Nenhum governo cala a boca do PT, diz Wagner » Rede Acontece
Últimas
18-01-2019 » Caso Daniel | Âncora acusado de fake news por família Brittes é chamado a depor 18-01-2019 » Questão de higiene | Tem problema ter lixo na pia ou aumenta risco de bactérias? 18-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 18-01-2019 » Defensora dos animais | Luisa Mell: 'Pode ter mulher agredida onde tem bicho apanhando' 18-01-2019 » Acordo com pai dela | Felipe Neto pagará 'acompanhamento psicológico' a Melody 18-01-2019 » Exclusivo | Funcionária que disparou WhatsApp para Bolsonaro ganha cargo no Planalto 18-01-2019 » Investigação contra Queiroz | Ministro do STF afirma que pedido de Flávio foi 'confissão de culpa' 18-01-2019 » Ex-ministro de Temer | Bolsonaro escolhe general Silva e Luna para ser o diretor-geral de Itaipu 18-01-2019 » Medidas econômicas | Auxílio-reclusão e pensão por morte vão passar por pente-fino; entenda 18-01-2019 » Educação | Governo suspende nomeação de diretor para coordenar Enem 18-01-2019 » Relações com o país vizinho | Bolsonaro cita PT e diz que Brasil tem culpa em crise na Venezuela 18-01-2019 » Atacante do Santos | Fla encaminha acerto com Bruno Henrique por R$ 23 milhões 18-01-2019 » Copa São Paulo | SP bate Cruzeiro nos pênaltis e pega Guarani na semifinal 18-01-2019 » Ex-comandante do Exército | Símbolo de superação, Villas Bôas traz voz moderada ao Planalto 18-01-2019 » Para descobrir o que têm | Pessoas com doenças misteriosas buscam 'detetives' nos EUA 18-01-2019 » Salão de Detroit | Nissan revela que futuro Versa será 'surpreendente como o Kicks'
Publicidade
27 de fevereiro de 2016

Nenhum governo cala a boca do PT, diz Wagner

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse nesta sexta-feira, 26, que o governo vai trabalhar para derrubar na Câmara dos Deputados o projeto do senador José Serra (PSDB-SP), aprovado no Senado, que desobriga a Petrobras de ser operadora única e ter participação mínima de 30% na exploração da camada do pré-sal. “Quem está apostando em racha entre o PT e o governo pode tirar o cavalinho da chuva”, disse Wagner, após participar da reunião do Diretório Nacional do partido. “A riqueza do PT está na sua diversidade. Nós sempre fomos assim. Nenhum governo cala a boca do PT.” PUB Questionado se sua presença no encontro tinha o objetivo de apagar o incêndio na relação entre o partido e o Palácio do Planalto, o ministro afirmou que os petistas têm o direito de divergir. “Eu não vim de bombeiro, até porque ninguém ‘bombeira’. Mas quem gosta de ver o circo pegando o fogo não vai ver isso”, afirmou ele. A portas fechadas, Wagner disse aos dirigentes do PT que o projeto aprovado no Senado foi um “mal menor” porque a proposta de Serra era “um liberou geral”, mas ouviu queixas dos companheiros de partido, para quem o governo capitulou. “Eu disse para eles: ‘Gente, pelo amor de Deus. O que for erro nosso, vamos lá… Mas o governo não mudou nada. Quem puxou para derrotar a urgência do projeto do Serra? Quem segurou um ano esse projeto? Na medida que a gente perdeu a urgência, que a votação ia acontecer, nós fomos para o menos ruim”, destacou ele. Para Wagner, “tem gente se apavorando fora de hora” e fazendo um “cavalo de batalha” sem necessidade. “Quem libera bloco para ser leiloado? O governo.Pelo que está lá, vai primeiro para a Petrobras e depois para o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).” Desde quarta-feira, quando Wagner e o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, negociaram com o relator do projeto, Romero Jucá (PMDB-RR), um texto alternativo, a insatisfação do PT com o governo atingiu o ápice. Na avaliação de dirigentes do partido, o governo não poderia sequer ter feito acordo, abrindo mão da primazia da Petrobras na exploração do pré-sal. “Saudei muito a posição do PT de fazer uma campanha em defesa da Petrobras. Nós sempre defendemos isso. Quem defendeu a partilha e o operador único fomos nós, no nosso governo”, comentou Wagner. Com um discurso conciliador, o ministro negou que a provável ausência de Dilma na festa de 36 anos do PT, neste sábado, seja por ela estar em rota de colisão com o partido, lembrando de sua viagem internacional ao Chile. “Se ela decidir que não dá para chegar, deve mandar uma nota. O pessoal do PT e ela, todos os dois têm muito juízo”, disse Wagner. Com informações do Estadao Conteudo.


VOLTAR