Lúcio diz que Temer será reeleito para presidir o PMDB » Rede Acontece
Últimas
22-10-2018 » Aprovação será difícil | Lua de mel com Bolsonaro será curta, diz presidente de consultoria de risco 22-10-2018 » Berço político de Cid e Ciro | Haddad se apoia em Camilo para tentar crescer no Ceará 22-10-2018 » Deputado eleito falou em 'fechar' STF | Fala de Eduardo Bolsonaro é golpista, diz Celso de Mello 22-10-2018 » Veja o que pode ser um diferencial | Andar alto, localização e condomínio com preço baixo valorizam o imóvel? 22-10-2018 » Show em SP | Shakira encerra jejum de sete anos e faz festa latina para 40 mil 22-10-2018 » Aventureiro da Honda | A partir de R$ 82.100, WR-V 2019 ganha itens, mas ainda deve controles 22-10-2018 » Cartão está disponível | Candidato já pode consultar local de prova no Enem; veja como 22-10-2018 » A moto e a moda | Maior modelo brasileiro virou piloto e sobreviveu a morte em Interlagos 22-10-2018 » Bola na rede | Palmeiras consolida liderança, e Fla goleia; veja os gols da rodada 22-10-2018 » Pico da Neblina | Série da HBO imagina como seria Brasil com maconha legalizada 22-10-2018 » 'Mecânico virtual' | Veja lista dos 10 carros que mais apresentam falhas, segundo app 22-10-2018 » Resumo do Brasileirão | Bastidores da rodada antecipam confronto entre Palmeiras e Fla 22-10-2018 » Dilema nas Forças Armadas | Prestígio com Bolsonaro agrada, mas também preocupa militares 22-10-2018 » Questionado por brasileira | Em Paris, Ciro Gomes diz que está 'muito cansado' e que o Brasil 'está doente' 22-10-2018 » Disputa em SP | Doria usa Bolsonaro, mas não atrai deputados do PSL da bancada da bala
Publicidade
26 de janeiro de 2016

Lúcio diz que Temer será reeleito para presidir o PMDB

FOTO CONQUISTA ACONTECE

FOTO CONQUISTA ACONTECE

O deputado federal Lúcio Vieira Lima minimizou ontem a disputa entre o vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, e o presidente do Senado, Renan Calheiros. Os dois caciques peemedebistas disputam o comando do partido. “São discordâncias momentâneas. Renan não vai adiante com a candidatura dele, e Michel será conduzido mais uma vez ao PMDB”, apontou o parlamentar, em entrevista a uma rádio local. Renan é visto pelo núcleo político da presidente Dilma Rousseff (PT) como o principal responsável por obrigar Temer a recuar em seu projeto de poder.Aliados da presidente consideram que se não fosse a decisão de Renan de confrontar Temer e mostrar que é capaz de vencê-lo na briga pelo controle do PMDB, o vice teria insistido na tese do impeachment, mesmo com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de retardar o processo. A convenção que escolherá o novo presidente do PMDB está marcada para março. Até lá, os dois grupos medirão forças em “prévias” como a escolha do líder na Câmara.Temer é candidato à reeleição na presidência do PMDB. Apesar das ameaças de Renan, a estimativa feita pelo grupo ligado ao peemedebista é que ele conte com menos de 100 votos, em um total de 660. Temer ainda aposta na pacificação, porém, para isso acontecer, uma lista de exigências foi entregue, sobretudo por senadores peemedebistas.O senador Romero Jucá (RR) deve ser designado para a primeira vice-presidência do partido. Os pedidos a Temer incluem, ainda, o apoio à eleição de Eunício Oliveira (CE) para a presidência do Senado em 2017, quando Renan, após dois mandatos, deixará o posto e ficará impedido de se reeleger. Renan, então, pelo acordo, se tornaria o líder da bancada do PMDB no Senado. Como Valdir Raupp é o atual primeiro vice-presidente e não foi contemplado na cúpula do comando do partido, a ele seria destinada a presidência da Fundação Ulysses Guimarães, hoje sob o comando de Moreira Franco. O impasse, que só deve ser decidido às vésperas da convenção do partido, é se Temer renunciaria ao cargo, como quer o grupo de Renan, ou se apenas se licenciaria, deixando Jucá no comando da sigla interinamente, como quer o próprio Temer.


VOLTAR
26 de janeiro de 2016

Lúcio diz que Temer será reeleito para presidir o PMDB

Foto Brumado Acontece

Foto Brumado Acontece

O deputado federal Lúcio Vieira Lima minimizou ontem a disputa entre o vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, e o presidente do Senado, Renan Calheiros. Os dois caciques peemedebistas disputam o comando do partido. “São discordâncias momentâneas. Renan não vai adiante com a candidatura dele, e Michel será conduzido mais uma vez ao PMDB”, apontou o parlamentar, em entrevista a uma rádio local. Renan é visto pelo núcleo político da presidente Dilma Rousseff (PT) como o principal responsável por obrigar Temer a recuar em seu projeto de poder.Aliados da presidente consideram que se não fosse a decisão de Renan de confrontar Temer e mostrar que é capaz de vencê-lo na briga pelo controle do PMDB, o vice teria insistido na tese do impeachment, mesmo com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de retardar o processo. A convenção que escolherá o novo presidente do PMDB está marcada para março. Até lá, os dois grupos medirão forças em “prévias” como a escolha do líder na Câmara. Temer é candidato à reeleição na presidência do PMDB. Apesar das ameaças de Renan, a estimativa feita pelo grupo ligado ao peemedebista é que ele conte com menos de 100 votos, em um total de 660. Temer ainda aposta na pacificação, porém, para isso acontecer, uma lista de exigências foi entregue, sobretudo por senadores peemedebistas.O senador Romero Jucá (RR) deve ser designado para a primeira vice-presidência do partido. Os pedidos a Temer incluem, ainda, o apoio à eleição de Eunício Oliveira (CE) para a presidência do Senado em 2017, quando Renan, após dois mandatos, deixará o posto e ficará impedido de se reeleger. Renan, então, pelo acordo, se tornaria o líder da bancada do PMDB no Senado. Como Valdir Raupp é o atual primeiro vice-presidente e não foi contemplado na cúpula do comando do partido, a ele seria destinada a presidência da Fundação Ulysses Guimarães, hoje sob o comando de Moreira Franco. O impasse, que só deve ser decidido às vésperas da convenção do partido, é se Temer renunciaria ao cargo, como quer o grupo de Renan, ou se apenas se licenciaria, deixando Jucá no comando da sigla interinamente, como quer o próprio Temer.


VOLTAR