MPF recomenda medidas de combate à violência obstétrica na Maternidade Climério de Oliveira em Salvador  » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 23-09-2019 » Comissária da ONU | Bachelet diz que existem "muitas dúvidas" sobre processo contra Lula 23-09-2019 » Premiação da TV | Emmy coroa Game of Thrones como melhor série dramática 23-09-2019 » Marido foi assassinado | A TV, deputada Flordelis diz que foi vítima de tentativa de extorsão 23-09-2019 » 1 a 0 na 6ª rodada | Neymar supera pressão da torcida do Lyon e faz gol da vitória do PSG 23-09-2019 » Governador do Maranhão | UOL transmite hoje Roda Viva com Flávio Dino 23-09-2019 » Diversidade | Apesar da chuva, Parada LGBTI do Rio reúne multidão em Copacabana 23-09-2019 » Perrone | Falta mais preparo físico do que raça ao Corinthians 23-09-2019 » Antonio Prata | A verdade deixou o condomínio dos fatos há uns anos 23-09-2019 » Brasilianismo | Destruir Amazônia: crime contra humanidade 23-09-2019 » Felipe Santa Cruz | Vetos desfiguram a lei sobre abuso de autoridade 23-09-2019 » Julio Gomes | Odair merece críticas, mas não demissão 23-09-2019 » Fernanda Torres | Lenga-lenga dos burocratas que conspiram o poder 23-09-2019 » Marcos Lisboa | O investimento público como aspirina: de novo? 23-09-2019 » Mauricio Stycer | Há duas décadas estreava o Big Brother na Europa 23-09-2019 » Mauro Cezar | Vergonha: Flu e Cruzeiro na zona de rebaixamento 23-09-2019 » Elio Gaspari | Juiz Bretas retoma um costume da ditadura brasileira 23-09-2019 » Reinaldo Lopes | Fósseis ajudam a reconstruir som de crocodilo extinto 23-09-2019 » Ricardo Viveiros | Momento exige coragem; nem tudo está perdido 23-09-2019 » Tradição da Assembleia | FHC só abriu ONU uma vez; Lula perdeu duas; Bolsonaro estreia terça 23-09-2019 » Novo fenômeno | Olimpíada-2020 deve ter atletas de 11 anos no skate. É muito cedo?
Publicidade
23 de agosto de 2019

MPF recomenda medidas de combate à violência obstétrica na Maternidade Climério de Oliveira em Salvador 

Foto: Reprodução

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao superintendente da Maternidade Climério de Oliveira, situada na capital baiana, a adoção imediata de medidas de combate à violência obstétrica. Na Recomendação, publicada na terça-feira 6 de agosto, é determinado o prazo de 30 dias para que o gestor informe sobre o acatamento das medidas. A partir da instauração de inquérito em 2017, o MPF apurou depoimentos de pacientes sobre condutas de violência obstétrica em atendimentos, consideradas ilegais e rejeitadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como: – realização de manobra de Kristeller* – “membros da equipe pressionaram minha barriga durante a força que eu estava fazendo”; – violência verbal – “a obstetra me censurou dizendo que eu não tinha afeição por meu filho, que eu não tinha amor porque eu não conseguia segurá-lo”**; – proibição de acompanhante – “fiquei sozinha sem acompanhamento durante 15h com febre, pressão alta e sem tomar banho. Tive que ir, sozinha, tomar banho frio e descalça porque minhas coisas estavam com meu marido e ele foi impedido de entrar”. De acordo com o procurador da República Edson Abdon Peixoto Filho, a situação na Maternidade Climério de Oliveira não é um fato isolado. Segundo ele, os casos de violência obstétrica encontram reforço no senso comum de que ao dar à luz em uma maternidade pública brasileira, a parturiente já deve estar preparada para se submeter a diversas formas de violência física e verbal. Dignidade no atendimento – a Carta dos Direitos dos Usuários do SUS determina que toda pessoa tem direito ao atendimento humanizado, acolhedor, livre de qualquer discriminação, restrição ou negação, garantindo-se sua integridade física, privacidade, conforto, individualidade, segurança, bem-estar psíquico e emocional, além do respeito aos seus valores éticos, culturais e religiosos. Em relação específica aos direitos da gestante, o Ministério da Saúde (Portarias nº 569/2000 e nº 1.067/05 – Política Nacional de Atenção Obstétrica e Neonatal) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Resolução nº 36/2008 – Regulamento Técnico para Funcionamento dos Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal), toda mulher grávida e todo recém-nascido têm direito à assistência de forma humanizada e segura, o que

– ser chamada pelo nome;

– ser tratada com respeito e cordialidade;

– ter suas dúvidas esclarecidas;

– compartilhar as decisões sobre as condutas a serem tomadas;

– ter liberdade de posição e de movimento durante o trabalho de parto;

– ter métodos – farmacológicos ou não – para alívio da dor;

– não ser submetida a episiotomia de forma rotineira;

– permanecer em alojamento conjunto com o bebê desde o nascimento; e

– presença de acompanhante de livre escolha da mulher no acolhimento, trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, dentre outros.

Violência obstétrica – De acordo com o dossiê Violência Obstétrica – Parirás com dor, elaborado em 2012 pela Rede Parto do Princípio para a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência Contra as Mulheres, consistem em violência obstétrica: ações que incidam sobre o corpo da mulher, que interfiram, causem dor ou dano físico, sem recomendação baseada em evidências científicas; ações verbais ou comportamentais que causem na mulher sentimentos de inferioridade, vulnerabilidade, abandono, instabilidade emocional, medo, acuação, insegurança, dissuasão, ludibriamento, alienação, perda de integridade, dignidade e prestígio; ações impostas à mulher que violem sua intimidade ou pudor, incidindo sobre seu senso de integridade sexual e reprodutiva, podendo ter acesso ou não aos órgãos sexuais e partes íntimas do seu corpo; ações ou formas de organização que dificultem, retardem ou impeçam o acesso da mulher aos seus direitos constituídos, como impedimento do acesso aos serviços de atendimento à saúde, impedimento à amamentação, omissão ou violação dos direitos da mulher durante seu período de gestação, parto e puerpério; dentre outras.

Medidas a serem adotadas – O MPF recomenda que o superintendente da Maternidade Climério de Oliveira adote as providências necessárias a fim de evitar e coibir as práticas de violência obstétrica descritas no documento, garantindo atendimento humanizado às gestantes e parturientes atendidas, em conformidade com legislação citada; afixe cartazes elaborados pelo MPF a título de campanha educativa e de esclarecimento da população sobre violência obstétrica e direitos das gestantes; instaure imediatamente os competentes processos administrativos, sempre que tiver conhecimento de práticas de violência obstétrica no âmbito da maternidade, a fim de apurar os fatos denunciados.

O MPF recomenda, ainda, a ampla publicidade das portarias e da Recomendação junto aos profissionais médicos e enfermeiros que trabalham nas dependências da maternidade, podendo valer-se, ainda, dos textos O que nós profissionais de saúde podemos fazer para promover os direitos humanos das mulheres na gravidez e no parto (cartilha elaborada pelo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP) e do documento Violência Obstétrica – Parirás com dor.

Confira a íntegra da recomendação.

Número do Inquérito Civil para consulta no MPF – 1.14.000.000882/2017-19

E agora? A recomendação é um instrumento de atuação extrajudicial do MPF, que busca evitar a judicialização de demandas e a consequente demora na solução de questões, tendo em vista os prazos e etapas previstas em lei até o julgamento definitivo de um processo. Agora o MPF aguardará o envio, pelo superintendente, da resposta sobre o acatamento ou não da recomendação. A partir daí, o MPF analisará as providências adotadas e poderá seguir acompanhando a situação ou, se for o caso, mover ações requerendo judicialmente a adoção das medidas, a regularização dos problemas apontados e a responsabilização de pessoas por descumprimento da legislação aplicável.

*A manobra de Kristeller é uma prática obstétrica realizada durante o parto que consiste na aplicação de pressão na parte superior do útero para facilitar a saída do bebê.

**Depoimentos colhidos pela MPF no curso do inquérito e disponíveis na Recomendação.


VOLTAR