Itapetinga: Pesquisa sobre embalagens ativas tem destaque na mídia nacional » Rede Acontece
Últimas
26-03-2019 » Novos smartphones | Tira foto da Lua! Huawei lança celular P30 com super zoom 26-03-2019 » Com a mulher | Bolsonaro foi ao cinema de manhã e só iniciou agenda às 11h30 26-03-2019 » Fará participações | TV Gazeta contrata Alckmin para programa de Ronnie Von 26-03-2019 » Valores na CLT | Veja o ranking das folhas de pagamento dos clubes da Série A 26-03-2019 » Amistoso em Praga | Brasil enfrenta a República Tcheca às 16h45; siga o pré jogo 26-03-2019 » PEC da Previdência | Líderes da Câmara anunciam veto a BPC e aposentadoria rural na reforma 26-03-2019 » Mandato vai até setembro | Chefe da Procuradoria Militar faz lobby para suceder Dodge na PGR 26-03-2019 » Mudança na equipe | Carlos Bolsonaro deve perder espaço com troca na comunicação do Planalto 26-03-2019 » Lance no Paulistão | Como polêmica sobre VAR extrapola guerra entre Palmeiras e FPF 26-03-2019 » 'Uma crise atrás da outra' | Derrotas de Moro e dúvida no STF deixa PF em alerta 26-03-2019 » Programa faz 30 anos | Quem é a mulher que comanda as 200 bailarinas do Faustão 26-03-2019 » Coisa Mais Linda, da Netflix | F. Vasconcellos vive vítima de violência em série: 'Me coloquei no lugar dela' 26-03-2019 » Governo: modo de usar | Como 'nova política' de Bolsonaro rejeita articulação e ameaça Previdência 26-03-2019 » Em recuperação judicial | Avianca Brasil decide fechar 21 rotas, 40% do total; veja destinos afetados 26-03-2019 » Ela é dona do jogo | Renata Fan: 'Não testariam homens como me testaram' 26-03-2019 » Pressão dos parceiros | Mulheres contam como transavam sem vontade por violência psicológica 26-03-2019 » Zona de risco em BH | UOL.DOC: Medo de rompimento assombra condomínios de luxo
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
16 de dezembro de 2018

Itapetinga: Pesquisa sobre embalagens ativas tem destaque na mídia nacional

Foto Reprodução

Ao notar as potencialidades da internet como propagadora de informações, Larissa Sandes, engenheira de alimentos formada pela Uesb, decidiu divulgar em suas redes sociais a pesquisa de iniciação científica que desenvolveu durante a graduação, sob a orientação da docente Cristiane Patrícia de Oliveira, no campus de Itapetinga. O vídeo sobre embalagens plásticas biodegradáveis logo ganhou a notoriedade do website “Menos 1 lixo” – especializado em divulgar iniciativas sustentáveis -, que ao repercutir o conteúdo de Larissa chamou a atenção também da mídia nacional. Até o momento, a jovem já foi entrevistada por veículos nacionais como Estadão, Casa Jardim e, em breve, a Globo News fará uma reportagem sobre a pesquisa. “Institutos vieram falar comigo sobre a pesquisa. Estou fazendo parte do grupo Lixo Zero, em Brasília”, afirmou Larissa. Além disso, pequenas empresas têm procurado ela para pensar em formas de comercializar as chamadas embalagens ativas, ou seja, produtos que se desintegram mais rapidamente no meio ambiente e prolongam a vida útil dos alimentos.

Foto Reprodução

A pesquisa de Larissa faz parte de uma pesquisa maior orientada por Cristiane Patrícia de Oliveira, coordenadora do curso de Engenharia de Alimentos vinculada ao Departamento de Ciências Exatas e Naturais (DCEN), sobre embalagens ativas e inteligentes. Durante sua pesquisa doutoral, a docente fez pesquisas utilizando diversos produtos – como amidos e fécula de batata – para desenvolver embalagens biodegradáveis. Quando retornou à Uesb, Cristiane deu continuidade a sua pesquisa junto a um grupo de orientados para fazer experimentos. “Embalagens ativas são produtos que interagem com o alimento. Têm vários tipos: antioxidante, antimicrobianas, absorvedoras de oxigênio, etileno etc. Elas funcionam da seguinte forma: no alimento processado, ao invés de colocar o aditivo nele, acrescenta a substância na embalagem”, explica a docente. Segundo ela, as substâncias migram para o produto, quando necessário, diminuindo a quantidade de aditivo que se coloca diretamente no alimento. “Larissa foi minha terceira orientanda de iniciação científica; com ela, desenvolvemos a pesquisa utilizando como base para as embalagens a fécula, que se difere das embalagens tradicionais do mercado que usam produtos derivados do petróleo”,

A docente explica que o grupo de pesquisa desenvolve as chamadas embalagens fílmicas, ou seja, não basta o produto ter origem natural, ele também tem que gerar uma espécie de filme. “Nosso laboratório é experimental, por isso fazemos a técnica ‘de casting’ – uma solução colocada numa superfície, quando seca, o solvente evapora formando o filme”, comenta Cristiane. A proposta é que o projeto se torne mais palpável para a população, com o intuito de desenvolver as embalagens ativas também na casa das pessoas.


VOLTAR