Planalto simula proteção de Bolsonaro contra fuzil, pistola e faca » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 04-08-2020 » Após reabertura de templos | Covid-19 dá novo salto em igrejas e atinge bispos ligados ao padre Marcelo 04-08-2020 » Em março de 2019 | Justiça identifica donos de perfis que comemoraram a morte do neto de Lula 04-08-2020 » Prejuízo estimado de R$ 94 mi | PF apreende R$ 3,5 mi em casa de alvo de ação contra suposto desvio nos Correios 04-08-2020 » Após liminar de Fachin | STF forma maioria para manter proibições de ações policiais em favelas do Rio 04-08-2020 » Educação na pandemia | Municípios têm queda orçamentária e falta de dinheiro para volta às aulas 04-08-2020 » Mais um problema para lidar | 'Sim, engordei', diz Valesca. Famosas relatam pressão estética na quarentena 04-08-2020 » Sexo pós-covid | Pandemia antecipou o futuro do sexo, que vai ser ainda mais digital 04-08-2020 » Corinthians e Palmeiras | Oswaldo Brandão, o técnico que supera as rivalidades e se tornou ídolo em times de SP 04-08-2020 » Cura para a covid-19 | Sem supervisão de autoridades, grupo busca sua própria vacina nos EUA 04-08-2020 » Morreu asfixiada no Rio | Suspeito de matar cozinheira na casa dos patrões é preso no Rio de Janeiro 04-08-2020 » Saiu de moratória técnica | Em último dia de prazo, Argentina faz acordo com credores da dívida externa 04-08-2020 » Conexão VivaBem | Cris Guerra: 'Perdi mãe, pai, marido e aprendi que não controlamos a vida' 04-08-2020 » Engavetamento no PR matou 8 | Carreta envolvida em acidente viajava no limite de velocidade, diz empresa 04-08-2020 » Ecoa | Resistência do mangue na Maré simboliza a história da favela no Rio 04-08-2020 » TAB | Bateu tesão na quarentena? É hora de saciar novos desejos no digital 04-08-2020 » Folha de São Paulo | Mulher perde pai e tio com covid-19 em 3 dias no interior de SP 04-08-2020 » Carros | BMW M235i Gran Coupé: mais caro que Série 3, sedã de 306 cv empolga 04-08-2020 » Novo patrocínio | Jequiti conversa com SP para ter perfume de Pato, genro de Silvio 04-08-2020 » 'Errei feio' | Comentarista que fez ofensa racista contra Marinho é demitido 04-08-2020 » Veículos camuflados | Novo SUV de 7 lugares da Jeep e Compass turbo são flagrados
Publicidade
27 de setembro de 2019

Planalto simula proteção de Bolsonaro contra fuzil, pistola e faca

Foto: Marcelo Camargo

Em ação um tanto quanto incomum, o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Helano, convidou jornalistas para visitar o centro de treinamento dos agentes que fazem a proteção do presidente Jair Bolsonaro (PSL). No encontro, os presentes receberam informações de como os seguranças do mandatário reagem a situações de perigo. “A nossa intenção é mostrar como funciona a segurança do presidente, do vice-presidente e dos familiares, para que [as pessoas] tenham uma noção do grau de preparo que isso exige. Da seleção que tem que ser feita daqueles que participam dessa atividade”, afirmou Heleno, ao final da manhã de simulações. Depois da apresentação do ministro, que ocorreu no auditório do GSI, nos anexos do Palácio do Planalto, os repórteres seguiram para acompanhar uma demonstração de manobras de fuga do comboio presidencial em simuladores. Os jornalistas seguiram ainda para uma região afastada do centro de Brasília, onde conheceram os estandes de tiro onde os agentes fazem cursos de aprimoramento. Foram realizadas demonstrações de engajamento contra possíveis ameaças com pistolas e fuzis. De acordo com os instrutores, os agentes que fazem a segurança do presidente são treinados para sacar suas pistolas e disparar contra ameaças que estejam armadas em menos de três segundos. Depois, houve uma apresentação sobre como os agentes de segurança são treinados para reagir em caso de ataque com faca ou arma de fogo. De acordo com o ministro do GSI, o corpo de agentes que fazem a segurança do presidente é formada por integrantes das forças armadas e de órgãos como Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Militar e bombeiros. “Nós temos consciência plena que não existe segurança 100%”, disse o ministro. “É lógico que existe um pequeníssimo grau de risco que pode envolver uma situação desagradável”, concluiu.


VOLTAR