Itapetinga: Pesquisa sobre embalagens ativas tem destaque na mídia nacional » Rede Acontece
Últimas
16-01-2019 » Se diz explorada | Rihanna abre processo contra o próprio pai, Ronald Fenty; entenda 16-01-2019 » Contas | Veja 7 dicas para economizar na compra de material escolar 16-01-2019 » Loterias | Mega acumula e pode pagar R$ 27 milhões na quinta; veja dezenas 16-01-2019 » Copa São Paulo | Figueirense elimina Palmeiras, que mantém jejum na competição 16-01-2019 » Fim de contrato | Acusado de assédio, José Mayer deixa a Globo após 35 anos 16-01-2019 » Medida é considerada ilegal | Sindicatos querem tirar reajuste salarial de quem não pagar contribuição 16-01-2019 » Italiano preso | Bolívia descarta atuação brasileira em captura de Battisti 16-01-2019 » Querem implantar no Brasil | Bancada do PSL vai à China importar sistema que reconhece rostos 16-01-2019 » Ministro da Justiça | Para Moro, críticas indicam que decreto de posse de arma foi "ponderado" 16-01-2019 » Presidência da Câmara | Esquerda não chega a acordo e pode liberar voto de deputados 16-01-2019 » Assinado por Bolsonaro | Decreto frustra defensores de acesso a armas; indústria aprova 16-01-2019 » 1ª visita de chefe de Estado | Macri vem ao Brasil e discute com Bolsonaro Mercosul e Venezuela 16-01-2019 » Antes de tomar posse | Bolsonaro recebeu R$ 33,7 mil de auxílio-mudança da Câmara 16-01-2019 » Combustível feito em um único local | Parada em refinaria da Petrobras deixa aviões agrícolas sem gasolina 16-01-2019 » 'Frankenstein' de 2018 | Misturamos modelos de celulares para criar o 'aparelho dos sonhos' 16-01-2019 » Interpretação de mapa astral | Para de ser doida! Sense Márcia analisa a vida da youtuber Evelyn Regly
Publicidade
16 de dezembro de 2018

Itapetinga: Pesquisa sobre embalagens ativas tem destaque na mídia nacional

Foto Reprodução

Ao notar as potencialidades da internet como propagadora de informações, Larissa Sandes, engenheira de alimentos formada pela Uesb, decidiu divulgar em suas redes sociais a pesquisa de iniciação científica que desenvolveu durante a graduação, sob a orientação da docente Cristiane Patrícia de Oliveira, no campus de Itapetinga. O vídeo sobre embalagens plásticas biodegradáveis logo ganhou a notoriedade do website “Menos 1 lixo” – especializado em divulgar iniciativas sustentáveis -, que ao repercutir o conteúdo de Larissa chamou a atenção também da mídia nacional. Até o momento, a jovem já foi entrevistada por veículos nacionais como Estadão, Casa Jardim e, em breve, a Globo News fará uma reportagem sobre a pesquisa. “Institutos vieram falar comigo sobre a pesquisa. Estou fazendo parte do grupo Lixo Zero, em Brasília”, afirmou Larissa. Além disso, pequenas empresas têm procurado ela para pensar em formas de comercializar as chamadas embalagens ativas, ou seja, produtos que se desintegram mais rapidamente no meio ambiente e prolongam a vida útil dos alimentos.

Foto Reprodução

A pesquisa de Larissa faz parte de uma pesquisa maior orientada por Cristiane Patrícia de Oliveira, coordenadora do curso de Engenharia de Alimentos vinculada ao Departamento de Ciências Exatas e Naturais (DCEN), sobre embalagens ativas e inteligentes. Durante sua pesquisa doutoral, a docente fez pesquisas utilizando diversos produtos – como amidos e fécula de batata – para desenvolver embalagens biodegradáveis. Quando retornou à Uesb, Cristiane deu continuidade a sua pesquisa junto a um grupo de orientados para fazer experimentos. “Embalagens ativas são produtos que interagem com o alimento. Têm vários tipos: antioxidante, antimicrobianas, absorvedoras de oxigênio, etileno etc. Elas funcionam da seguinte forma: no alimento processado, ao invés de colocar o aditivo nele, acrescenta a substância na embalagem”, explica a docente. Segundo ela, as substâncias migram para o produto, quando necessário, diminuindo a quantidade de aditivo que se coloca diretamente no alimento. “Larissa foi minha terceira orientanda de iniciação científica; com ela, desenvolvemos a pesquisa utilizando como base para as embalagens a fécula, que se difere das embalagens tradicionais do mercado que usam produtos derivados do petróleo”,

A docente explica que o grupo de pesquisa desenvolve as chamadas embalagens fílmicas, ou seja, não basta o produto ter origem natural, ele também tem que gerar uma espécie de filme. “Nosso laboratório é experimental, por isso fazemos a técnica ‘de casting’ – uma solução colocada numa superfície, quando seca, o solvente evapora formando o filme”, comenta Cristiane. A proposta é que o projeto se torne mais palpável para a população, com o intuito de desenvolver as embalagens ativas também na casa das pessoas.


VOLTAR