'Não se ganha com o nome', diz meia mexicano sobre Brasil » Rede Acontece
Últimas
21-07-2018 » "Diferente de tudo que a DC já fez" | Trailer inédito de Aquaman revela mundo subaquático do herói; veja 21-07-2018 » É só dizer a palavra mágica | Primeiro trailer de Shazam promete versão divertida do herói; assista 21-07-2018 » "Tiro ao alvo" com pré-candidato | Jair Bolsonaro volta a aparecer com criança fazendo gesto de arma 21-07-2018 » Entre brecha na lei e fiscalização falha | Como Dr. Bumbum conseguia atuar sem especialização? 21-07-2018 » Você pode estar 'rico' sem saber | Jogou fora brinquedos da infância? Hoje eles podem valer uma nota 21-07-2018 » Luta contra o câncer | Ana Furtado festeja volta ao "É de Casa": "Muito feliz" 21-07-2018 » Foi se exibir | Homem faz gracinha e estraga Lamborghini 21-07-2018 » Herói canino | Cão pula na frente de cobra e é picado no lugar da dona 21-07-2018 » Dirigiu "G. da Galáxia" | James Gunn fez vídeo "quase pornô" com Sasha Grey 21-07-2018 » Árbitro de vídeo | Mattos: VAR corrigiria cerca de 100 erros de juízes no Brasileiro 21-07-2018 » Alvo de operação da PF | "Já enchi mochila de dinheiro", diz motorista de ex-dirigente da Dersa 21-07-2018 » Problemas na imigração | Itamaraty: 19 crianças brasileiras já foram reunidas aos pais nos EUA 21-07-2018 » "Segundo Sol" | Poemas a youtubers: como atores aprendem o sotaque baiano 21-07-2018 » Eleições 2018 | Líderes do centrão são alvo de ao menos 13 inquéritos na Justiça 21-07-2018 » Voos atrasados e cancelados | Pane de radares ainda afeta aeroportos de SP 21-07-2018 » Transporte lotado | Cidades crescem 10 vezes em 70 anos e têm de melhorar mobilidade 21-07-2018 » Proliferação de fungos | Umidificador ligado a noite toda pode fazer tão mal quanto o ar seco 21-07-2018 » Candidatos ao governo | Eleição no Rio terá embate entre 'outsiders' e políticos de carreira 21-07-2018 » Palco era presídio em SP | PCC planejou resgate com caminhão "blindado" 21-07-2018 » Zoeira não fica de fora | A nova da Anitta: a reação da internet ao clipe de Medicina
Publicidade
lab laboratorio grafica bandeirante centro medico sao gabriel intersorft supermercado centrel clinica master
28 de junho de 2018

‘Não se ganha com o nome’, diz meia mexicano sobre Brasil

Foto: Reprodução

A maioria dos jogadores da seleção mexicana tinha a resposta na ponta da língua. “Não iremos falar de qualquer time enquanto não soubermos nosso rival”. Foi o caso do goleiro Ochoa, por exemplo. Após a derrota por 3 a 0 para a Suécia na quarta-feira (27), eles passavam pela zona de entrevistas com uma expressão menos eufórica do que a vista nos dez primeiros dias de Copa.

No entanto, quando questionados sobre enfrentar o Brasil, em vez de uma seleção europeia, todos abriram um sorriso. O México foi atropelado pelos suecos, seu estilo de jogo não encaixou. Contra o Brasil, o México não precisará mudar muito suas características. São dois times que jogam e deixam jogar, pelo menos se comparados a seleções como a sueca.

Além disso, o retrospecto é equilibrado: nos últimos dez confrontos, o México venceu quatro, empatou dois e perdeu quatro – contando a final olímpica. “Eu comentei desde a primeira partida, o futebol mundial está muito equilibrado. Já não existem mais essas diferenças que havia antes, de o Brasil ser melhor que outra equipe e fazer quatro, cinco, seis gols. Hoje, o Brasil precisa trabalhar mais para ganhar, a Alemanha também, outros favoritos também”, disse o meia Miguel Layún, do Sevilla.

“Não se ganha com o nome. Hoje em dia o futebol é muito disputado e cada time tem suas características, suas condições. Quem melhor se impuser no jogo vai conseguir a vitória.” “Contra qualquer que seja o estilo, temos que ser mais inteligentes e temos que saber fazer as partidas que nós fizemos nos dois primeiros encontros [vitórias sobre Alemanha e Coreia do Sul]. O Brasil tem outras características, tem condições totalmente distintas [em relação à Suécia], mas da mesma maneira é um rival de muito perigo e seguramente é um dos candidatos ao título”, seguiu Layún.

O zagueiro Salcedo, quando questionado sobre a possibilidade de enfrentar o Brasil e Neymar, logo disse “que Deus e o destino decidam”. “Estes jogos sempre têm algo especial, como foi o contra a Alemanha. O time tem que estar à altura do momento”, falou Salcedo. “Perder hoje é um balde de água fria, mas é melhor que tenha acontecido agora. A partir de agora são jogos únicos, não há mais margem de manobra, e este aprendizado pode ser importante.”


VOLTAR