Nilo diz que decisão de Lídice pesa na dificuldade em formar coligações » Rede Acontece
Últimas
19-11-2018 » Após 'drama' do cabelo | Marina Ruy Barbosa supera castigo e entra para 1º time da Globo 19-11-2018 » Não é só a Samsung | Como Apple e outras empresas imaginam o celular dobrável 19-11-2018 » Cláusula contratual | SBT mira Porchat, Mion e Bacci, mas não quer saia justa com Record 19-11-2018 » Amistoso é amanhã | Por que a seleção vai fechar 2018 em estádio de 4ª divisão inglesa? 19-11-2018 » Jogador morto no PR | Caso Daniel: mãe de gêmeo cita mentiras e represália de Brittes 19-11-2018 » Na Marginal Pinheiros | SP procura macaco hidráulico para içar viaduto que cedeu 19-11-2018 » Reta final do Brasileirão | Fla liga o 'secador' e aposta no Maracanã por sonho do título 19-11-2018 » Carlos Ghosn teria sido preso | Nissan vai demitir presidente brasileiro suspeito de fraude 19-11-2018 » Um dos líderes do CV | Extraditado do Paraguai, Marcelo Piloto vai para prisão de segurança máxima 19-11-2018 » Futura ministra da Agricultura | Tereza diz que adotou 'políticas de governo' ao conceder incentivo à JBS 19-11-2018 » Economia no novo governo | Guedes confirma Roberto Castello Branco no comando da Petrobras 19-11-2018 » País fora do Mais Médicos | Médicos deixam Brasil até o final do ano, anuncia Cuba 19-11-2018 » Milhares tentam deixar A. Central | Caravana de migrantes chega à fronteira dos EUA: 'Não nos querem' 19-11-2018 » Patrícia foi presa em São Paulo | Loba do Tinder: apuração revela falsa riqueza, ameaças e extorsão 19-11-2018 » País relaxou as leis de proteção | 'Marido cortou minhas mãos com machado': a violência doméstica russa
Publicidade
20 de junho de 2018

Nilo diz que decisão de Lídice pesa na dificuldade em formar coligações

Foto Rede Acontece

Sem uma decisão tomada e oficializada, a senadora Lídice da Mata realiza uma plenária na noite desta terça-feira (19) em meio às informações sobre sua disputa pela Câmara Federal. O deputado estadual Marcelo Nilo afirmou que a decisão da socialista em disputar o Senado perpassa pela dificuldade em formar coligações na proporcional.

Segundo Nilo, com uma candidatura avulsa ao Senado, o partido terá que sair sozinho em um “chapão”, o que deve dificultar a eleição dos deputados federais e estaduais. “A grande dificuldade da candidatura avulsa são as coligações. O que mais pesa para ela, na minha visão, são as coligações. Porque se ela sair avulsa vamos sair sozinhos”.

Contudo, o parlamentar ressaltou que a decisão é dela juntamente com o partido, e reafirmou que não aceitaria ser suplente de senador. “É uma decisão pessoal dela, ela é presidente do partido. Ela deve ver o que vai fazer o que é melhor para ela e para o partido. Se eu fosse ela eu sairia [candidata ao Senado]. Ela vai ouvir os amigos. Ela é uma presidente que ouve muito o partido e não toma uma decisão individual. Eu jamais aceitaria ser suplente de ninguém porque fica na mão do outro. Eu não aceitaria. Agora o partido pode indicar. Política é a negociação”.

Para Nilo, a chapa majoritária sem Lídice já estava fechada desde que foi derrotado à presidência da Assembleia Legislativa da Bahia. “Reuni meus assessores e amigos porque a chapa já está fechada. É o que o governador desenhou no dia que saí da presidência. Um ano e meio de especulações e eu nunca tive dúvidas. Minha dúvida era se Lídice sairia avulsa ou não. A decisão é exclusivamente dela. A nacional quer que ela saia como senadora. O PT nacional que ela saia. Lula quer”.


VOLTAR