Petróleo barato já começa a prejudicar a economia global, diz Opep » Rede Acontece
Últimas
17-01-2019 » Inseparáveis | Por que você vai ouvir falar muito de Arielle, a coreógrafa da Anitta 17-01-2019 » Bem além da passarela | 5 lutas compradas por Gisele que a tornaram mais do que modelo 17-01-2019 » Discurso nos EUA; veja | Bolsonaro elogiado por Trump? No contexto, talvez não seja assim 17-01-2019 » Deputada e socialista | Por que Ocasio-Cortez é a mulher mais importante dos EUA? 17-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 17-01-2019 » Sexo sem tabu | 'Com 16 eu tinha cama de casal', diz youtuber Dora Figueiredo 17-01-2019 » Onda de violência no estado | Governador do CE pede a Moro reforço em segurança por reação de facções 17-01-2019 » Grito de carnaval da cidade | Shows do CarnaUOL serão em frente ao sambódromo de SP; veja atrações 17-01-2019 » Mercado financeiro | Bolsa sobe e fecha acima de 95 mil pontos pela 1ª vez; Taurus salta 14% 17-01-2019 » Brecha na segurança | Vazamento na web atinge 800 milhões de e-mails e senhas; veja se foi afetado 17-01-2019 » Educação | Economista que chamou docentes de manipuladores será coordenador do Enem 17-01-2019 » Reforma da previdência | Governo quer restringir acúmulo de pensão com aposentadoria 17-01-2019 » No Fórum de Davos, na Suíça | Guedes apresentará privatizações e Previdência como vitrines do Brasil 17-01-2019 » Senador eleito pelo PSL | MP do Rio usa Coaf como 'atalho' para burlar Justiça, diz Flávio Bolsonaro 17-01-2019 » Liminar parou investigação de Queiroz | Flávio Bolsonaro alega ter foro e pede anulação de provas do Coaf no STF 17-01-2019 » Normal ou cesariana? | Como disputas ideológicas no Brasil chegaram ao parto 17-01-2019 » UOL Líderes | País não sobreviverá sem reformas, diz vice da Microsoft América Latina 17-01-2019 » Celular, isqueiro, cabo USB... | Preso tenta voltar para a cadeia com 62 objetos no estômago em SC
Publicidade
11 de fevereiro de 2016

Petróleo barato já começa a prejudicar a economia global, diz Opep

Foto: Guanambi Acontece

Foto: Rede Acontece

Os preços atuais do petróleo, os mais baixos em mais de uma década, começam a prejudicar a economia global e não têm aumentado a demanda por gasolina e outros derivados no nível em que muitos esperavam, afirmou a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) nesta quarta-feira. A Opep cortou suas projeções para crescimento da demanda global por petróleo e também para a economia mundial. Segundo o grupo, os preços mais baixos da commodity não compensaram o apetite reduzido dos consumidores – e, ao mesmo tempo, prejudicam grandes países, como Rússia e Brasil. O anúncio, que aparece no relatório mensal sobre o petróleo da Opep, surge após os preços da commodity retomarem sua trajetória de queda. O movimento ocorre após os membros do grupo não chegarem a um acordo sobre um corte na produção. Os preços mais baixos do petróleo são em geral considerados positivos para os consumidores e para a economia global em geral. Mas agora “o efeito geral negativo do forte declínio dos preços do petróleo desde meados de 2014 tem superado os benefícios no curto prazo”, disse a Opep.A entidade, que fornece mais de um terço dos barris consumidos globalmente, reduziu sua previsão para o crescimento global em 2016, de 3,4% para 3,2%. Apesar de os preços do petróleo terem descido a níveis não vistos em mais de dez anos, a Opep também cortou sua projeção para crescimento na demanda em 10.000 barris ao dia para este ano. A demanda por petróleo deve subir 1,25 milhão de barris por dia neste ano, para 94,21 milhões de barris por dia, segundo a entidade. O grupo diz que há consumidores reduzindo os trajetos de carro e que há ainda o impacto da recente crise financeira. “Devido aos efeitos que se seguiram à ‘grande recessão’, o potencial de que a capacidade de gasto dos consumidores possa aumentar é limitada”, afirmou a Opep. Apesar do apetite menor pela commodity, a entidade continua a produzir em nível forte. O grupo disse que sua produção aumentou 131.000 barris por dia, para 32,33 milhões de barris por dia em janeiro. Nigéria, Iraque, Arábia Saudita e Irã puxaram a alta. A produção do grupo no mês passado sugere um superávit excesso de petróleo disponível no mercado global de 1,84 milhão de barris por dia no primeiro trimestre, de acordo com os números do relatório. (Estadão Conteúdo)


VOLTAR