Para enfraquecer impeachment, Dilma vai quitar pedaladas » Rede Acontece
Últimas
21-06-2018 » Operação na Maré | RJ: morre jovem de 14 anos baleado a caminho da escola 21-06-2018 » Julgamento no STF | Quais as chances de Lula ser solto pelo STF na próxima semana? 21-06-2018 » Imigrantes na fronteira | Brasil vai orientar os pais em ações para resgatar filhos separados nos EUA 21-06-2018 » Denunciaram abusos | Testemunhas dizem que foram procuradas pela Lava Jato para falar sobre sítio e Lula 21-06-2018 » Mais equilíbrio | Análise: Globalização acabou com a 'velha' Copa, e isso é ótimo 21-06-2018 » Montanha-Russa | Cid: 'Jogador com coque samurai não costuma ir bem' 21-06-2018 » Página Cinco | Falta um livro sobre o 'vidente' que cravou o 7 a 1 no bolão em 2014 21-06-2018 » Falha de Cobertura | Neymar treina normalmente para se jogar no chão; assista 21-06-2018 » Burger King é criticado por pedir que russas engravidem de atletas na Copa 21-06-2018 » Espanhol diz que Irã foi 'desleal'; técnico rebate e cita lance de Ramos com Salah 21-06-2018 » 'Talvez o Brasil ganhe de nós em 19 de 20 jogos', diz meia da Costa Rica 21-06-2018 » Que brilho! Anel de namorada de CR7 chama atenção durante jogo de Portugal 21-06-2018 » Cabeleireiro de Neymar bloqueia comentários após críticas ao visual na Copa 21-06-2018 » Pesquisa mundial | Comida está na mão de poucos, e agricultor fica pobre, diz estudo 21-06-2018 » Ex-BBB | Como no caso da Fani: que fazer se hackearem seu Instagram? 21-06-2018 » Mudança climática | Geleiras derretendo e tempestades: veja marcas do aquecimento 21-06-2018 » Desrespeito na Rússia | Ministério público vai investigar brasileiros que insultaram russa 21-06-2018 » Mundial ou La Liga? | Campeonato Espanhol domina gols da Copa, e hoje não foi diferente 21-06-2018 » Brasil x Costa Rica | Multicampeão e 'herói', Navas encara Alisson, seu possível sucessor 21-06-2018 » Jogo pelo grupo C | Guerrero é aposta do Peru para fazer valer a espera de 36 anos
Publicidade
supermercado centrel intersorft centro medico sao gabriel clinica master lab laboratorio grafica bandeirante
29 de dezembro de 2015

Para enfraquecer impeachment, Dilma vai quitar pedaladas

FOTO: BRUMADO ACONTECE

FOTO: BRUMADO ACONTECE

A presidente Dilma Rousseff decidiu pagar todos os R$ 57 bilhões das pedaladas fiscais até quinta-feira, último dia do ano. O objetivo do governo é zerar as pedaladas e, assim, “deixar todo esse assunto em 2015”. A ordem de Dilma é trabalhar para não deixar brechas que possam ser usadas como argumento para o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional. O governo entende que, ao pagar todas as pedaladas devidas ao BNDES, ao Banco do Brasil, à Caixa e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o debate sobre o impedimento será enfraquecido. Ontem, em reunião com seus ministros da Junta Orçamentária, Dilma recebeu números atualizados de receitas e despesas e o sinal verde do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de que será possível pagar todas as dívidas do governo com os bancos públicos e fundos e, ainda assim, fechar o ano dentro do limite máximo de déficit fiscal previsto no Orçamento aprovado pelo Congresso. O processo de impeachment aberto pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usa exatamente da premissa de que as pedaladas constituíram um crime de responsabilidade. O governo nega que os atrasos tenham sido uma infração e terá como trunfos o parecer pela aprovação das contas de 2014 feito pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO) e, agora, o pagamento total das pedaladas. Somando tais manobras e o déficit fiscal, o governo poderá ter um rombo final no ano de R$ 108,8 bilhões, segundo prevê a Lei Orçamentária. Para determinar se seria possível fazer todos os pagamentos, sem descumprir a lei, a presidente discutiu ontem com os ministros da Fazenda, da Casa Civil, Jaques Wagner, do Planejamento, Valdir Simão, e da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, os dados mais atualizados.


VOLTAR
29 de dezembro de 2015

Para enfraquecer impeachment, Dilma vai quitar pedaladas

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

A presidente Dilma Rousseff decidiu pagar todos os R$ 57 bilhões das pedaladas fiscais até quinta-feira, último dia do ano. O objetivo do governo é zerar as pedaladas e, assim, “deixar todo esse assunto em 2015”. A ordem de Dilma é trabalhar para não deixar brechas que possam ser usadas como argumento para o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional. O governo entende que, ao pagar todas as pedaladas devidas ao BNDES, ao Banco do Brasil, à Caixa e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o debate sobre o impedimento será enfraquecido. Ontem, em reunião com seus ministros da Junta Orçamentária, Dilma recebeu números atualizados de receitas e despesas e o sinal verde do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de que será possível pagar todas as dívidas do governo com os bancos públicos e fundos e, ainda assim, fechar o ano dentro do limite máximo de déficit fiscal previsto no Orçamento aprovado pelo Congresso. O processo de impeachment aberto pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usa exatamente da premissa de que as pedaladas constituíram um crime de responsabilidade. (mais…)


VOLTAR