Pressionado pelo PT, ministro da Justiça decide deixar o governo » Rede Acontece
Últimas
18-11-2018 » Submarino achado após 1 ano | "Quero que tragam meu filho para mim", diz pai de tripulante 18-11-2018 » Programa fica sem cubanos | O prejuízo bilionário da saída do Mais Médicos para Cuba 18-11-2018 » Sorteio deste sábado | Mega-Sena acumula pela 7ª vez, em R$ 43 milhões 18-11-2018 » Campanha à Presidência | Haddad declara gasto 15 vezes maior que Bolsonaro 18-11-2018 » Chico Barney | Opinião: Fãs precisam amadurecer e aceitar erros de Silvio Santos 18-11-2018 » Liga das Nações | Portugal segura empate, avança de fase e elimina Itália 18-11-2018 » Custa até R$ 4.000 | Salão traz som premium também para carros de entrada 18-11-2018 » Mais Brasileirão | Atlético-PR bate Vitória, ganha 1ª fora de casa e amplia crise do rival 18-11-2018 » Mauricio Stycer | Opinião: Posto de apresentador não pode ser cargo vitalício 18-11-2018 » Brasileirão | Corinthians vence e fica mais distante da zona de rebaixamento; veja o gol 18-11-2018 » Mistura caminhão, trator e picape | Bigfoot de UOL Carros é a "maior" atração do Salão de SP; veja por quê 18-11-2018 » 611 cidades com médico só de Cuba | Famílias que dependem de cubanos temem a rotina de 'órfãos da saúde' 18-11-2018 » Criticado dentro e fora do Itamaraty | Futuro chanceler diz que "ninguém quer substituir uma ideologia por outra" 18-11-2018 » Ela tinha 18 anos | Líder do Comando Vermelho é suspeito de matar mulher em prisão no Paraguai 18-11-2018 » Emissora vai recorrer | Justiça proibe Globo de noticiar inquérito sobre assassinato de Marielle Franco 18-11-2018 » Partido do presidente eleito | Bivar retoma presidência do PSL; filhos de Bolsonaro assumem cargos 18-11-2018 » Sem jornada fixa de trabalho | 1/3 das profissões já registram contratos intermitentes
Publicidade
29 de fevereiro de 2016

Pressionado pelo PT, ministro da Justiça decide deixar o governo

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, decidiu deixar o governo. Pressionado pelo PT após rumores de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seria alvo de quebras de sigilos bancário, telefônico e fiscal no âmbito da Operação Lava Jato, Cardozo se sente injustiçado e revelou a interlocutores a decisão de entregar o cargo. No sábado, 27, Lula se queixou de estar sendo perseguido pela Polícia Federal e pelo Ministério Público ao participar da festa de 36 anos do PT. “Eu já fui prestar vários depoimentos. Recebi uma intimação de que, a partir de segunda-feira, vão quebrar meu sigilo bancário, telefônico, fiscal. O meu, da Marisa, do meu neto, se precisar até da minha netinha de um mês”, disse o ex-presidente, sob aplausos. “Se esse for o preço que a gente tem que pagar para provar nossa inocência, que façam. A única coisa que quero é que, depois (…), me deem um atestado de idoneidade porque duvido que tenha alguém mais honesto que eu neste País.” A amigos com quem conversou neste domingo, Cardozo não escondeu o seu aborrecimento com os ataques e afirmou que o PT não entende o seu papel quando critica a falta de controle sobre a Polícia Federal. O ministro argumenta que a corporação tem autonomia para fazer investigações e ele só pode atuar em caso de violação de direitos. No último dia 22, uma comissão de dez deputados federais do PT esteve no gabinete de Cardozo para fazer nova reclamação. Os parlamentares cobraram dele providências sobre as investigações relativas a Lula e pediram que a Polícia Federal centrasse fogo na apuração de denúncias contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.


VOLTAR