Professor brasileiro é um dos que mais sofrem intimidação » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 12-07-2020 » Coronavírus pelo país | Brasil registra média diária de 1.018 mortes por covid-19 nesta semana 12-07-2020 » UFC | Amanda Ribas dá show e vence Paige no 1º round; Bate-Estaca perde revanche 12-07-2020 » Meio Ambiente | Para empresários, governo mudou discurso sobre desmatamento 12-07-2020 » Ao meio-dia deste domingo | Ao vivo no UOL, Zeca Camargo faz hambúrguer e recebe Mariana Godoy 12-07-2020 » Ciência na pandemia | Maior acelerador de partículas do Brasil revela detalhes do coronavírus 12-07-2020 » Atriz de 'Glee' | Polícia mostra vídeo feito dentro de lago onde Naya Rivera desapareceu 12-07-2020 » Pandemia de coronavírus | Sábado com quarentena frouxa tem bares cheios em SP e praia agitada no Rio 12-07-2020 » Fórmula 1 na pandemia | Com Ferrari a caminho de vexame, o que esperar do GP da Estíria neste domingo 12-07-2020 » Cassia Moraes - Opinião | Visionário e aberto, Sirkis lutou por mundo sustentável até o seu último dia 12-07-2020 » Histórias da pandemia | 'Perdi minha avó para a covid-19. No dia seguinte, perdi meu pai também' 12-07-2020 » Ecoa | Série revela beleza da costa atlântica brasileira; veja imagens exclusivas 12-07-2020 » Tilt | Igual ou diferente? A ilusão de ótica que levou mais de 100 anos para ser explicada 12-07-2020 » Folha de São Paulo | SP mantém remoções e vê nascer favela de desabrigados da quarentena 12-07-2020 » Jornalista britânico Paul Mason | 'Alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo' 12-07-2020 » Caso na França | Morre motorista agredido por pedir uso da máscara 12-07-2020 » US$ 6,07 bilhões | Elon Musk supera Buffett e se torna 7ª pessoa mais rica 12-07-2020 » Tony Marlon - Opinião | Existe uma imprensa negra? História pouco contada por ela mesmo 12-07-2020 » Julián Fuks - Opinião | Reféns do presente: por que nos submetemos tanto ao tema da vez? 12-07-2020 » Em sábado de sol | Gabigol e Renato Gaúcho são flagrados sem máscara no Rio 12-07-2020 » Litoral de São Paulo | Polícia prende suspeito de matar jovem que fazia trilha em Maresias
Publicidade
21 de junho de 2019

Professor brasileiro é um dos que mais sofrem intimidação

Foto: Reprodução

Os professores brasileiros são alvo de mais intimidações e lidam em proporção maior com o bullying entre os alunos do que a média internacional, além de perderem mais tempo com atividades não relacionadas ao ensino. É o que mostra a Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, na sigla em inglês), feita pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com 250 mil professores e diretores de escolas de 48 países ou regiões. Em média, professores no Brasil usam só 67% do tempo em atividades ligadas ao aprendizado. O restante é dedicado a tarefas administrativas, como a lista de presença, ou para manter a ordem na classe. A relação entre alunos e deles com professores também preocupa. No Brasil, 28% dos diretores dizem ter testemunhado intimidação ou bullying entre estudantes – o dobro da média da OCDE. Semanalmente, 10% das escolas do País têm casos de intimidação, física ou verbal, contra educadores, com “potenciais consequências para o bem-estar, estresse e permanência na profissão”, diz a pesquisa. A média internacional é de 3%. Quando os ataques miram funcionários da escola, o Brasil é o segundo – atrás só do norte da Bélgica. Ilustra essa estatística o caso de dez alunos que atiraram cadeiras e livros contra uma professora em uma escola estadual de Carapicuíba, Grande São Paulo, em maio. O vídeo da agressão se espalhou nas redes sociais e nove envolvidos no caso chegaram a ser detidos. A professora Maria Carlota Galvão, que dá aulas de Artes em uma rede municipal no litoral do Rio, diz ver o contexto de violência influenciar na escola cotidianamente. “Os conflitos da escola vêm sempre um pouco de fora porque a sociedade está toda desmoronando ao redor, mas precisamos ensiná-los a conviver com todos esses relacionamentos que têm na família e entre si”, diz ela, de 48 anos. Relatos de intimidação não são incomuns, até fora do contexto escolar. “Nas redes sociais, alguns alunos esquecem de que aquilo é um ambiente público e ofendem (com mensagens contra o professor)”, conta a também professora Lidiane Christovam, de 41 anos, que deu aulas de Matemática por mais de uma década em colégios particulares da capital paulista e leciona em universidade há cerca de dois anos. Já a pesquisadora Luciana Lapa, do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral, ligado à Universidade Estadual Paulista (Unesp) e à Estadual de Campinas (Unicamp), diz que a mediação de conflitos e de casos de bullying nas escolas geralmente falha ao tratar o comportamento dos alunos. “Fica esquecida a parte da reflexão, que é muito mais trabalhosa do que o castigo, a suspensão. Você pune e não forma”, afirma a especialista. “É preciso uma intervenção não apenas punitiva, mas que promova

O relatório da OCDE destaca também o efeito cumulativo do desperdício de tempo no aprendizado – poucos minutos durante as aulas representam dias perdidos no fim do ano. O Brasil é o terceiro país com o pior aproveitamento de tempo em classe, atrás apenas da África do Sul e da Arábia Saudita. Na média, nos países que integram a OCDE, os professores aproveitam 78% da aula com as atividades de ensino.

Especialistas dizem que o desempenho do País está relacionado à falta de preparo dos professores – o que envolve desde inexperiência em sala de aula até profissionais alocados em disciplinas fora de sua área de formação. E há a falta de compreensão das demandas de alunos, cada vez mais estimulados pela tecnologia.

A professora Lidiane Christovam vê sobrecarga nas responsabilidades de docentes. Diz que o tempo dedicado ao planejamento das aulas foi tomado por demandas como o relacionamento constante com a escola e os pais, o uso das plataformas digitais do colégio e a capacitação constante. Ao mesmo tempo, acha que atividades no contraturno muitas vezes tiram o tempo que os alunos têm para socializar – por isso, usam o tempo da aula para isso.

“De maneira geral, o professor, hoje, tem demanda maior para fornecer material (didático) para portais escolares e, grosso modo, ele ampara o aluno muito mais do que na minha época de estudante”, opina ela.

Ao comentar os dados, o Ministério da Educação (MEC) disse que a pesquisa ajuda o governo federal e as secretarias locais a abordarem a realidade do ensino e da aprendizagem de forma mais assertiva.


VOLTAR