PT cogita Dilma como ‘plano B’ em Minas Gerais » Rede Acontece
Últimas
22-09-2018 » Aéreas facilitam stopover | Saiba como viajar mais sem perder muito tempo no aeroporto 22-09-2018 » Candidata à Câmara | PM que matou ladrão diz: quem é de bem não mata a rodo 22-09-2018 » Atividade física | Após 40, foque na musculação e nos exercícios funcionais 22-09-2018 » Avaliação | Novo VW Jetta fica mais "tiozão" para enfrentar Corolla 22-09-2018 » Por carreira | Mais brasileiras congelam óvulo para adiar maternidade 22-09-2018 » Segundo estudo | Não existe nível seguro de consumo de álcool 22-09-2018 » Carlos Fernando dos Santos | Para procurador, Lava Jato teve mais apoio enquanto o PT era o principal alvo 22-09-2018 » Presidenciável pelo PSL | Na 1ª entrevista após o atentado, Jair Bolsonaro defende Paulo Guedes 22-09-2018 » Quadro inverso ao de 2014 | Recursos públicos bancam 82% das campanhas eleitorais 22-09-2018 » Ibope | Sartori lidera com 31% para o governo do RS; Leite, em 2º, tem 26% 22-09-2018 » Corrida presidencial | Alckmin elogia a carta de FHC, mas diz que não seguirá sugestão 22-09-2018 » Checagem de informações | Jean Wyllys não tem convite para ser ministro de Haddad 22-09-2018 » Mais eleições | Democracia deve ser protegida em qualquer resultado, diz Barroso 21-09-2018 » Em Campinas (SP) | Acelerador de partícula terá R$ 70 milhões para '1ª volta' de elétrons 21-09-2018 » Antes da fama | Youtubers de finanças pessoais contam como já perderam dinheiro 21-09-2018 » Dúvida de muitos | 11 razões que explicam por que urna eletrônica não mudará seu voto 21-09-2018 » Cultura pop abraçou | Tesla caiu nas graças de rappers e isso é bom para os carros elétricos 21-09-2018 » Presidente do Real | 'Ninguém deu mais de 100 milhões de euros por CR7', diz Florentino 21-09-2018 » Rechaço a ação de neopentecostais | Contra apoio a Bolsonaro, evangélicos lançam carta defendendo Estado laico 21-09-2018 » Cortado do Itamaraty por agressão | Ele não parará enquanto não matar alguém, diz ex de diplomata demitido
Publicidade
21 de junho de 2018

PT cogita Dilma como ‘plano B’ em Minas Gerais

Foto Rede Acontece

Líderes do PT mineiro admitem a possibilidade de o governador Fernando Pimentel, pré-candidato à reeleição, ser substituído pela presidente cassada Dilma Rousseff na disputa ao governo do Estado. A proposta é tratada nos bastidores do partido, que já fez sondagens com membros de legendas aliadas, mas sofre resistência da ex-presidente. Por ora, Dilma rejeita a ideia de assumir a candidatura a governador. Ela é pré-candidata ao Senado. No dia 28, Dilma terá uma reunião com as bancadas estadual e federal do PT-MG.

Será a primeira grande reunião dela com o partido para falar sobre as eleições 2018. A expectativa de líderes do PT mineiro é de que o tema entre na pauta. “Nosso candidato ao governo é o Pimentel, com Dilma sendo nossa pré-candidata ao Senado, por enquanto. Vamos debatendo. O processo eleitoral é dinâmico”, disse o deputado petista Reginaldo Lopes (MG) ao Estado. Segundo o parlamentar, esse debate interno “ainda” não começou, mas a decisão final será de Pimentel. A ex-presidente mudou seu domicílio eleitoral do Rio Grande do Sul para Minas Gerais no limite do prazo legal a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dilma soube das articulações por meio da imprensa. Em suas redes sociais, ela rechaçou qualquer possibilidade de assumir o lugar de Pimentel, seu amigo pessoal desde a adolescência, na disputa estadual. Sem saber que a possibilidade é cogitada por seus próprios companheiros de partido, Dilma classificou a articulação de “fake news” e atribuiu os boatos aos adversários. “Não há hipótese de eu ser candidata ao governo de Minas. É a própria fake news dos interessados em evitar uma nova derrota nas urnas, como em 2014”, escreveu a presidente cassada. Em caráter reservado, integrantes da direção do PT mineiro disseram temer que o desgaste de Pimentel leve a sigla ao isolamento em Minas Gerais.

A avaliação é de que Dilma seria uma “tábua se salvação” para o partido, já que ela estaria bem colocada nas pesquisas feitas para consumo interno. Pimentel enfrenta desgaste tanto pelas acusações a que responde na Justiça quanto pelo desempenho do governo. Ele é réu em ação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por suposto caixa 2 na campanha de 2014. Nos últimos meses, virou alvo de setores importantes do funcionalismo, como os professores, por causa de atrasos no pagamento de salários.


VOLTAR