Petrobras reduz 30% dos cargos em diretorias e gerências » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 23-08-2019 » Meio ambiente | Bolsonaro convoca gabinete de crise para tratar da Amazônia 23-08-2019 » Desmatamento | Atos pela Amazônia devem ocorrer em pelo menos 40 cidades do Brasil 23-08-2019 » Julgamento foi suspenso | STF forma maioria contra redução de jornada e salário de servidor público 23-08-2019 » Encontro de delegados na BA | Policiais da PF elevam críticas a Bolsonaro e não poupam nem Moro 23-08-2019 » Por Previdência | Um terço do que governo quer remanejar é corte da Educação 23-08-2019 » Plateia no RS ficou indignada | Em Gramado, chefe da Ancine diz que suspensão de edital foi 'convite ao diálogo' 23-08-2019 » Veja como | Seguro do seu carro pode baixar mais de 10% com peça paralela 23-08-2019 » Veja detalhes | Entramos no Taycan, 1º Porsche elétrico: meta é ser um esportivo único 23-08-2019 » Segundo secretaria | SP receberá vacinas, e campanha contra sarampo está mantida 23-08-2019 » Defesa nega | Atriz acusa diretor de filme de Marquezine de assédio: 'Foi horrível' 23-08-2019 » Ilegal e perigoso | Mais de 4 milhões têm 'gatonet'; veja os riscos das caixas de TV pirata 23-08-2019 » Filho do presidente | Flávio usou casa penhorada por dívida em entrevista a TV 23-08-2019 » Santos está na ponta | Quem vai terminar 1º turno do Brasileiro na liderança? Blogueiros opinam 23-08-2019 » 'Essa coisa não é simples' | Relator da reforma da Previdência no Senado adia entrega de parecer 23-08-2019 » Flexibiliza regra trabalhista | Entenda as principais mudanças da MP da Liberdade Econômica 23-08-2019 » Educação | MEC troca chefia de órgão que cuida do Enem pela 4ª vez e nomeia general 23-08-2019 » Laura Carvalho | Abaixo do piso, há a barbárie dita por Drauzio Varella 23-08-2019 » Sakamoto | Bolsonaro queima o filme do Brasil com o mundo 23-08-2019 » Menon | Rodrigo Caio colocou Guerrero no bolso 23-08-2019 » Schneider | Fundeb no fim: quanto vale a educação?
Publicidade
29 de janeiro de 2016

Petrobras reduz 30% dos cargos em diretorias e gerências

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (28) que vai adotar um novo modelo de gestão e governança. Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa informou que o modelo foi aprovado pelo Conselho de Administração. O presidente da estatal, Aldemir Bendine, que participa de entrevista para explicar as alterações, disse que o novo modelo faz parte de “um plano muito bem estruturado”, envolvendo mudanças na governança da companhia que “vão ser aprofundadas ao longo do tempo”. Segundo ele, a indicação política para cargos não faz mais parte do modelo da empresa. “É uma grande blindagem que se faz”, afirmou. Bendine defendeu que o novo modelo, para ter sucesso, precisa ter o engajamento de toda a empresa. “Vai ser um processo de construção coletiva”, acrescentou. Na primeira fase da reestruturação haverá redução de 14 funções na alta administração e nas diretorias, que passarão de sete para seis com a junção das áreas de Abastecimento e Gás e Energia.As funções gerenciais ligadas diretamente ao Conselho de Administração, ao presidente e aos diretores cairão de 54 para 41.As demais funções do corpo gerencial serão avaliadas na segunda etapa, prevista para fevereiro. Segundo a empresa, as nomeações e a alocação de equipes ocorrerão a partir de março. A nova Diretoria de Desenvolvimento da Produção & Tecnologia (DP&T) centralizará a execução dos projetos de investimento. “Essa nova estrutura concentrará a gestão e as competências técnicas de implantação de empreendimentos”, explicou a Petrobras. A empresa informou que a mudança é decorrente “da necessidade de alinhamento da organização à nova realidade do setor de óleo e gás e da prioridade da rentabilidade e disciplina de capital, além de fortalecer a governança da companhia por meio de maior controle e conformidade nos processos e da ampliação dos níveis de responsabilização dos executivos”. Com as alterações houve fusão de áreas e centralização de atividades. Haverá ainda novos critérios para a indicação de gerentes executivos e responsabilização formal de gestores por resultados e decisões. A Petrobras estima que vai economizar R$ 1,8 bilhão por ano com as mudanças e prevê uma redução de pelo menos 30% no número de funções gerenciais em áreas não operacionais. Conforme a companhia, existem cerca de 7,5 mil funções gerenciais aprovadas, 5,3 mil em áreas não operacionais. A empresa anunciou também que serão criados seis comitês técnicos estatutários, compostos por gerentes executivos. Após análise prévia, eles terão a função de emitir recomendações sobre os temas que serão deliberados pelos diretores, que serão corresponsáveis nos processos decisórios. A partir de agora, a escolha dos gerentes executivos, passará por novos critérios de análise de capacitação técnica e de gestão. As nomeações e o desligamento dessas funções terão que ser aprovadas pelo Conselho de Administração. “Ao reforçar o compromisso com a conformidade, nossa reestruturação prevê mudanças nos controles internos de contratação e investimentos. As atividades de contratação de bens e serviços serão concentradas na nova Diretoria de Recursos Humanos, SMS e Serviços”, indicou a Petrobras. A companhia informou ainda que as mudanças resultantes das alterações no Estatuto Social da Petrobras serão submetidas à aprovação da Assembleia Geral de Acionistas, a ser convocada oportunamente.


Tags:
VOLTAR