disso, até que o problema seja resolvido, o órgão deixou de emitir guias de trânsito para que os jumentos sejam levados para o frigorífico. “A Adab multou aqueles empresários que estavam com os animais irregularmente. A multa de trânsito (transporte de animais) já está em torno de R$ 25 mil. Isso da contagem que fizemos até hoje”, contou Cláudio Dourado, coordenador da Adab. O Frigorífico Sudoeste, responsável por abater os animais, se comprometeu a suspender a operação até que a empresa chinesa resolva as irregularidades. “Estamos rescindindo o nosso contrato com a empresa porque, agora, ela tem que resolver o problema dela com a Adab, com a Vigilância Sanitária, para que, depois de regularizada, ela possa voltar a abater. A partir deste momento, o Frigorífico Sudoeste não vai mais abater animais dessa empresa, até que ela se regularize”, disse Eder Rezende, sócio do frigorífico. A reportagem tentou falar com a empresa responsável pelos jumentos, mas não conseguiu contato até a publicação. (G1 Bahia)


VOLTAR