Para ministro da Economia, “caminho da prosperidade” depende de reforma da Previdência » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 23-05-2019 » Copa do Brasil | Bahia surpreende, vence SP por 1 a 0 no Morumbi e larga na frente 23-05-2019 » O dia nos esportes | Armero é dispensado, Corinthians freta jato e Fifa define sobre Copa 23-05-2019 » Antes de julgamento | STF tem 'lobby' de evangélicos e LGBTs sobre homofobia 23-05-2019 » Mais Copa do Brasil | Juventude e Grêmio não saem do zero no jogo de ida das oitavas 23-05-2019 » Na Arena da Baixada | Athletico vence River Plate por 1 a 0 no duelo de ida da Recopa 23-05-2019 » Emissora nega | De Faustão a William Bonner, Globo reduzirá salários milionários 23-05-2019 » Loteria | Mega-Sena paga R$ 11,8 mi a aposta única de Aramina (SP) 23-05-2019 » Vai para sanção presidencial | Senado aprova capital estrangeiro em aéreas e volta de bagagem gratuita 23-05-2019 » Reforma administrativa | Câmara tira Coaf de Moro, mas aprova redução de ministérios 23-05-2019 » CCJ da Câmara aprovou | Secretário da Receita diz ver 'com otimismo' avanço de reforma tributária 23-05-2019 » Setor de cosméticos | Natura confirma compra da Avon e cria 4º maior grupo de beleza do mundo 23-05-2019 » Manifestações | 'Dissidentes' do 'Fora Dilma' estão à frente de atos pró-Bolsonaro deste domingo 23-05-2019 » Decreto de armas | Portar fuzil está proibido; Exército tem 60 dias para avaliar permissão de compra 23-05-2019 » Oitavas da Copa do Brasil | Palmeiras reserva bate o Sampaio por 1 a 0 23-05-2019 » Turistas em Santiago | Seis brasileiros morrem no Chile; polícia suspeita de vazamento de gás 23-05-2019 » Painel S/A | Nestlé e Fonterra avaliam venda de joint venture 23-05-2019 » Flávio Ricco | Tadeu Schmidt entrevista irmão Oscar no SporTV 23-05-2019 » Mulherias | Nova Previdência aflige mulheres da periferia 23-05-2019 » Josias de Souza | Medo do asfalto amolece governo e centrão 23-05-2019 » Descomplique | 5 atitudes que te deixam endividado
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
15 de maio de 2019

Para ministro da Economia, “caminho da prosperidade” depende de reforma da Previdência

Foto Pablo Valadares

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na última terça-feira (14) que o Brasil só alcançará o “caminho da prosperidade” com a aprovação de reformas, especialmente a da Previdência (PEC 6/19), e com privatizações. Ele compareceu nesta tarde à Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) para debater o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020. O projeto de LDO (PLN 5/19) é a primeira proposta orçamentária a ser analisada neste ano. O texto prevê que o salário mínimo será reajustado para R$ 1.040 no próximo ano, sem ganho real (acima da inflação). “Estamos mantendo o poder de compra do salário mínimo, observando o que está acontecendo, se temos reforma, se há espaço fiscal, fazendo movimentos com cautela”, disse Guedes. O governo deve definir até dezembro se haverá uma nova regra para os reajustes. Em relação à meta fiscal para 2020, a proposta do Executivo aponta déficit primário pelo sétimo ano consecutivo – de R$ 124,1 bilhões para o governo central, que abrange as contas do Tesouro Nacional, da Previdência Social e do Banco Central. Ao apresentar os dados, o secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues Junior, afirmou que a previsão é de “arrocho” anual nas despesas da ordem de 0,5 ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB) – o projeto de LDO prevê um plano de revisão de benefícios tributários dessa magnitude até 2022. O ministro da Economia defendeu o controle dos gastos. “Se retirar o teto de gastos, a taxa de juros vai para 10%, 15%. É um dilema terrível, tentar o corte de gastos não em cima dos mais pobres, mas nos subsídios, nas desonerações”, disse Guedes. “Vamos chegar lá, mas tem um gasto que é galopante e engole tudo: a Previdência, que não tem solução”, completou. Em resposta ao deputado Cacá Leão (PP-BA), relator do projeto da LDO, Guedes afirmou que o bloqueio de 30% nas despesas discricionárias das universidades federais é prudencial e poderá ser revisto até o final do ano, se houver aumento da arrecadação. Já o senador Oriovisto Guimarães (Pode-PR), relator do próximo Plano Plurianual (PPA), elogiou o

“Regra de ouro”
Paulo Guedes também foi questionado sobre o projeto de crédito suplementar (PLN 4/19) em que o governo pede autorização ao Congresso para quitar R$ 248,9 bilhões em despesas correntes por meio de operações de crédito. O assunto já havia sido discutido pela CMO durante a manhã, em audiência pública que durou mais de três horas. O Tesouro Nacional informou que, até o momento, o governo precisa de pelo menos R$ 146,7 bilhões oriundos de operações de crédito.

A Constituição proíbe a realização de operações de crédito (emissão de títulos públicos) que excedam o montante das despesas de capital (investimentos e amortizações de dívida). A chamada “regra de ouro” só pode ser contornada por meio de créditos suplementares ou especiais com finalidade específica e aprovados em sessão conjunta do Congresso por maioria absoluta – pelo menos 257 deputados e 41 senadores –, daí o projeto apresentado pelo Executivo.

O ministro da Economia disse acreditar que o Congresso aprovará a proposta. Caso contrário, não haverá recursos para pagar aposentadorias e pensões, recursos para financiar a próxima safra, benefícios sociais para idosos carentes e Bolsa Família. “Se não aprovar, o Congresso terá travado esses gastos”, ressaltou. “É uma decisão que cabe aos senhores, deputados e senadores.”

Reforma tributária
Paulo Guedes concordou com a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) que as deduções com saúde e educação obtidas pelos contribuintes no Imposto de Renda são elevadas, mas lembrou que o abatimento desse tipo de despesa foi criado e aprovado pelo Legislativo. De acordo com o projeto de LDO, essas deduções representarão o sexto maior gasto tributário em 2020 (R$ 22 bilhões). O ministro da Economia afirmou ainda que o governo pretende fazer uma reforma tributária, para simplificar o sistema. Além disso, Guedes defendeu uma mudança no pacto federativo, de forma a redividir os recursos federais com estados e municípios.


VOLTAR