Primeiro debate presidencial tem poucos ataques e tom morno » Rede Acontece
Últimas
18-01-2019 » Caso Daniel | Âncora acusado de fake news por família Brittes é chamado a depor 18-01-2019 » Questão de higiene | Tem problema ter lixo na pia ou aumenta risco de bactérias? 18-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 18-01-2019 » Defensora dos animais | Luisa Mell: 'Pode ter mulher agredida onde tem bicho apanhando' 18-01-2019 » Acordo com pai dela | Felipe Neto pagará 'acompanhamento psicológico' a Melody 18-01-2019 » Exclusivo | Funcionária que disparou WhatsApp para Bolsonaro ganha cargo no Planalto 18-01-2019 » Investigação contra Queiroz | Ministro do STF afirma que pedido de Flávio foi 'confissão de culpa' 18-01-2019 » Ex-ministro de Temer | Bolsonaro escolhe general Silva e Luna para ser o diretor-geral de Itaipu 18-01-2019 » Medidas econômicas | Auxílio-reclusão e pensão por morte vão passar por pente-fino; entenda 18-01-2019 » Educação | Governo suspende nomeação de diretor para coordenar Enem 18-01-2019 » Relações com o país vizinho | Bolsonaro cita PT e diz que Brasil tem culpa em crise na Venezuela 18-01-2019 » Atacante do Santos | Fla encaminha acerto com Bruno Henrique por R$ 23 milhões 18-01-2019 » Copa São Paulo | SP bate Cruzeiro nos pênaltis e pega Guarani na semifinal 18-01-2019 » Ex-comandante do Exército | Símbolo de superação, Villas Bôas traz voz moderada ao Planalto 18-01-2019 » Para descobrir o que têm | Pessoas com doenças misteriosas buscam 'detetives' nos EUA 18-01-2019 » Salão de Detroit | Nissan revela que futuro Versa será 'surpreendente como o Kicks'
Publicidade
10 de agosto de 2018

Primeiro debate presidencial tem poucos ataques e tom morno

Foto: Reprodução

O primeiro debate com os candidatos à Presidência da República foi de poucos ataques. Realizado pela Band, o evento aconteceu ontem (9). Presidenciáveis como Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) não foram confrontados em seus pontos fracos, como o escândalo da Dersa, no caso do ex-governador de São Paulo, ou o temperamento explosivo do ex-gestor do Ceará.

O principal embate foi protagonizado pelo candidato do PSOL, Guilherme Boulos, contra Jair Bolsonaro (PSL). O socialista questionou o militar sobre a funcionária de seu gabinete Walderice Santos da Conceição, que, segundo ele, trabalha em um comércio de açaí em Angra dos Reis, onde o deputado federal tem uma casa.

Ao ser questionado por Boulos se ele não tinha vergonha de manter uma “funcionária fantasma” e de ter auxílio moradia da Câmara mesmo tendo imóvel em Brasília, Bolsonaro respondeu que teria vergonha se “tivesse invadido as casas dos outros”, em uma provocação ao líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

O socialista também se utilizou da “marca” de ser o representante da vereadora Marielle Franco, assassinada em um crime não elucidado no Rio de Janeiro, e fez o trocadilho de que os adversários seriam parte dos “50 tons de Temer”, em referência à participação no atual governo federal. Já Alvaro Dias (Podemos), ex-chefe do Executivo do Paraná, tentou vincular a imagem ao juiz Sérgio Moro, o qual prometeu nomear como ministro da Justiça, se for eleito.


VOLTAR