Oi, Claro e Vivo são multadas por dano a cliente » Rede Acontece
Últimas
20-09-2018 » Astros saíram do foco | Messi destoa, e estrelas ficam devendo na primeira rodada da Liga 20-09-2018 » Onda de intolerância | Casos de racismo subiram 72% no futebol brasileiro, diz estudo 20-09-2018 » Chuva de reviravoltas | Por que Buscando... é o melhor suspense (sem fantasma) de 2018 20-09-2018 » Preço mais atraente | Vale a pena comprar os iPhones antigos 6S, 7, 8, X e SE? 20-09-2018 » Torcida corintiana | Repúdio a Bolsonaro gera discórdia na Gaviões da Fiel 20-09-2018 » Mais Datafolha | Paes lidera no Rio de Janeiro com 22%; Romário tem 14% e Garotinho, 12% 20-09-2018 » Candidato do PSL | Bolsonaro quer um colégio militar em cada capital: é viável? 20-09-2018 » Candidato do PT | Haddad quer manter regime de atuação do Banco Central 20-09-2018 » Datafolha nos estados | Em São Paulo, Doria atinge 26%, contra 22% de Skaf 20-09-2018 » Entenda | Mau hálito pode ser sintoma de algumas doenças 20-09-2018 » Cabelo crespo | 5 dicas básicas para manter os cachos impecáveis 20-09-2018 » Minha história | 'Minha filha foi morta e passei 17 dias negociando resgate' 20-09-2018 » Criado só por mãe | Ele trabalha desde os 11 anos e hoje fatura R$ 1,2 mi 20-09-2018 » STJ pode julgar nesta 5ª | Gradiente x Apple: a insólita luta pela marca 'iphone' no país 20-09-2018 » Já tomou hoje? | Café: confira 17 benefícios da bebida para a sua saúde 20-09-2018 » Polêmica na Libertadores | Cruzeiro quer que haja investigação: 'uma das decisões mais lesivas' 20-09-2018 » Mais da corrida presidencial | Em nova fase, Alckmin lembrará elogios de Bolsonaro a Chávez 20-09-2018 » Pesquisa Datafolha | Bolsonaro lidera com 28%; e Haddad tem empate técnico com Ciro 20-09-2018 » "Bairro familiar" | Moradores de bairro em SP ameaçam expor clientes de prostitutas 20-09-2018 » O problema é o preço | Bikes, skates e segways se mostram como solução para as cidades
Publicidade
13 de setembro de 2018

Oi, Claro e Vivo são multadas por dano a cliente

Foto Rede Acontece

As operadoras de telecomunicações Oi, Claro e Vivo foram condenadas a pagar, cada uma delas, uma multa de R$ 9,3 milhões pela suposta violação de direitos dos consumidores em irregularidades cometidas entre 2009 e 2015.

Essa é a maior penalidade já aplicada pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, órgão ligado ao Ministério da Justiça. As companhias, no entanto, ainda poderão recorrer.

De acordo com o relatório do órgão, as companhias cometeram infrações na venda dos chamados “serviços adicionados”.

É o caso, por exemplo, dos aplicativos de jogos pagos, da contratação de notícias por mensagens, horóscopos, espera telefônica personalizada, entre outros serviços que não utilizam a rede de telefonia em si, mas cujo pagamento é feito pela fatura.

Além disso, o relatório apontou cobranças equivocadas, muitas vezes superiores ao que foi efetivamente entregue ao cliente ou por serviços que nunca foram contratados pelo cliente.

Segundo o departamento, as operadoras alegam, como forma de defesa, que não são as responsáveis diretas pela prestação dos serviços de valores adicionados, que são oferecidos por terceiros.

No entanto, a diretora do departamento responsável pela decisão, Ana Carolina Caram, refutou o argumento.

“O Código de Defesa do Consumidor estabelece que todos os fornecedores respondem solidariamente pela prestação dos serviços e pelos danos daí advindos, para os consumidores”, afirma.

Caram ainda destacou que a oferta dos serviços em si não é vedada, e que o problema estaria na forma de contratação, “sem informações corretas e claras sobre o que de fato se oferta e em que condições”.

As empresas receberam um prazo de 30 dias para fazer o pagamento das multas, segundo o órgão.

Também foi determinada “a suspensão imediata do fornecimento de serviços de valores adicionais sem o prévio e expresso consentimento do consumidor”, sob a ameaça de suspensão temporária da atividade da companhia.

Os recursos das multas são destinados ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, vinculado ao orçamento do Ministério da Justiça.

O valor recorde foi calculado levando em conta “o porte da empresa, o faturamento e a gravidade da lesão verificada”, segundo Caram.

Procurada pela reportagem, a Claro afirmou, em nota, “que a sanção se refere a casos isolados, registrados no estado do Tocantins, em 2009, e que avalia recorrer da decisão”.

A empresa também diz que “independentemente disso, busca excelência na prestação de Serviço de Valor Adicionado (SVA), aprimorando modelos de oferta e interação com os consumidores”.

A Vivo disse, também em nota, que ainda não foi notificada e que “tão logo tenha o teor oficial da decisão da Secretaria Nacional do Consumidor tomará as medidas cabíveis”. A Oi também afirmou que ainda não havia sido notificada da decisão.


VOLTAR