O que são ‘fake news’? Saiba como funcionam e como se blindar às vésperas das eleições » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro promete R$ 10 bi à ciência e quer astronauta ministro 23-10-2018 » Após fala de Eduardo | Em carta a Celso de Mello, Bolsonaro diz prestigiar STF 23-10-2018 » Candidato do PT | Duas semanas após 1º turno, Marina Silva declara 'voto crítico' em Haddad 23-10-2018 » Marcado para 24 de outubro | TRF-4 nega pedido de Vaccari para adiar julgamento de Palocci 23-10-2018 » 'Marginais vermelhos' | PT anuncia ações contra Bolsonaro por apologia ao crime após discurso 23-10-2018 » Campeonato Brasileiro | Santos marca no fim e empata com Inter por 2 a 2; assista aos gols 23-10-2018 » Ministério do Trabalho | 2017: Salário médio das mulheres cresce mais que de homens 23-10-2018 » Não é só Remy | Relembre mortos que 'ressuscitaram' do autor de Segundo Sol 23-10-2018 » SUVs | Jeep Renegade mudado e novos rivais: como fica o mercado 23-10-2018 » Personalidade forte | Sassá, F. Melo: futebol evolui, mas jogadores indomáveis resistem 23-10-2018 » Papo com o técnico | Renato Gaúcho: Grêmio pode encarar o Real de igual para igual 23-10-2018 » Desfila na SPFW | 'Tento me posicionar de uma forma mais sutil', diz Camila Queiroz 22-10-2018 » Submundo do marketing político | Como opera o mercado ilegal de santinhos virtuais via WhatsApp 22-10-2018 » Mais votado no 1º turno no AM | Wilson Lima tem respaldo de grupo de comunicação e apoia Bolsonaro 22-10-2018 » Opositor do regime morto na Turquia | As versões dadas pela Arábia Saudita até admitir assassinato de jornalista
Publicidade
3 de outubro de 2018

O que são ‘fake news’? Saiba como funcionam e como se blindar às vésperas das eleições

Imagem Reprodução

O termo ‘fake news’ significa “notícia falsa”, ou “notícias falsas”, em português. Trata-se de um conteúdo geralmente divulgado em sites e blogs desconhecidos e cujos recursos remetem ao texto jornalístico, mas as informações veiculadas não correspondem à realidade. Em síntese, são histórias fictícias, que visam manipular a opinião pública, o que não ocorre com notícias e reportagens publicadas em veículos de credibilidade.

No entanto, segundo o pesquisador Fernando Uilherme Barbosa de Azevedo, no livro “O Negócio Sujo das Fake News”, o termo tem sido utilizado por algumas pessoas até mesmo para classificar notícias verdadeiras, publicadas por grandes jornais ou revistas, mas que contrariem posicionamentos ideológicos de determinados setores da sociedade. O que é um erro, já que isso não significa que a informação seja inverídica.
‘Viral’

As notícias falsas se espalham pela internet mediante o compartilhamento massivo dos usuários, sobretudo nas redes sociais e no WhatsApp. Um estudo do Instituto de Tecnologia de Masachussetts (MIT, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, apontou que as ‘fake news’ se espalham 70% mais rápido do que as notícias verdadeiras, o que pode ser explicado pelo apelo à emoção e a sentimentos políticos.

Ainda em seu livro, Azevedo explica que o principal atrativo de uma notícia falsa é o título atraente, que tem o objetivo de instigar uma reação, seja ela positiva ou negativa. “Uma vez que o título consiga abalar os nervos de alguém, o trabalho está feito”, escreve.

Devido ao seu poder de ‘viralização’, as notícias falsas, muitas vezes produzidas por empresas contratadas por grupos políticos, podem gerar uma onda de desinformação. De acordo com a última pesquisa Datafolha, divulgada nesta terça-feira (03), 61% dos eleitores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) afirmam se informar pelo que recebem no WhatsApp, e 40% disseram compartilhar notícias de política na plataforma. Em relação aos eleitores de Ciro Gomes (PDT), esses percentuais são de 46% e 22%, respectivamente; com Fernando Haddad (PT), 38% e 22%; e Geraldo Alckmin (PSDB), 31% e 13%.

O diretor de Opinião Pública do Instituto Ipsos, Danilo Cersosimo, revelou um dado alarmante em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo nesta semana: o brasileiro é o povo que mais acredita em ‘fake news’ no mundo – são 62%. Em seguida, vêm o saudita e o sul-coreano (58%) e o peruano e o espanhol (57%).

“As fake news são lidas e passadas adiante por quem não as percebeu como mentira e também pelos que perceberam. O que estes querem é queimar os concorrentes”, diz Cersosimo.

Como reconhecer notícias falsas:

1 – Leia a matéria toda, e não apenas o título;

2 – Cheque a informação, verificando se foi noticiada por outros sites ou blogs, ou se não foi desmentida por alguma agência de checagem de fatos;

3 – Investigue se o site é confiável, quem o alimenta e se há pelo menos uma página vinculada nas redes sociais. Também é importante observar a fonte e se a matéria está assinada;

4 – Desconfie de notícias sensacionalistas, que soem boas ou ruins demais, ou que revelem, já no título, um posicionamento ideológico.


VOLTAR