Lei permite medidas emergenciais a mulheres vítimas de violência » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 06-06-2020 » Coronavírus no país | TCU cogita passar a consolidar os dados da covid-19 em horário fixo 06-06-2020 » Em 'A Favorita' | Jackson Antunes lembra agressão por papel: 'Tive trombose' 06-06-2020 » Ricardo Feltrin | TVs religiosas e comerciais 'passam pires' no governo 06-06-2020 » Deputada federal | CNN e Record exibem mesma denúncia 'exclusiva' sobre Joice 06-06-2020 » Na zona norte | Vídeo mostra agressor usando martelo em ataque a médica no Rio 06-06-2020 » 'Você não parece trans' | Frases que pessoas trans não aguentam mais escutar 06-06-2020 » Ex-jogadoras de vôlei | Isabel critica Ana Paula: 'Você presta desserviço no combate ao racismo' 06-06-2020 » Foto foi alterada | Bolsonaro publica meme com corintiano morto e revolta família 06-06-2020 » Queda de prédio no Recife | Caso Miguel: homicídio doloso não pode ser descartado, afirma OAB-PE 06-06-2020 » Gerou crise na Saúde | Aumento de risco de estupro durante pandemia motivou nota técnica 06-06-2020 » Monitoramento em MG | Coronavírus é encontrado em 88% das amostras de esgotos de BH e Contagem 06-06-2020 » Atos contra o racismo | Policiais que empurraram idoso em protesto nos EUA são acusados de agressão 06-06-2020 » Avanço do coronavírus | SP: com covid-19 em ascensão, cidades recuam em abertura no interior 06-06-2020 » Manifestações no Brasil | Polícia Civil diz que lutadores de artes marciais planejam 'guerra' na Paulista 06-06-2020 » Pandemia pelo país | Abin fez alerta ao governo Bolsonaro sobre caos em cemitérios 06-06-2020 » Opinião | Chico Alves: Eduardo Pazuello, o general que cumpre ordens absurdas 06-06-2020 » Aos 90 anos | Morre cantora Dulce Nunes por complicação decorrente da covid-19 06-06-2020 » Loteria | Mega-Sena tem prêmio estimado em R$ 2,5 mi hoje; veja como apostar 06-06-2020 » Fim do vínculo fixo | Reservada para novela, Vera Fischer deixa a Globo após 43 anos 06-06-2020 » Notícias | Protestos espalhados pelo mundo apoiam movimento 'Black Lives Matter'
Publicidade
14 de maio de 2019

Lei permite medidas emergenciais a mulheres vítimas de violência


Foto: Carolina Antunes

O presidente Jair Bolsonaro sancionou na última segunda-feira (13) a lei que permite que autoridades policiais determinem a aplicação de medidas protetivas a mulheres vítimas de violência doméstica. O prazo para sanção ou veto presidencial terminava hoje. A relatora do Projeto de Lei no Senado, Leila Barros (PSB-DF), confirmou a assinatura do presidente, que transformou o projeto em lei, sem vetos. “Hoje no finalzinho da tarde o presidente sancionou o PL 94, sobre as medidas protetivas [para as mulheres vítimas de agressão] nas primeiras 24 horas”, disse a senadora. “Sabemos que nos rincões desse país existem muitos municípios que não têm comarca e muitas mulheres são vítimas de violência e não têm medida protetiva naquelas primeiras 24 horas. Sabemos que [as primeiras 24 horas] são a diferença entre a vida e a morte de muitas delas”. Leila acompanhou, no Palácio do Planalto, a sanção do PL. O texto prevê que a autoridade policial poderá determinar a medida protetiva em cidades onde não haja um juiz para fazê-lo. Assim, o delegado ou até o próprio agente, na ausência do delegado, poderá determinar que o agressor saia de casa, mantendo distância da vítima até a análise do juiz. Segundo o texto, a autoridade policial deverá informar a decisão ao juiz da comarca mais próxima em até 24 horas. Atualmente, a lei estabelece um prazo de 48 horas para que a polícia comunique o juiz sobre as agressões, para que, só então, ele decida sobre as medidas protetivas. A efetiva aplicação de medidas, no entanto, pode levar mais tempo para ocorrer, uma vez que a decisão só passa a valer após o agressor ser encontrado e intimado por um oficial de justiça. A lei encontra resistência entre os magistrados. A categoria alega que o texto confere à polícia uma competência exclusiva do Judiciário. Já representantes da Polícia Civil entendem que a medida pode salvar a vida de muitas mulheres. “É muito comum as vítimas fazerem a ocorrência e voltarem à delegacia enquanto ele ainda não foi intimado de uma decisão judicial. E ela volta dizendo ‘ele está me mandando recado todos os dias, estou me sentindo muito ameaçada’”, disse a delegada-chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), Sandra Melo, em entrevista à Agência Brasil.


VOLTAR