Partidos querem barrar repasse obrigatório para candidatas » Rede Acontece
Últimas
22-10-2018 » Aprovação será difícil | Lua de mel com Bolsonaro será curta, diz presidente de consultoria de risco 22-10-2018 » Berço político de Cid e Ciro | Haddad se apoia em Camilo para tentar crescer no Ceará 22-10-2018 » Deputado eleito falou em 'fechar' STF | Fala de Eduardo Bolsonaro é golpista, diz Celso de Mello 22-10-2018 » Veja o que pode ser um diferencial | Andar alto, localização e condomínio com preço baixo valorizam o imóvel? 22-10-2018 » Show em SP | Shakira encerra jejum de sete anos e faz festa latina para 40 mil 22-10-2018 » Aventureiro da Honda | A partir de R$ 82.100, WR-V 2019 ganha itens, mas ainda deve controles 22-10-2018 » Cartão está disponível | Candidato já pode consultar local de prova no Enem; veja como 22-10-2018 » A moto e a moda | Maior modelo brasileiro virou piloto e sobreviveu a morte em Interlagos 22-10-2018 » Bola na rede | Palmeiras consolida liderança, e Fla goleia; veja os gols da rodada 22-10-2018 » Pico da Neblina | Série da HBO imagina como seria Brasil com maconha legalizada 22-10-2018 » 'Mecânico virtual' | Veja lista dos 10 carros que mais apresentam falhas, segundo app 22-10-2018 » Resumo do Brasileirão | Bastidores da rodada antecipam confronto entre Palmeiras e Fla 22-10-2018 » Dilema nas Forças Armadas | Prestígio com Bolsonaro agrada, mas também preocupa militares 22-10-2018 » Questionado por brasileira | Em Paris, Ciro Gomes diz que está 'muito cansado' e que o Brasil 'está doente' 22-10-2018 » Disputa em SP | Doria usa Bolsonaro, mas não atrai deputados do PSL da bancada da bala
Publicidade
28 de maio de 2018

Partidos querem barrar repasse obrigatório para candidatas

Foto Rede Acontece

Dez partidos da base e da oposição ao governo se articulam para derrubar a destinação de 30% do fundo eleitoral para candidatas mulheres, que significa R$ 515 milhões do total de R$ 1,7 bilhão, de acordo com o Estadão. A ideia é acionar o Supremo para que a medida só seja aplicada a partir das eleições de 2020 e não já no pleito deste ano. Outra alternativa é votar no Congresso projeto que adie a vigência da norma do TSE. A aprovação é dada como certa com base na matemática. Na Câmara dos Deputados, são 45 mulheres ante 468 homens; no Senado, são 13 contra 68. A reação ao “empoderamento feminino” começou a ser discutida na semana passada discretamente por congressistas para evitar contra-ataque. Advogados de dez partidos montaram uma força-tarefa para elaborar Adin. As medidas serão disparadas após o TSE publicar a resolução que reserva parte do fundo eleitoral para as mulheres.


VOLTAR