Michel Temer cogita usar TV para fazer defesa da Lava Jato » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 14-07-2020 » Mais tempo em casa | Por que as pessoas estão adotando mais pets durante a pandemia? 14-07-2020 » 'Nietzsche, o roba brisa' | De Platão a Descartes, Youtuber Audino Vilão leva filosofia para a quebrada 14-07-2020 » Morte do menino Miguel | MP-PE denuncia Sarí Corte Real por crime de abandono de incapaz 14-07-2020 » Violência contra a mulher | Empresária é morta por namorado policial no AP: 'Ele passava segurança', diz irmã 14-07-2020 » Ao vivo | Assista ao Jornal da Tarde, com Joyce Ribeiro e Aldo Quiroga 14-07-2020 » Quer pendurar a chuteira no Bahia | Daniel Alves comenta o pior momento da sua carreira: 'Senti o baque' 14-07-2020 » Suspeita de propina | Demitida em 2018, assessora de Doria recebe R$ 12,6 mil em SP 14-07-2020 » Ensino superior | UnB cassa diplomas e expulsa alunos por fraude em cotas raciais 14-07-2020 » Universa Talks | Meninas sem banheiro em casa têm nota 25% menor no Enem', diz expert em saneamento 14-07-2020 » Tecnologia e política | Reino Unido veta Huawei do 5G, em vitória de Trump que deve afetar o Brasil 14-07-2020 » Brecha na lei | Impasse jurídico trava investigações sobre PMs que matam em São Paulo 14-07-2020 » Veja quem recebe | Caixa libera hoje novo saque do auxílio emergencial de R$ 600 14-07-2020 » Futebol carioca | Fla e Flu veem rivalidade explodir após jogos duros e guerra nos bastidores 14-07-2020 » Conexão VivaBem | 'Passar a pandemia solteira é um grande aprendizado', diz Marcela do BBB 20 14-07-2020 » No Japão | Minhoca é encontrada em amígdala de mulher com dor de garganta 14-07-2020 » Loterias | Mega-Sena sorteia hoje R$ 44 milhões; confira como apostar 14-07-2020 » Barra Mansa | RJ: prefeito é afastado em operação contra corrupção 14-07-2020 » Pela segunda vez | Governo exonera o secretário adjunto de Mário Frias na Cultura 14-07-2020 » Vítima da covid-19 | RJ: família procura corpo de idoso, crê em enterro errado e vai à Justiça 14-07-2020 » Conjunto de malwares | Vírus brasileiros miram senhas de bancos em pelo menos 11 países
Publicidade
9 de maio de 2016

Michel Temer cogita usar TV para fazer defesa da Lava Jato

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

Muito tem se falado que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) chegando ao poder com o afastamento de Dilma, uma das consequências será o enfraquecimento da Lava Jato, que investiga o crime de corrupçao na Petrobras e tem peemedebistas envolvidos, incluindo citação ao próprio político. Na tentativa de desconstruir essa tese, Temer cogista fazer seu primeiro pronunciamento à nação como presidente, após o Senado decidir sobre o provável impeachment da presidente Dilma Rousseff, garantindo a “blindagem” da operação contra eventuais pressões políticas. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, interlocutores do vice afirmam que o objetivo é tratar a Lava Jato não só como a maior ação de combate à corrupção no país, mas como um “patrimônio nacional” que precisa ser preservado e ter autonomia para prosseguir com suas apurações. A intenção com o gesto é tentar manter uma base de sustentação popular à sua gestão. Temer discutiu neste domingo (8), em São Paulo, com o publicitário do PMDB, Elsinho Mouco, a convocação de uma rede de rádio e TV para se apresentar para o país. Uma das ideias em discussão é que ele, tão logo assuma, faça o pronunciamento de quatro minutos no qual incluirá o compromisso do novo governo com a continuidade da Lava Jato. Após a conversa com o publicitário, Temer retornou a Brasília no fim da tarde, para uma série de reuniões com o núcleo de colaboradores que formará a base de seu governo.O primeiro a chegar ao Palácio do Jaburu, nove minutos depois do anfitrião, foi Henrique Meirelles, que vai assumir o Ministério da Fazenda no provável governo peemedebista. Depois vieram Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Romero Jucá (Planejamento) e Moreira Franco (ações de infraestrutura). Sob o risco de iniciar a gestão com o Ministério incompleto, Temer deverá optar pelo secretário de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, para o Ministério da Justiça, cargo considerado chave de um governo que terá de acompanhar com lupa os desdobramentos das ações judiciais que investigam corrupção em órgãos públicos. Moraes é o quarto nome da lista de opções para o cargo – os “notáveis” ex-presidentes do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto e Carlos Velloso declinaram de sondagens e, depois, a opção por Antonio Claudio Mariz de Oliveira acabou sendo descartada.


VOLTAR