Para Marina, chegada de Temer ao poder paralisaria Lava Jato » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Não quer gastar o 3G? | Veja como economizar dados móveis ao ver vídeos no YouTube 23-10-2018 » Equipe ficou exausta | Cena sem cortes de Demolidor precisou de 12 horas e sete takes 23-10-2018 » Design sedutor | Renault Mégane RS é o hot hatch que todos sonham no Brasil 23-10-2018 » Mutações | Se genoma é o mesmo, por que resultado de teste genético muda? 23-10-2018 » Meia do Palmeiras | Neymar pai tentou levar L. Lima ao Barça, mas saída de filho impediu 23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro: 'Somos a garantia da liberdade e da democracia' 23-10-2018 » Candidato do PT | Falas radicais do clã Bolsonaro dão tração a articulação pró-Haddad 23-10-2018 » 'Não tenho alternativa' | Torturado por Ustra, vereador do PV rejeita PT e defende voto nulo 23-10-2018 » Fim da campanha | Bolsonaro desiste de ir, e Globo cancela debate de 6ª 23-10-2018 » Falta 1 mês para liquidação | Confira seis dicas dos especialistas para se dar bem na Black Friday 23-10-2018 » Entrevista com Monica de Carvalho | Diretora do Google é quem faz surgir produto que você pesquisou antes 23-10-2018 » Bolsonaro falou em 'banir vermelhos' | Estudiosos de genocídios fazem alerta a discurso de 'eliminar adversário' 23-10-2018 » Disputa governo do Rio | Há um mito de que juiz não pode ser político, diz Wilson Witzel 23-10-2018 » Hoje, às 18h10 | UOL, Folha e SBT promovem debates em São Paulo e Rio 23-10-2018 » Juiz de primeira instância | Sinalização de que Bolsonaro pode indicar Moro ao STF desagrada cortes 23-10-2018 » Forças no Congresso | Apoio a Maia para presidir a Câmara ganha força no PSL 23-10-2018 » O que prometem os candidatos | Veja quais são as propostas de Bolsonaro e Haddad para a economia
Publicidade
18 de janeiro de 2016

Para Marina, chegada de Temer ao poder paralisaria Lava Jato

Foto: Rede Acontece

Foto: Rede Acontece

A ex-ministra Marina Silva afirmou neste domingo, 17, que o seu partido, a Rede Sustentabilidade, é contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff porque teme que a chegada do vice-presidente Michel Temer ao poder possa resultar na paralisação das investigações da Operação Lava Jato. Para Marina, tanto o PT, partido de Dilma, quanto o PMDB de Temer são “faces da mesma moeda” e têm responsabilidade diante dos sucessivos escândalos de corrupção que afetam o País. “O nosso receio é que o impeachment possa criar uma aura de que o problema foi resolvido, retirando todo o suporte da população às investigações da Operação Lava Jato”, disse Marina após uma reunião da executiva da sigla, chamada de elo nacional, em Brasília. Um dos porta-vozes da Rede, Luiz Eduardo Soares argumenta que, se Dilma for afastada do cargo, a coalizão de partidos que se formará para dar sustentação a um eventual governo de Temer poderia pressioná-lo para que ele colocasse obstáculos aos avanços da operação. “Essa eventualidade poderia criar condições adequadas a uma tentativa de paralisação da Lava Jato, que é hoje o que existe de mais importante no Brasil”, afirmou.Reservadamente, um dos parlamentares da legenda disse que esse temor é um dos principais motivos que levou a Rede a decidir, já no ano passado, a se posicionar contra o impeachment de Dilma. Os aliados de Marina acreditam que, como o PMDB tem nomes importantes sendo investigados pela operação, a chegada de Temer à Presidência poderia fazer com que os caciques da legenda atuassem para inibir a atuação da Polícia Federal, seja repassando menos recursos para a instituição, seja escolhendo um ministro da Justiça que desse menos liberdade de atuação a órgãos como o Ministério Público.


VOLTAR