Mercado prevê alta de 1,94% no PIB e inflação de 3,82% em 2018 » Rede Acontece
Últimas
23-06-2018 » México avança contra a Coreia do Sul e marca segundo gol 23-06-2018 » Atacante polêmico | Com cartões, Neymar ameaça desfalcar seleção brasileira 23-06-2018 » Goleada no Grupo G | Hazard e Lukaku brilham, e Bélgica bate a Tunísia por 5 a 2 23-06-2018 » Lá em Iekaterimburgo... | Na sede mais distante da Copa, Brasil é time só de alguns peruanos 23-06-2018 » 'Acharam que era puta' | Mulheres se rebelam na Copa e rebatem o assédio e o machismo 23-06-2018 » Narrador em alta | Spoiler de novela e 'negros maravilhosos': a Copa de Luis Roberto 23-06-2018 » Escalação em jogo | Tite conversa com Marquinhos e avalia Fernandinho para lateral 23-06-2018 » Destaque da goleada belga | Em português, Lukaku fala sobre ídolo: 'Adriano é maior do que eu' 23-06-2018 » Até tu, treinador? | Tite tem lesão na coxa e anda mancando após tombo que virou meme 23-06-2018 » Milton Leite corta Noriega com grito homofóbico de mexicanos e diverte web 23-06-2018 » Zagueiro do Irã diz que Diego Costa foi imoral e insultou sua mãe e irmã 23-06-2018 » Miranda exalta dificuldade da Copa e fala da situação argentina: 'Dá pena' 23-06-2018 » Suíço recorda: dia mais feliz da vida foi quando ganhou camisa de Ronaldo 23-06-2018 » Goleiro argentino troca mensagens com jornalista após falha: 'Momento duro' 23-06-2018 » Jogo do grupo F, às 15h | Comissão de Tite vai ao jogo da Alemanha, possível adversária 23-06-2018 » Análise | Stycer: Gritaria entre comentaristas da Fox Sports é desrespeitosa 23-06-2018 » Análise | Rizzo: Inocentes ou culpados? O peso de Messi e Neymar 23-06-2018 » Seleção joga quarta-feira | Douglas Costa sofre lesão na coxa e desfalca o Brasil contra a Sérvia 23-06-2018 » Opinião | Perrone: Brasil deixa para o torcedor pacote de preocupações 23-06-2018 » Briga no basquete | Em evidência na Copa, conflito nos Balcãs já rachou 'irmãos' de bola
Publicidade
centro medico sao gabriel lab laboratorio grafica bandeirante intersorft supermercado centrel clinica master
12 de junho de 2018

Mercado prevê alta de 1,94% no PIB e inflação de 3,82% em 2018

Foto Rede Acontece

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia continua em queda, enquanto a projeção para a inflação sobe. De acordo com o Boletim Focus, publicação divulgada na internet todas as semanas pelo Banco Central (BC), a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – passou de 2,18% para 1,94%. Essa foi a sexta redução seguida. Até a previsão de crescimento do PIB para 2019, que permanecia inalterada há 18 semanas seguidas, foi ajustada de 3% para 2,80%, no boletim divulgado hoje (11). A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 3,65% para 3,82% este ano, no quarto aumento seguido. Para 2019, a projeção foi ajustada de 4,01% para 4,07%. Mesmo assim, a expectativa para a inflação permanece abaixo da meta, que é 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.
Selic: Para alcançar a meta, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,50% ao ano. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação. A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera suficientes para chegar à meta as alterações anteriores. Para o mercado, a Selic deve permanecer em 6,50% ao ano até o fim de 2018 e subir ao longo de 2019, encerrando o período em 8% ao ano.

Na semana passada, com a disparada dos juros futuros e do dólar, que chegou a superar R$ 3,90, investidores consideraram a possibilidade de o Copom elevar a taxa Selic, mesmo com a inflação abaixo do centro da meta e a economia em recuperação. Entretanto, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, descartou a possibilidadede usar a Selic para interferir no câmbio, mas apenas para controlar a inflação. “Na próxima reunião, o comitê analisará essas condições com foco como sempre nas projeções e expectativas de inflação e o seu balanço de riscos”, disse.

Na quinta-feira passada (7), o BC anunciou uma intervenção mais forte no mercado de câmbio. Com isso, o dólar comercial fechou a sexta-feira (8) cotado a R$ 3,706, queda de 5,59%. O movimento interrompeu três altas seguidas ao longo da semana, e ocorreu um dia depois de a moeda norte-americana ter fechado o pregão ao valor R$ 3,926 – a maior cotação desde março de 2016. A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar permanece em R$ 3,50, tanto para o fim deste ano quanto para o final de 2019.


Tags:
VOLTAR