Para enfraquecer impeachment, Dilma vai quitar pedaladas » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 20-05-2019 » Em requerimento | Kajuru pede explicações a Bolsonaro sobre 'conchavos' 20-05-2019 » Game of Thrones | Análise: final sofreu de mesmos problemas que toda a temporada 20-05-2019 » Manifestações convocadas | Para militares, chamado de Bolsonaro às ruas pode levar economia ao caos 20-05-2019 » Perdão de cerca de R$ 70 mi | Bolsonaro sanciona anistia a partidos políticos após ter dito que vetou o projeto 20-05-2019 » Marca nega acusações | Loja Três é denunciada: veja relatos de racismo, assédio e gordofobia 20-05-2019 » Em Barão dos Cocais (MG) | Chance de barragem se romper quando talude cair é de 10% a 15%, diz secretário 20-05-2019 » Articulação no Congresso | Se Câmara e Senado têm proposta, votem, diz Bolsonaro sobre reforma 20-05-2019 » Não libera | Maisa Silva: 'Globo está dificultando demais o meu programa' 20-05-2019 » De Globo a Record | Frustradas com Jair Bolsonaro, redes de TV adiam novos projetos 20-05-2019 » Brilhou em festa | Após ofuscar Neymar, Mbappé admite deixar Paris por "novo projeto" 20-05-2019 » Foi assaltado | Compadre Washington é internado após show na Virada Cultural 20-05-2019 » Da Toro Rosso | Conheça o piloto mais 'brasileiro' do grid. E genro de Piquet 20-05-2019 » Adriana Ancelmo | Mulher usa carteira da OAB para ver Cabral irregularmente 20-05-2019 » Renda do trabalhador | Por que o mínimo subiu 115%, mas aposentadoria só 81% em 10 anos? 20-05-2019 » Educação | Ao menos 12 universidades federais do país têm cotas para alunos trans 20-05-2019 » Após boicote de Trump | Google tira Android de celulares Huawei, e 'guerra fria' avança; entenda 20-05-2019 » Fundo de investimentos | Edital para construção de autódromo no Rio tem só um interessado 20-05-2019 » Regina Navarro | 'Amo meu marido, mas não sinto desejo por ele' 20-05-2019 » Josias de Souza | Centrão trama impor ao governo uma 'pegadinha' 20-05-2019 » R. Azevedo | Por que Bolsonaro não define o que é 'nova política'?
Publicidade
INTERSORFT 100 MEGA
corretora de seguros
29 de dezembro de 2015

Para enfraquecer impeachment, Dilma vai quitar pedaladas

FOTO: BRUMADO ACONTECE

FOTO: BRUMADO ACONTECE

A presidente Dilma Rousseff decidiu pagar todos os R$ 57 bilhões das pedaladas fiscais até quinta-feira, último dia do ano. O objetivo do governo é zerar as pedaladas e, assim, “deixar todo esse assunto em 2015”. A ordem de Dilma é trabalhar para não deixar brechas que possam ser usadas como argumento para o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional. O governo entende que, ao pagar todas as pedaladas devidas ao BNDES, ao Banco do Brasil, à Caixa e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o debate sobre o impedimento será enfraquecido. Ontem, em reunião com seus ministros da Junta Orçamentária, Dilma recebeu números atualizados de receitas e despesas e o sinal verde do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de que será possível pagar todas as dívidas do governo com os bancos públicos e fundos e, ainda assim, fechar o ano dentro do limite máximo de déficit fiscal previsto no Orçamento aprovado pelo Congresso. O processo de impeachment aberto pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usa exatamente da premissa de que as pedaladas constituíram um crime de responsabilidade. O governo nega que os atrasos tenham sido uma infração e terá como trunfos o parecer pela aprovação das contas de 2014 feito pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO) e, agora, o pagamento total das pedaladas. Somando tais manobras e o déficit fiscal, o governo poderá ter um rombo final no ano de R$ 108,8 bilhões, segundo prevê a Lei Orçamentária. Para determinar se seria possível fazer todos os pagamentos, sem descumprir a lei, a presidente discutiu ontem com os ministros da Fazenda, da Casa Civil, Jaques Wagner, do Planejamento, Valdir Simão, e da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, os dados mais atualizados.


VOLTAR
29 de dezembro de 2015

Para enfraquecer impeachment, Dilma vai quitar pedaladas

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

A presidente Dilma Rousseff decidiu pagar todos os R$ 57 bilhões das pedaladas fiscais até quinta-feira, último dia do ano. O objetivo do governo é zerar as pedaladas e, assim, “deixar todo esse assunto em 2015”. A ordem de Dilma é trabalhar para não deixar brechas que possam ser usadas como argumento para o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional. O governo entende que, ao pagar todas as pedaladas devidas ao BNDES, ao Banco do Brasil, à Caixa e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o debate sobre o impedimento será enfraquecido. Ontem, em reunião com seus ministros da Junta Orçamentária, Dilma recebeu números atualizados de receitas e despesas e o sinal verde do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de que será possível pagar todas as dívidas do governo com os bancos públicos e fundos e, ainda assim, fechar o ano dentro do limite máximo de déficit fiscal previsto no Orçamento aprovado pelo Congresso. O processo de impeachment aberto pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usa exatamente da premissa de que as pedaladas constituíram um crime de responsabilidade. (mais…)


VOLTAR