Pesquisa: sete em cada dez brasileiros apoiam reforma da Previdência » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 19-11-2019 » Planeta vermelho | Misterioso pico de oxigênio em Marte está intrigando os cientistas 19-11-2019 » Flamengo | Ônibus Rio-Lima volta a ter problemas e fica em mecânica por 5 horas em RO 19-11-2019 » Estreia hoje | Série do UOL mostra como PCC foi de pequeno grupo a cartel internacional 19-11-2019 » Governo 'faz mais com menos' | Bolsonaro responde reportagem sobre queda de investimento em estradas 19-11-2019 » Campanha de vacinação | Vírus do sarampo abre portas para outras doenças, aponta estudo 19-11-2019 » Rumo a novo amistoso | Tite admite pressão por má fase do Brasil, mas nega desespero 19-11-2019 » Campeonato Brasileiro | Com gol contra no último minuto, Goiás empata com Vasco em 1 a 1; veja lances 19-11-2019 » Influencer de literatura | 'Escritores do Insta' seduzem editoras 19-11-2019 » A Fazenda 2019 | Netto, Rodrigo e Viny estão na nona roça 19-11-2019 » 'Tanta ignorância' | Geisy perde 7 mil seguidores após postar foto amarrada 19-11-2019 » Vasco x Goiás | Gol contra desastroso faz cruzmaltino virar piada na web 19-11-2019 » Com empresária | Eduardo Costa vive amor secreto há 5 anos, diz colunista 19-11-2019 » Ironiza o artista | Fontenelle comenta áudio vazado e reitera critica a Otaviano 19-11-2019 » Bombou no Twitter | Após dólar a R$ 4,20, internautas ironizam ato Fora, Dilma 19-11-2019 » Caso na Holanda | Diferença de tamanho entre atletas sub-15 impressiona 19-11-2019 » Litoral de SP | Corpo de turista é achado dentro de saco em Caraguatatuba 19-11-2019 » Ex-presidente é réu | Juiz Marcelo Bretas volta a barrar viagem de Temer ao exterior 19-11-2019 » Diretor de vendas assume | Presidente da Ambev renuncia para tratar de projetos pessoais 19-11-2019 » Disparos em massa e mais | WhatsApp diz ter banido 400 mil contas por violar termos na eleição de 2018 19-11-2019 » Brasil venceu o Mundial | Palmeiras lidera; em que clubes jogam e quem são os campeões sub-17
Publicidade
13 de julho de 2019

Pesquisa: sete em cada dez brasileiros apoiam reforma da Previdência

Foto Rede Acontece

A tomar como base pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e SPC Brasil, a maioria dos brasileiros apoia a reforma da Previdência. A proporção, segundo os organizadores do levantamento, é de sete apoiadores em cada grupo de dez consultados. A pesquisa ouviu 800 pessoas com idades a partir de 18 anos nos 26 Estados e DF. A abertura da pesquisa mostra que 40% dos consultados consideram correta a equiparação entre trabalhadores dos setores público e privado. Do total de entrevistados, 44% acreditam que a reforma previdenciária será totalmente aprovada ainda este ano. Tema de discussão na Câmara dos Deputados e nas ruas, a Previdência somou um rombo total de R$ 290,3 bilhões apenas em 2018, segundo dados oficiais. Os brasileiros não estão indiferentes ao problema. Tanto que 78% estão acompanhando, em alguma medida, as discussões a respeito das novas regras para aposentadoria, sendo que 31% estão totalmente por dentro do assunto e 47% acompanham apenas em parte. “Ainda que haja controvérsias a respeito dos possíveis efeitos da reforma da Previdência em diferentes estratos da sociedade, é fato que o regime de aposentadoria custeado pela União e pelos Estados caminha para a completa falência nos próximos anos, se nada for feito. Ao criar espaço para diminuir os gastos com a Previdência, espera-se que seja interrompida a trajetória explosiva da dívida pública atual e que, com mais segurança e equilíbrio no cenário macroeconômico, os investidores recuperem a confiança necessária para retomar os investimentos”, defende presidente da CNDL, José César da Costa. De acordo com a pesquisa, 44% acreditam que a reforma previdenciária será totalmente aprovada ainda este ano. Embora a reforma da Previdência seja vista como necessária pela maioria dos entrevistados, seu conteúdo gera controvérsias: mais de um quarto (26%) concorda com a maneira em que as mudanças foram propostas no Congresso – em grande parte, homens e oriundos das classes A e B. Por outro lado, as mulheres são maioria entre os 46% que acreditam na necessidade de uma reforma, mas não concordam com a forma como tem sido apresentada. Apenas 18% não veem necessidade de reforma, enquanto outros 10% não souberam opinar. Dentre os entrevistados, 44% acreditam que a reforma da Previdência será totalmente aprovada ainda este ano, enquanto 28% acham que o texto não será aprovado tão cedo

O principal motivo apontado pelos apoiadores das mudanças no regime de aposentadoria é eliminar as disparidades entre funcionários públicos e privados (50%), tornando o sistema mais justo e igualitário. Quatro em cada dez (39%) acreditam que o envelhecimento da população brasileira coloca em risco a garantia do benefício para gerações futuras, 33% apostam na possibilidade de reequilibrar as contas públicas e aumentar a confiança dos investidores no País e 25% acreditam que a reforma ajudará o governo a arrecadar mais dinheiro para investir em áreas de melhorias para a população, como saúde e educação. Outros 25% acham que as mudanças evitarão o pagamento de novos impostos criados para manter a Previdência.

Desigualdade

O fim da desigualdade é a tônica entre os brasileiros que defendem a necessidade da reforma, ainda que haja alterações na proposta: quase metade (49%) defende o aumento da contribuição ao INSS para pessoas que recebem salários maiores. Trata-se do item na proposta atual em tramitação no Congresso que os entrevistados consideram mais importante.

Já 40% consideram correta a equiparação entre trabalhadores dos setores público e privado, 32% defendem o fim do acúmulo de benefícios e 28% concordam com a idade mínima proposta pelo governo, de 65 para homens e 62 para mulheres. No entanto, em média, os entrevistados consideram que o brasileiro deveria se aposentar aos 59 anos.

Embora a maioria dos brasileiros entrevistados já reconheça a necessidade de uma reforma na Previdência, 81% identificam algum aspecto negativo na proposta do governo. Um dos pontos que mais geram rejeição é o aumento no tempo de trabalho (40%), especialmente entre as mulheres (46%). Outros aspectos apontados foram a mudança de regras para quem já estava para se aposentar nos próximos anos (30%), as chances de o dinheiro arrecadado ser alvo de corrupção (30%) e a possibilidade de desvinculação dos benefícios com o salário mínimo, o que aumentaria o número de idosos ganhando menos (27%).

Independentemente do resultado final, as discussões sobre as mudanças na Previdência fizeram com que 52% dos brasileiros mudassem a forma de agir e pensar sobre o assunto. Três em cada dez entrevistados reforçaram a importância dada ao planejamento da aposentadoria (29%), 21% passaram a guardar dinheiro com o objetivo de se aposentar e 13% estão pensando em antecipar a aposentadoria para não ser prejudicado pelas novas regras. Por outro lado, 31% continuam pensando igual, principalmente por ainda não terem refletido a respeito (13%) e por não acharem que a reforma vai, de fato, acontecer (8%).

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuit


VOLTAR