Jaques Wagner diz que ida de Dilma ao Congresso foi um gesto de humildade » Rede Acontece
Últimas
18-01-2019 » Caso Daniel | Âncora acusado de fake news por família Brittes é chamado a depor 18-01-2019 » Questão de higiene | Tem problema ter lixo na pia ou aumenta risco de bactérias? 18-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 18-01-2019 » Defensora dos animais | Luisa Mell: 'Pode ter mulher agredida onde tem bicho apanhando' 18-01-2019 » Acordo com pai dela | Felipe Neto pagará 'acompanhamento psicológico' a Melody 18-01-2019 » Exclusivo | Funcionária que disparou WhatsApp para Bolsonaro ganha cargo no Planalto 18-01-2019 » Investigação contra Queiroz | Ministro do STF afirma que pedido de Flávio foi 'confissão de culpa' 18-01-2019 » Ex-ministro de Temer | Bolsonaro escolhe general Silva e Luna para ser o diretor-geral de Itaipu 18-01-2019 » Medidas econômicas | Auxílio-reclusão e pensão por morte vão passar por pente-fino; entenda 18-01-2019 » Educação | Governo suspende nomeação de diretor para coordenar Enem 18-01-2019 » Relações com o país vizinho | Bolsonaro cita PT e diz que Brasil tem culpa em crise na Venezuela 18-01-2019 » Atacante do Santos | Fla encaminha acerto com Bruno Henrique por R$ 23 milhões 18-01-2019 » Copa São Paulo | SP bate Cruzeiro nos pênaltis e pega Guarani na semifinal 18-01-2019 » Ex-comandante do Exército | Símbolo de superação, Villas Bôas traz voz moderada ao Planalto 18-01-2019 » Para descobrir o que têm | Pessoas com doenças misteriosas buscam 'detetives' nos EUA 18-01-2019 » Salão de Detroit | Nissan revela que futuro Versa será 'surpreendente como o Kicks'
Publicidade
3 de fevereiro de 2016

Jaques Wagner diz que ida de Dilma ao Congresso foi um gesto de humildade

Foto: Conquista Acontece

Foto: Rede Acontece

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse que a presidente Dilma Rousseff fez um gesto de “humildade” e em direção “ao diálogo” ao decidir participar pessoalmente da solenidade de abertura dos trabalhos do Congresso. Durante seu discurso, a presidente foi vaiada em seis ocasiões, especialmente nos momentos em que defendeu a recriação da CPMF. Wagner minimizou as reações. “Como se trata de uma solenidade, melhor não ter [vaia], mas quem sou eu para dizer o que pode e o que não pode se fazer nessa Casa”, declarou. O ministro disse que reações adversas são naturais no ambiente da política, mas que o momento requer calma. “A minha recomendação é maracujina para todos”, brincou. O ministro atribuiu a hostilidade a Dilma às “paixões” naturais da política, mas ressaltou que, ao pedir a colaboração de todos, a presidente sinaliza na direção do que quer o “país”. “É isso o que o povo quer”, concluiu.


VOLTAR