PT cogita Dilma como ‘plano B’ em Minas Gerais » Rede Acontece
Últimas
20-04-2019 » Octa italiano | CR7 celebra título e diz que fica na Juventus: '1000% de certeza' 20-04-2019 » Decide Paulista contra o SP | Corinthians confirma desfalque de Junior Urso para final 20-04-2019 » Análise de especialistas | Inquérito de Toffoli deixa fraturas na relação do STF com os outros poderes 20-04-2019 » Funk de luto | MC Sapão é enterrado com presença de amigos, família e fãs 20-04-2019 » Um estranho no ninho | Senador sem partido há 3 anos relata 'desdém' de colegas 20-04-2019 » Revisão de vídeo é criticada | Árbitros admitem demora com VAR e pedem 'isolamento' de jogadores 20-04-2019 » Em teste no Brasil | Entenda o voucher, nova forma de pagamento do Uber 20-04-2019 » Em entrada de banco | Santos dá nova bicicleta para Sampaoli após outra ser furtada 20-04-2019 » Caso de 2018 | Justiça dos EUA manda prender lutador Ralph Gracie por agressão 20-04-2019 » No Arpoador | Turista tem celular roubado enquanto fazia selfie no Rio; veja 20-04-2019 » Tragédia em Brumadinho (MG) | Polícia tira 5 nomes e lista de desaparecidos cai a 41 20-04-2019 » Ameaçam parar dia 29 | 'Governo molha lenha seca na gasolina e joga na fogueira', diz líder de caminhoneiros 20-04-2019 » Atualizou rotas afetadas | Em crise, Avianca cancela mais de 1.300 voos até o dia 28 20-04-2019 » Nova Previdência tramita no Congresso | Pela reforma, governo prepara compensação previdenciária a estados 20-04-2019 » Histórias engraçadas e emocionantes | 'Já fui parar no hospital por causa da Xuxa', o relato de uma repórter 20-04-2019 » Alimentação saudável | Brócolis tem proteína? Conheça o top 10 dos legumes e verduras 20-04-2019 » UOL Confere | É falsa mensagem nas redes que diz que Moro pediu o fim do IPVA
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
21 de junho de 2018

PT cogita Dilma como ‘plano B’ em Minas Gerais

Foto Rede Acontece

Líderes do PT mineiro admitem a possibilidade de o governador Fernando Pimentel, pré-candidato à reeleição, ser substituído pela presidente cassada Dilma Rousseff na disputa ao governo do Estado. A proposta é tratada nos bastidores do partido, que já fez sondagens com membros de legendas aliadas, mas sofre resistência da ex-presidente. Por ora, Dilma rejeita a ideia de assumir a candidatura a governador. Ela é pré-candidata ao Senado. No dia 28, Dilma terá uma reunião com as bancadas estadual e federal do PT-MG.

Será a primeira grande reunião dela com o partido para falar sobre as eleições 2018. A expectativa de líderes do PT mineiro é de que o tema entre na pauta. “Nosso candidato ao governo é o Pimentel, com Dilma sendo nossa pré-candidata ao Senado, por enquanto. Vamos debatendo. O processo eleitoral é dinâmico”, disse o deputado petista Reginaldo Lopes (MG) ao Estado. Segundo o parlamentar, esse debate interno “ainda” não começou, mas a decisão final será de Pimentel. A ex-presidente mudou seu domicílio eleitoral do Rio Grande do Sul para Minas Gerais no limite do prazo legal a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dilma soube das articulações por meio da imprensa. Em suas redes sociais, ela rechaçou qualquer possibilidade de assumir o lugar de Pimentel, seu amigo pessoal desde a adolescência, na disputa estadual. Sem saber que a possibilidade é cogitada por seus próprios companheiros de partido, Dilma classificou a articulação de “fake news” e atribuiu os boatos aos adversários. “Não há hipótese de eu ser candidata ao governo de Minas. É a própria fake news dos interessados em evitar uma nova derrota nas urnas, como em 2014”, escreveu a presidente cassada. Em caráter reservado, integrantes da direção do PT mineiro disseram temer que o desgaste de Pimentel leve a sigla ao isolamento em Minas Gerais.

A avaliação é de que Dilma seria uma “tábua se salvação” para o partido, já que ela estaria bem colocada nas pesquisas feitas para consumo interno. Pimentel enfrenta desgaste tanto pelas acusações a que responde na Justiça quanto pelo desempenho do governo. Ele é réu em ação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por suposto caixa 2 na campanha de 2014. Nos últimos meses, virou alvo de setores importantes do funcionalismo, como os professores, por causa de atrasos no pagamento de salários.


VOLTAR