Partidos querem barrar repasse obrigatório para candidatas » Rede Acontece
Últimas
21-02-2019 » Audiência no Senado | Damares critica ativismo e rebate ministro do STF sobre questão de gênero 21-02-2019 » Desastre em Brumadinho (MG) | Bombeiros acham almoxarifado soterrado; há indícios de corpos 21-02-2019 » Texto entregue ao Congresso | Oposição tranca pauta na Câmara em protesto à reforma da Previdência 21-02-2019 » Marcelo Antônio, do Turismo | Ministro pede para STF suspender apuração de laranjas do PSL em MG 21-02-2019 » Tema em discussão no STF | Fachin defende criminalizar homofobia e aplicar Lei de Racismo 21-02-2019 » Crise no país vizinho | Nicolás Maduro manda fechar a fronteira da Venezuela com o Brasil 21-02-2019 » Impasse | Sem acerto, direção do Corinthians se irrita com postura de Romero 21-02-2019 » Novo smartphone | Confira sete novidades do Galaxy S10 da Samsung 21-02-2019 » Caso tríplex | Ministro do STF nega mais um pedido de liberdade a Lula 21-02-2019 » SUV 'acupêzado' | Renault Arkana é registrado no Brasil e deve sair até 2021 21-02-2019 » Impasse continua | Globo aceita exibir parceiros da Conmebol apenas na TV paga 21-02-2019 » Caso Daniel | Audiência tem risada de réu e acenos da família Brittes; advogado faz críticas 21-02-2019 » Em São Bernardo | Governo de SP diz que buscará comprador para fábrica da Ford 21-02-2019 » Antimusa do Carnaval | Lívia Andrade rejeita ser 'certinha': 'Empoderada? Minha vida me fez assim' 21-02-2019 » Mulheres em profissões 'invisíveis' | 'Se some algo, sempre suspeitam de quem faz a limpeza'; leia relatos 21-02-2019 » Buscas continuam em Brumadinho | 'Quanto mais tempo passa, mais difícil', diz bombeiro símbolo de MG
Publicidade
28 de maio de 2018

Partidos querem barrar repasse obrigatório para candidatas

Foto Rede Acontece

Dez partidos da base e da oposição ao governo se articulam para derrubar a destinação de 30% do fundo eleitoral para candidatas mulheres, que significa R$ 515 milhões do total de R$ 1,7 bilhão, de acordo com o Estadão. A ideia é acionar o Supremo para que a medida só seja aplicada a partir das eleições de 2020 e não já no pleito deste ano. Outra alternativa é votar no Congresso projeto que adie a vigência da norma do TSE. A aprovação é dada como certa com base na matemática. Na Câmara dos Deputados, são 45 mulheres ante 468 homens; no Senado, são 13 contra 68. A reação ao “empoderamento feminino” começou a ser discutida na semana passada discretamente por congressistas para evitar contra-ataque. Advogados de dez partidos montaram uma força-tarefa para elaborar Adin. As medidas serão disparadas após o TSE publicar a resolução que reserva parte do fundo eleitoral para as mulheres.


VOLTAR