Justiça italiana diz que mulher é ‘masculina demais’ para ter sido estuprada » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 25-05-2020 » 'Errei por acreditar' | Editor do Jabuti se retrata por minimizar covid-19 25-05-2020 » 'Vivendo quem sou' | Ex-militar e mulher trans viraliza na web com transformação 25-05-2020 » 'Vai ter que pagar' | Ludmilla decide ir à delegacia após acusações de traição 25-05-2020 » Carrão barulhento? | Homem se vinga e 'silencia' o Mustang do vizinho nos EUA 25-05-2020 » Ao Vivo | Globonews: repórter é interrompido por gritos de insultos 25-05-2020 » Em recente acordo | Hulk Paraíba deu à ex-mulher R$ 71 mi em bens e imóveis 25-05-2020 » Revelações ousadas | Simaria diz gostar de usar salto na hora do sexo 25-05-2020 » Complicações do câncer | Vadão, ex-técnico da seleção feminina, morre aos 63 anos 25-05-2020 » Pandemia no país | Isolamento em SP chega a 55% ontem e atinge melhor índice desde início de maio 25-05-2020 » Ação policial no Rio | Após morte de João Pedro, MPF pede que PF só realize operações urgentes 25-05-2020 » Fomento à economia | Saque de R$ 1.045 do FGTS: quem recebe e quando será? Veja o que se sabe 25-05-2020 » Carro e caminhonete colidiram | Acidente deixa 5 mortos em Mogi das Cruzes (SP) 25-05-2020 » Em busca da cura para covid-19 | Estudos em macacos se mostram promissores com vacina e imunização 25-05-2020 » Governo | Bolsonaro sanciona lei que autoriza recomposição salarial de policiais do DF 25-05-2020 » Negociações do governo | Indicados pelo centrão e nomeados por Bolsonaro já tiveram cargos na oposição 25-05-2020 » UOL Debate | 'O que há de mais leve em vídeo da reunião é questão da PF', diz professor 25-05-2020 » Nem atores sabiam de reviravolta | Mark Hamill revela segredo da produção de 'O Império Contra-Ataca' 25-05-2020 » Josias de Souza | Bolsonaro unifica STF ao alvejar Celso de Mello 25-05-2020 » M. Alencastro | Com revolta latina, Macron concretiza União Europeia 25-05-2020 » Luiz Felipe Pondé | Os paranoicos venceram no novo normal
Publicidade
14 de março de 2019

Justiça italiana diz que mulher é ‘masculina demais’ para ter sido estuprada

Foto Reprodução

Dois homens acusados de estupro foram absolvidos pelo tribunal de recursos italiano presidido por três juízas, em parte porque a vítima, segundo elas, tinha aparência de homem, por isso os réus não poderiam ter sentido atração por ela. A decisão foi revogada e um novo julgamento ordenado.  Revelada na última sexta-feira (8) pela ordem de novo julgamento emitida pelo Supremo Tribunal italiano, a justificativa da decisão do tribunal de recursos provocou indignação no fim de semana. Centenas de pessoas fizeram uma manifestação na segunda-feira (11) diante do tribunal de recursos de Ancona, cidade de 100 mil habitantes na costa do Adriático, onde o estupro teria ocorrido. Segundo informações da Folha, o caso ocorreu em 2015, quando uma mulher de 22 anos denunciou ter sido atacada. Os réus foram condenados em 2016. De acordo com médicos, os ferimentos sofridos pela vítima confirmavam o estupro, e exames revelaram a presença em seu sangue de alto nível de benzodiazepina, um tipo de tranquilizante, o que confirmaria a alegação do advogado da vítima de que sua bebida teria sido “batizada” num bar após uma aula noturna. Mas, em 2017, o tribunal de recursos de Ancona revogou a condenação. Depois de verem uma foto da vítima, as três juízas concordaram com o argumento dos réus de que ela teria aparência “masculina demais”. As juízas escreveram: “Não é possível excluir a possibilidade de que” a alegada vítima teria organizado os acontecimentos na noite em que afirmou ter sido drogada e violentada. Elas afirmaram que um dos réus “nem sequer sentiu atração pela moça, tanto que havia guardado o telefone dela em seu aparelho sob o apelido ‘Viking’, uma alusão a uma figura que seria tudo menos feminina, mas sim masculina”. A vítima não estava presente na audiência do tribunal de recursos porque retornara a seu país, o Peru. Mas sua advogada descreveu os argumentos das juízas como “repulsivos” e apelou contra a decisão delas junto ao Supremo. “Foi uma leitura repulsiva. As juízas expressaram várias razões por que decidiram absolver os réus, mas uma era que os réus disseram que nem sequer gostavam da vítima, que seria feia”, disse ao jornal britânico The Guardian a advogada da mulher, Cinzia Molinaro.


VOLTAR