Não fomos sábios o suficiente para evitar erros, diz Marina sobre crise » Rede Acontece
Últimas
21-07-2018 » "Diferente de tudo que a DC já fez" | Trailer inédito de Aquaman revela mundo subaquático do herói; veja 21-07-2018 » É só dizer a palavra mágica | Primeiro trailer de Shazam promete versão divertida do herói; assista 21-07-2018 » "Tiro ao alvo" com pré-candidato | Jair Bolsonaro volta a aparecer com criança fazendo gesto de arma 21-07-2018 » Entre brecha na lei e fiscalização falha | Como Dr. Bumbum conseguia atuar sem especialização? 21-07-2018 » Você pode estar 'rico' sem saber | Jogou fora brinquedos da infância? Hoje eles podem valer uma nota 21-07-2018 » Luta contra o câncer | Ana Furtado festeja volta ao "É de Casa": "Muito feliz" 21-07-2018 » Foi se exibir | Homem faz gracinha e estraga Lamborghini 21-07-2018 » Herói canino | Cão pula na frente de cobra e é picado no lugar da dona 21-07-2018 » Dirigiu "G. da Galáxia" | James Gunn fez vídeo "quase pornô" com Sasha Grey 21-07-2018 » Árbitro de vídeo | Mattos: VAR corrigiria cerca de 100 erros de juízes no Brasileiro 21-07-2018 » Alvo de operação da PF | "Já enchi mochila de dinheiro", diz motorista de ex-dirigente da Dersa 21-07-2018 » Problemas na imigração | Itamaraty: 19 crianças brasileiras já foram reunidas aos pais nos EUA 21-07-2018 » "Segundo Sol" | Poemas a youtubers: como atores aprendem o sotaque baiano 21-07-2018 » Eleições 2018 | Líderes do centrão são alvo de ao menos 13 inquéritos na Justiça 21-07-2018 » Voos atrasados e cancelados | Pane de radares ainda afeta aeroportos de SP 21-07-2018 » Transporte lotado | Cidades crescem 10 vezes em 70 anos e têm de melhorar mobilidade 21-07-2018 » Proliferação de fungos | Umidificador ligado a noite toda pode fazer tão mal quanto o ar seco 21-07-2018 » Candidatos ao governo | Eleição no Rio terá embate entre 'outsiders' e políticos de carreira 21-07-2018 » Palco era presídio em SP | PCC planejou resgate com caminhão "blindado" 21-07-2018 » Zoeira não fica de fora | A nova da Anitta: a reação da internet ao clipe de Medicina
Publicidade
supermercado centrel centro medico sao gabriel grafica bandeirante intersorft clinica master lab laboratorio
5 de julho de 2018

Não fomos sábios o suficiente para evitar erros, diz Marina sobre crise

Foto Rede AcontecePré-candidata da Rede ao Planalto, Marina Silva, admitiu nesta quarta-feira (4) que não foi sábia o suficiente para evitar os erros na condução política do país, mas que agora não tem o direito de ser “estúpida” ao tentar corrigir o cenário de crise que acomete o Brasil.

Marina foi candidata à Presidência da República em 2010 e 2014, e alcançou cerca de 20 milhões de votos em ambas as disputas, mas, com uma estrutura partidária pequena e sem posicionamento assertivo sobre os principais temas do país nos últimos quatro anos, foi muito criticada e abandonada por aliados importantes.

Diante de uma plateia formada por centenas de empresários, em evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria) em Brasília, Marina citou um provérbio chinês, como gosta de fazer em seus discursos, e afirmou que “sábios são aqueles que aprendem com os erros dos outros, estúpidos são aqueles que não aprende nem com os próprios erros”.

Em seguida, emendou: “Nós, eu incluída, não fomos sábios o suficiente para evitar os erros, mas não temos o direito de sermos estúpidos”.

Marina disse que é preciso “dialogar com a agenda do investimento e da tecnologia” e que não se pode “reproduzir as mesmas práticas que criaram os problemas” porque, caso isso ocorra, “teremos os mesmos resultados”.

Na avaliação de Marina, em 2014 já havia sinais de que a crise acometeria o país, mas os candidatos que foram ao segundo turno, Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), “esconderam a realidade”.

Na disputa há quatro anos, porém, Marina se aliou a Aécio no segundo turno.

A pré-candidata voltou a criticar o presidencialismo de coalizão, disse que o sistema não é mais capaz de resolver os problemas do país, e propôs, como faz desde 2010, o “presidencialismo de proposição”.

Ela diz querer “governar com os melhores”, com “o fim do toma-lá-dá-cá” e recuperar o tripé da macroeconomia, com câmbio flutuante, superávit primário e meta da inflação, que, segundo ela, foi abandonado em troca de dividendos eleitorais dos últimos governos.

Às vésperas das convenções partidárias, Marina disse que hoje nenhum pré-candidato tem vice definido e que dialoga com partidos não somente em função da candidatura nacional, mas também nos estados.

Segundo ela, é importante “fazer aliança com os quase 50% dos brasileiros que estão desistindo de votar”, em referência ao alto número de eleitores indecisos ou sem candidatos, de acordo com as últimas pesquisas.

Com estrutura de uma sigla pequena, Marina tem conversado principalmente com o PPS, que pode indicar o vice de sua chapa caso as tratativas avancem.

Seu partido, a Rede, tem apenas oito segundos de tempo na TV e disse que vai precisar ser “bastante criativa” para fazer sua campanha.


VOLTAR