Mais de 10 mil casos de feminicídio não foram julgados em 2017 no Brasil » Rede Acontece
Últimas
15-02-2019 » Mudanças na Previdência | Idade inicial, capitalização e transição ainda são dúvidas na reforma 15-02-2019 » Líderes foram transferidos | Cúpula do PCC só soube que iria para presídio federal ao embarcar em avião 15-02-2019 » 'Onde estiver estarei' | A história de amor que movia Christian, morto no CT do Flamengo 15-02-2019 » Confissões de Carnaval | 'Os artistas que eu olhava na televisão já peguei todos', diz Gabi Prado 15-02-2019 » 'A gente parou de se falar' | Marcelo Falcão conta por que não foi ao enterro de Yuka, da banda O Rappa 15-02-2019 » Crise no governo | Chamado de mentiroso por Bolsonaro, Bebianno tem OK para manter cargo 15-02-2019 » Na Câmara do RJ | Carlos Bolsonaro apoia medalha a Mourão após crítica a 'discussão' 15-02-2019 » Ricardo Feltrin | Record rompe acordo e tira profissionais do SBT; Silvio vai retaliar 15-02-2019 » Reclamou de contexto | Damares aconselha pais de meninas a fugirem do Brasil 15-02-2019 » Teria de cobrar R$ 4 | SP desafia decisão da Justiça e mantém tarifa de ônibus a R$ 4,30 15-02-2019 » Senadora líder da CCJ | Tebet: 'Estou com as mulheres, mas sou contra o aborto' 15-02-2019 » Ela estará no CarnaUOL, em SP | Humor: Blogueirinha sugere derrubar bebida e se desculpar ao ver famoso na festa 15-02-2019 » UOL já viu o filme | Crítica: Marighella é um produto do Brasil polarizado pós-2013 15-02-2019 » Presidente dos EUA | Trump declara emergência nacional para construir muro na fronteira com o México 15-02-2019 » Morto em supermercado do RJ | Mãe viu filho levar 'gravata' de vigia e diz que ele iria para clínica
Publicidade
25 de junho de 2018

Mais de 10 mil casos de feminicídio não foram julgados em 2017 no Brasil

Foto: Reprodução

Cerca de 10,7 mil processos de feminicídio não foram jugados pela Justiça no ano passado, de acordo com o estudo “O Poder Judiciário na Aplicação da Lei Maria da Penha – 2018”, elaborado pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do Conselho Nacional de Justiça, divulgado na última semana. Os dados mostraram que a Justiça emitiu quse 5 mil sentenças relacionadas a assassinatos de mulheres em 2017, mas deixou impune mais que o dobro de crimes. Segundo o relatório, “O volume de processos é maior que a capacidade da Justiça de julgar responsáveis pelos crimes. O ano de 2017 terminou com 10,7 mil processos de feminicídio sem solução da Justiça”, destaca o levantamento.

Apesar disso, em todo o país, a conclusão de processos em 2017 foi superior ao ano de 2016. A diferença foi de 4.829 sentenças emitidas para 1.942. Estados como Alagoas, Amazonas, Amapá, Ceará, Paraíba, Roraima e Sergipe solucionaram menos do que cinco casos de feminicídio cada um em 2016. Já na Bahia e no Piauí não foi solucionada nenhuma queixa.
A metade dos casos pendentes na justiça em 2017 foram proferidos pelo Tribunal de justiça do Paraná. Por coincidência, o estado é também o que mais emitiu sentenças relacionadas a casos de feminicídio de 2017, ao todo 2.872. Somente em 2015, a Lei 13.104 passou a normatizar o feminicídio como o crime que aborda o assassinato de uma mulher e cuja motivação envolve o fato de a vítima ser do sexo feminino. O Atlas da Violência, divulgado na semana passada, mostrou que os casos de feminicídio aumentaram 15,3% em uma década no Brasil , passando de 4.030 ocorrências em 2006 para 4.645 em 2016.

O Conselho Nacional de Justiça adverte que o número baixo de casos de feminicídio registrados em 2016 indica uma subestimação das ocorrências. Isso porque a imprecisão dos dados é decorrente da dificuldade que muitos tribunais enfrentam para registrar corretamente o crime.


VOLTAR