Neurocirurgião salva vidas em porão de área sob ataque na Síria » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 13-07-2020 » 'Lucifer' ganha novo trailer | Teaser da 5ª temporada da série tem romance e muita ação; assista 13-07-2020 » Ajuda na pandemia | Auxílio de R$ 600 negado? Você ainda pode reclamar, mesmo fora do prazo 13-07-2020 » Veja quem recebe | Caixa faz hoje novo pagamento de até R$ 1.045 do FGTS emergencial 13-07-2020 » Análise | Compartilhar dados da Lava Jato com a PGR pode ferir investigações 13-07-2020 » Universa Talks | 'Busca pela igualdade de gênero passa pelo fim do racismo', diz ativista e atriz 13-07-2020 » Alvos de mandados | Bolsonaro pede que Angola proteja membros da Universal 13-07-2020 » Esposa de Travolta | Kelly Preston, atriz de 'Jerry Maguire', morre aos 57 anos 13-07-2020 » Depoimento esperado | Estudante picado por cobra naja deixa UTI no Gama (DF) 13-07-2020 » Tinha 27 anos | Neto de Elvis Presley é achado morto na Califórnia, diz site 13-07-2020 » Anvisa não recomenda | Prefeitura baiana cria delivery de 'kit covid' com ivermectina 13-07-2020 » Isolada em Saquarema | 'Só me deu tesão pra valer depois dos 60', revela Angela Ro Ro 13-07-2020 » Volta do futebol | Clubes vão poder mandar jogos fora do país na Libertadores 13-07-2020 » Final do Carioca | SBT negocia cotas de R$ 7,9 mi por Fla-Flu e dividirá faturamento com Fla no 2º jogo 13-07-2020 » Ronnie Lessa | Acusado de matar Marielle é indiciado por tráfico internacional de armas 13-07-2020 » MP vê falha em investigação | Fez muita mãe chorar, diz para TV viúva de morto por Queiroz quando era PM 13-07-2020 » Cortes e atrasos | Corinthians acumula problemas financeiros durante a pandemia 13-07-2020 » Após derrota no UFC 251 | Spider sai em defesa de José Aldo e ataca críticos 13-07-2020 » Pandemia do coronavírus | Mortes têm alta em 2 de 7 estados que já planejam volta às aulas presenciais 13-07-2020 » Liberado pelo Palmeiras | Dudu tenta resolver questão pessoal para viajar ao Qatar 13-07-2020 » Tas reverteu punição ao clube | Gomes: Absolvição do City desmoraliza fair play da Uefa
Publicidade
16 de julho de 2019

Neurocirurgião salva vidas em porão de área sob ataque na Síria

Foto: Reprodução

Cheio de posts como esses, o Twitter do neurocirurgião Omar Ibrahim, 32, é um registro em tempo real do que está acontecendo em Idlib, região no noroeste da Síria considerada o último bastião dos rebeldes que lutam contra o ditador Bashar al-Assad há oito anos. Desde abril, o regime e seus aliados –especialmente a Rússia– vêm fazendo uma forte ofensiva contra esse enclave onde ficou confinada a oposição, considerada terrorista por Assad. A área também está cheia de civis: estima-se que 3 milhões de pessoas vivam lá, 1 milhão delas, crianças. Organizações humanitárias vêm denunciando o ataque proposital a centros de saúde como o de Ibrahim. Na quarta (10), pouco antes de responder ao pedido de entrevista da Folha, ele postou: “Hoje cedo meu hospital foi alvo de um ataque aéreo enquanto eu estava trabalhando”. Foi o quarto bombardeio ao hospital Maarat al Numan, o único funcionando no sul de Idlib, desde 2016. Havia 200 pessoas no local. Ninguém morreu, mas o prédio foi danificado. No mesmo dia, outro hospital, uma clínica e um centro de ambulâncias foram atacados, gerando críticas do secretário-geral da ONU, António Guterres, que fez um apelo por respeito ao direito humanitário internacional. Segundo Ibrahim, dois meses atrás eles já tinham se mudado para o porão do edifício, por motivo de segurança. Com isso, a capacidade de atendimento foi reduzida em 50%: conseguem tratar de 50 a 100 pacientes diariamente. Apenas casos de emergência extrema são aceitos. O local tem só cinco médicos. Para dar conta da demanda, Ibrahim dorme no próprio hospital e fica alerta 24 horas por dia. Algumas de suas postagens mostram sua rotina com os colegas –como a refeição do fim do Ramadã, que eles comemoraram com alguns doces e refrigerantes, entre uma cirurgia e outra. Ibrahim é egípcio e está na Síria há cinco anos. Trabalhava em um hospital universitário em seu país e largou tudo para ir para o meio da guerra. “Eu lia sobre a situação da população, que muitos médicos tiveram de sair, que faltavam cirurgiões. Decidi ajudar.” Juntou-se à ONG Sociedade Médica Síria-Americana (SAMS, na sigla em inglês) e passou três anos em Aleppo, uma das cidades mais afetadas pelo conflito. Quando Aleppo foi evacuada, mudou-se para Idlib.O neurocirurgião trabalha em condições precárias, com escassez de materiais básicos. Já teve de tratar pessoas com sintomas que, segundo ele, indicavam ataque por armas químicas. “Há dois anos, recebemos cem pacientes que acreditamos terem sido atingidas por gás sarin. Foi a primeira vez que vi esse tipo de coisa. O estado delas era muito, muito ruim.” Para manter a mente sã, ele reza, medita e tenta passar tempo com amigos. Diz que posta os casos no Twitter para compartilhar sua experiência, trocar informações com médicos e mostrar o que está acontecendo no conflito. Segundo Ibrahim, a ofensiva sobre Idlib “está piorando dia após dia”. “Tenho medo de que o hospital seja bombardeado de novo e pare de funcionar. Seria uma catástrofe.” Ainda não voltou para o Egito para visitar a família. Questionado por quanto tempo planeja ficar na Síria, responde: “Pelo tempo em que eu for necessário aqui”.


VOLTAR