Mais de mil pessoas são resgatados de condições análogas à escravidão » Rede Acontece
Últimas
19-10-2018 » Ao Vivo | Band realiza debate eleitoral em 6 estados e no DF; acompanhe 19-10-2018 » Corrida presidencial | Datafolha: Bolsonaro tem 59%, e Haddad, 41% dos votos válidos 19-10-2018 » Campanha dos presidenciáveis | Pode estar ressentido, diz Haddad de recusa de Ciro 19-10-2018 » Sétimo Guardião vem aí | Realidade é tão terrível que voltei para fantasia, diz Aguinaldo Silva 19-10-2018 » Nega briga política | Marquezine confirma fim de namoro com Neymar: "Decisão dele" 19-10-2018 » Cuidado | Ameaçar a vida e a integridade de alguém nas redes é crime 19-10-2018 » Profissional do game | Longe do futebol, Jean Chera se dedica ao Fifa e jogará Brasileiro 19-10-2018 » 'Lamentável' | Susto e tristeza: como a banda de Roger Waters reagiu às vaias em SP 19-10-2018 » Ainda sem data para começar | Vítimas de pedofilia serão ouvidas em projeto-piloto do Vaticano no Brasil 19-10-2018 » Testemunha relata grito de 'Bolsonaro' | Grupo tenta evitar que travesti seja enterrada como indigente em SP 19-10-2018 » Remédio Vivo | Medicamentos biológicos tratam de câncer a doença viral; entenda 18-10-2018 » Eleições nas redes sociais | Campanha de Bolsonaro notificará empresas e processará Haddad 18-10-2018 » Mais Datafolha nos Estados | No Rio, Witzel tem 61% dos votos válidos 18-10-2018 » Disputa ao Governo de SP | Doria tem 53% e França, 47% dos votos válidos, diz Datafolha 18-10-2018 » Opinião | Justiça não pode duvidar que Ustra foi torturador 18-10-2018 » Caso Bolsonaro seja eleito | Ilan se prepara para deixar BC ao fim do mandato de Temer, segundo fontes
Publicidade
28 de janeiro de 2016

Mais de mil pessoas são resgatados de condições análogas à escravidão

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Ministério do Trabalho e Previdência Social resgatou 1.010 trabalhadores em 2015 que estavam em condições análogas à escravidão. As 140 operações feitas pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel e por auditores fiscais do trabalho identificaram trabalhadores nessa situação em 90 dos 257 estabelecimentos fiscalizados, segundo balanço do ministério divulgado para marcar o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, lembrado hoje (28). Segundo a pasta, mantendo a tendência de 2014, a maioria das vítimas de trabalho escravo no Brasil foi localizada em áreas urbanas, que concentraram 61% dos casos (607 trabalhadores em 85 ações). Nas 55 operações feitas na área rural, 403 pessoas foram identificadas. Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Carlos Silva, os resgates na área urbana aconteceram principalmente em empresas dos setores da contrução civil e têxtil. “E, mais recentemente, também identificamos problemas na área marítima, com a ocorrência dessas condições indignas para o ser humano em navios cruzeiros, onde temos também trabalhadores estrangeiros”, acrescentou. Para Silva, o enfrentamento ao trabalho escravo ganha outros desafios, com grande influência política e econômica dos empresários.“A chegada da luta na área urbana gerou uma resposta tão forte do capitalismo, a ponto de ameaçar dois grandes instrumentos que temos”. Ele informou que está em tramitação no Congresso Nacional o Projeto de lei do Senado nº 432, de 2013, que “diminui o conceito do trabalho escravo, retirando dele todo trabalho degradante e jornada exaustiva. Isso é um grave e perigosos retrocesso”. A lista suja com os nomes das empresas exploradoras de trabalho escravo foi outro instrumento perdido nesse combate, segundo Silva. “O presidente do STF [Supremo Tribunal Federal], à época o ministro [Ricardo] Lewandowski, alegava a inexistência de previsão legal e constitucional para divulgação dessa lista suja, que já foi reconhecida internacionalmente pelas Nações Unidas como uma das medidas de exemplo para o mundo na luta pela erradicação do trabalho escravo”, disse. O maior avanço nos últimos anos, de acordo com Carlos Silva, foi a promulgação da Emenda Constitucional 81, de 2014, que prevê a expropriação de imóveis nos quais for comprovada a exploração de trabalho escravo.O dia 28 de janeiro foi instituído como Dia do Auditor Fiscal do Trabalho e Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo em homenagem aos auditores Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e ao motorista Ailton Pereira de Oliveira. Eles foram mortos em 2004, quando investigavam denúncias de trabalho escravo em fazendas na cidade mineira de Unaí, episódio conhecido como Chacina de Unaí. Para o presidente do Sinait, o Brasil precisa transformar o crime de submeter alguém ao trabalho escravo em oneroso, “tão onerosos a ponto de não ser vantagem arriscar praticá-lo em nome de maior lucro”, disse. “As nossas multas de valor baixo e o número insuficiente de auditores fiscais do trabalho fazem com que muitos empregadores apostem na impunidade e na falta de estrutura do Estado de combater as explorações. As multas têm valores muito variáveis, não são valores altos, são valores tão tímidos que muitas empresas incluem nos seus planos o que vão gastar com multas trabalhistas”, afirmou Silva. Segundo os dados do Ministério do Trabalho e Previdência Social, o setor de extração de minérios concentrou 31,05% dos trabalhadores resgatados no ano passado, com 313 vítimas trabalhando na extração e no britamento de pedras, extração de minério de ferro e extração de minérios de metais preciosos. O ramo da construção civil representa 18,55% do total (187 trabalhadores localizados). A agricultura e a pecuária, atividades com histórico de resgate, aparecem em seguida, com 15,18% e 14,29% do número de trabalhadores identificados em condição análoga à de escravo.


VOLTAR