Itapetinga: Pesquisa sobre embalagens ativas tem destaque na mídia nacional » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 22-07-2019 » Silvio Santos | Neymar participa de atração no SBT e diz que não beijou Anitta 22-07-2019 » Na GloboNews | José Roberto Burnier pede licença para se tratar de um câncer 22-07-2019 » Alto nº de homicídios | Por que a América Latina é a região mais violenta do mundo 22-07-2019 » Foi identificada | Grêmio oferece apoio a torcedora vítima de agressão no Gre-Nal 22-07-2019 » Comparou a Moro | Deputada Joice Hasselmann diz que teve o celular clonado 22-07-2019 » Do meio de campo; veja | Emocionado, Juninho diz que bola bateu na canela em gol contra 22-07-2019 » Bolsonaro questionou órgão | 'Posso até ser demitido, mas não se pode atacar o Inpe', afirma diretor 22-07-2019 » 'Filme de terror' | Mattos e funcionários do Palmeiras relatam drama em voo para Argentina 22-07-2019 » 40% do FGTS | Para deputados, trabalhador precisa ser compensado se multa for reduzida 22-07-2019 » Corinthians 1 x 1 Flamengo | Carille vê Corinthians 'dentro da normalidade', mas cobra melhor pontaria 22-07-2019 » Antônio Prata | Uma mesma palavra e tantos significados 22-07-2019 » Reinaldo Azevedo | Por qual crime Bolsonaro será deposto? 22-07-2019 » Benja | A minha luta continua: o futebol vai 'ACAVAR'! 22-07-2019 » Samuel Pêssoa | Velha esquerda no país morrerá de morte morrida 22-07-2019 » Tostão | No futebol e na vida, interpretação não é fato 22-07-2019 » Diogo Schelp | Por que 'guerra' em Hong Kong continua? 22-07-2019 » Ruy Castro | Heroica e infeliz, MEC-AM tem seus dias contados 22-07-2019 » Perrone | Hostilidade de palmeirenses não é normal 22-07-2019 » PVC | No Brasil, os times ricos também choram 22-07-2019 » Drauzio Varella | Fatalismo deve ser substituído por práticas saudáveis
Publicidade
16 de dezembro de 2018

Itapetinga: Pesquisa sobre embalagens ativas tem destaque na mídia nacional

Foto Reprodução

Ao notar as potencialidades da internet como propagadora de informações, Larissa Sandes, engenheira de alimentos formada pela Uesb, decidiu divulgar em suas redes sociais a pesquisa de iniciação científica que desenvolveu durante a graduação, sob a orientação da docente Cristiane Patrícia de Oliveira, no campus de Itapetinga. O vídeo sobre embalagens plásticas biodegradáveis logo ganhou a notoriedade do website “Menos 1 lixo” – especializado em divulgar iniciativas sustentáveis -, que ao repercutir o conteúdo de Larissa chamou a atenção também da mídia nacional. Até o momento, a jovem já foi entrevistada por veículos nacionais como Estadão, Casa Jardim e, em breve, a Globo News fará uma reportagem sobre a pesquisa. “Institutos vieram falar comigo sobre a pesquisa. Estou fazendo parte do grupo Lixo Zero, em Brasília”, afirmou Larissa. Além disso, pequenas empresas têm procurado ela para pensar em formas de comercializar as chamadas embalagens ativas, ou seja, produtos que se desintegram mais rapidamente no meio ambiente e prolongam a vida útil dos alimentos.

Foto Reprodução

A pesquisa de Larissa faz parte de uma pesquisa maior orientada por Cristiane Patrícia de Oliveira, coordenadora do curso de Engenharia de Alimentos vinculada ao Departamento de Ciências Exatas e Naturais (DCEN), sobre embalagens ativas e inteligentes. Durante sua pesquisa doutoral, a docente fez pesquisas utilizando diversos produtos – como amidos e fécula de batata – para desenvolver embalagens biodegradáveis. Quando retornou à Uesb, Cristiane deu continuidade a sua pesquisa junto a um grupo de orientados para fazer experimentos. “Embalagens ativas são produtos que interagem com o alimento. Têm vários tipos: antioxidante, antimicrobianas, absorvedoras de oxigênio, etileno etc. Elas funcionam da seguinte forma: no alimento processado, ao invés de colocar o aditivo nele, acrescenta a substância na embalagem”, explica a docente. Segundo ela, as substâncias migram para o produto, quando necessário, diminuindo a quantidade de aditivo que se coloca diretamente no alimento. “Larissa foi minha terceira orientanda de iniciação científica; com ela, desenvolvemos a pesquisa utilizando como base para as embalagens a fécula, que se difere das embalagens tradicionais do mercado que usam produtos derivados do petróleo”,

A docente explica que o grupo de pesquisa desenvolve as chamadas embalagens fílmicas, ou seja, não basta o produto ter origem natural, ele também tem que gerar uma espécie de filme. “Nosso laboratório é experimental, por isso fazemos a técnica ‘de casting’ – uma solução colocada numa superfície, quando seca, o solvente evapora formando o filme”, comenta Cristiane. A proposta é que o projeto se torne mais palpável para a população, com o intuito de desenvolver as embalagens ativas também na casa das pessoas.


VOLTAR