Janot diz que planejou matar Gilmar Mendes no STF e depois cometer suicídio » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 29-05-2020 » Pandemia pelo Brasil | Pelo 3º dia seguido, Brasil tem mais de mil mortes por covid-19 em 24 horas 29-05-2020 » Investigações | Maioria do STF defende manutenção de inquérito de fake news 29-05-2020 » Pandemia pelo mundo | Número de novos casos de covid-19 na Itália sobe pelo 2º dia seguido 29-05-2020 » Texto vai ao Senado | Câmara aprova MP que suspende contratos e corta salário de trabalhadores 29-05-2020 » Benefício do governo | Auxílio: Caixa e Elo privilegiam empresas de maquininhas de grandes bancos 29-05-2020 » Ministro da Educação | Abraham Weintraub 'extrapolou' em falas durante reunião, diz Jair Bolsonaro 29-05-2020 » Crise entre poderes | Para líderes no Senado, Congresso deve agir antes que haja um golpe 29-05-2020 » Secretária de Cultura | Uma semana depois de anunciar saída, Regina Duarte segue no cargo 29-05-2020 » Vítima de ação policial | Crescem protestos nos EUA pela morte de homem negro 29-05-2020 » Quarentena na capital de SP | 'Tivemos autorização, e não ordem de reabrir', diz prefeito 29-05-2020 » Medicamento | Entidades pedem ao STF suspensão do protocolo da cloroquina contra covid-19 29-05-2020 » Coronavírus no Brasil | Senado aprova linha de crédito de até R$ 100 mil para médicos e veterinários 29-05-2020 » Governo | Bolsonaro diz que Aras é nome forte para eventual terceira vaga no STF 29-05-2020 » Aqui, não! | Zoom bota até inteligência artificial contra orgia 29-05-2020 » Flávio Ricco | Jornalista da CNN desmaia após reportagem no AM 29-05-2020 » 'Vontade de chorar' | F. Keulla pede dicas para Marcela após falha em sexo anal 29-05-2020 » 'De Férias com o Ex' | Reality tem sexo frenético, recaídas e massagem erótica 29-05-2020 » Na CNN | Comentarista explica saudação nazista e se desculpa 29-05-2020 » Mas não sabia letra | Top de Joelma arrebenta em live, e filha pega microfone 29-05-2020 » Arte do brasileiro Mauricio Lima | Fotógrafo registra Paris vazia na pandemia a partir de imagens clássicas de Eugêne Atget
Publicidade
27 de setembro de 2019

Janot diz que planejou matar Gilmar Mendes no STF e depois cometer suicídio

Foto: Reprodução

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot disse na última quinta-feira (26) que foi armado à uma seção do Supremo Tribunal Federal com a intenção de matar Gilmar Mendes. Janot narrou o episódio sem nomear o ministro do STF em livro de memórias que está sendo lançado neste mês e declarou à Folha de S.Paulo que seu alvo era Mendes. À Veja e ao Estadão, ele acrescentou que pretendia se suicidar após cometer o crime. “Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele (Gilmar) e depois me suicidar”, afirmou Janot ao jornal O Estado de S. Paulo. O plano de assassinar Gilmar Mendes se deu por causa de insinuações que ele teria feito sobre sua filha em 2017. “Tenho uma dificuldade enorme de pronunciar o nome desta pessoa”, disse à Folha. Em maio de 2017, quando ainda atuava como procurador-geral da República, Janot pediu a suspeição de Gilmar Mendes em casos relacionados a Eike Batista – o empresário se se tornara alvo da Lava Jato e era defendido pelo escritório de advocacia do qual a mulher do ministro, Guiomar Feitosa Mendes, é sócia. A reação de Mendes, segundo Janot, foi lançar suspeitas sobre a atuação de sua filha, Letícia Ladeira Monteiro de Barros, que é advogada e representara a empreiteira OAS no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). “Num dos momentos de dor aguda, de ira cega, botei uma pistola carregada na cintura e por muito pouco não descarreguei na cabeça de uma autoridade de língua ferina que, em meio àquela algaravia orquestrada pelos investigados, resolvera fazer graça com minha filha”, relata Janot, em seu livro. “Só não houve o gesto extremo porque, no instante decisivo, a mão invisível do bom senso tocou meu ombro e disse: não.” O ex-procurador-geral da República disse, na entrevista concedida à Folha, que seu plano era matar Gilmar Mendes antes do início da sessão no STF. “Na antessala, onde eu o encontraria antes da sessão”, afirmou. Ele afirmou, porém, que não entrou no plenário do tribunal armado. O episódio ocorreu em 2017, perto do fim do seu segundo mandato à frente da Procuradoria-Geral da República, que ele chefiou por quatro anos.


VOLTAR