Quase 40 milhões ficarão sem segurança na internet em 1º de janeiro » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Não quer gastar o 3G? | Veja como economizar dados móveis ao ver vídeos no YouTube 23-10-2018 » Equipe ficou exausta | Cena sem cortes de Demolidor precisou de 12 horas e sete takes 23-10-2018 » Design sedutor | Renault Mégane RS é o hot hatch que todos sonham no Brasil 23-10-2018 » Mutações | Se genoma é o mesmo, por que resultado de teste genético muda? 23-10-2018 » Meia do Palmeiras | Neymar pai tentou levar L. Lima ao Barça, mas saída de filho impediu 23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro: 'Somos a garantia da liberdade e da democracia' 23-10-2018 » Candidato do PT | Falas radicais do clã Bolsonaro dão tração a articulação pró-Haddad 23-10-2018 » 'Não tenho alternativa' | Torturado por Ustra, vereador do PV rejeita PT e defende voto nulo 23-10-2018 » Fim da campanha | Bolsonaro desiste de ir, e Globo cancela debate de 6ª 23-10-2018 » Falta 1 mês para liquidação | Confira seis dicas dos especialistas para se dar bem na Black Friday 23-10-2018 » Entrevista com Monica de Carvalho | Diretora do Google é quem faz surgir produto que você pesquisou antes 23-10-2018 » Bolsonaro falou em 'banir vermelhos' | Estudiosos de genocídios fazem alerta a discurso de 'eliminar adversário' 23-10-2018 » Disputa governo do Rio | Há um mito de que juiz não pode ser político, diz Wilson Witzel 23-10-2018 » Hoje, às 18h10 | UOL, Folha e SBT promovem debates em São Paulo e Rio 23-10-2018 » Juiz de primeira instância | Sinalização de que Bolsonaro pode indicar Moro ao STF desagrada cortes 23-10-2018 » Forças no Congresso | Apoio a Maia para presidir a Câmara ganha força no PSL 23-10-2018 » O que prometem os candidatos | Veja quais são as propostas de Bolsonaro e Haddad para a economia
Publicidade
16 de dezembro de 2015

Quase 40 milhões ficarão sem segurança na internet em 1º de janeiro

Foto: Rede Acontece

Foto: Rede Acontece

Diversos países, assim como no Brasil, algumas pessoas ficarão parcialmente desprotegidos ao navegar na internet na virada do ano. Ao todo, serão quase 40 milhões de usuários deixados para trás com a atualização dos protocolos de segurança da web. Hoje, ao usar o Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge, um ícone de um cadeado e a sigla HTTPS surgem no início da maioria dos endereços eletrônicos disponíveis na web. Isso indica que a página que você está tentando acessar é devidamente criptografada e segura – como o Facebook e o Gmail. Segundo o site ‘Olhar Digital’, haverá uma mudança no certificado de segurança e a partir de 1 de janeiro de 2016, navegadores ou sistemas operacionais mais antigos não possuem suporte para o novo padrão, e, por isso, não serão capazes de validar a autenticidade de páginas como a do Facebook e outras áreas criptografadas da internet. Na prática, celulares lançados há mais de 5 anos, por exemplo, não terão mais a mesma segurança para navegar na web.Na China, por exemplo, cerca de 6% dos internautas serão afetados pela mudança, que atinge principalmente mercados emergentes. Ainda segundo a publicação, a CloudFlare e o próprio Facebook já se mobilizam para evitar que 40 milhões de pessoas sejam prejudicadas na virada do ano. Se você usa uma versão do Google Chrome superior à 39; Mozilla Firefox 37 ou mais novo; ou Microsoft Edge, navegador padrão do Windows 10; não há com o que se preocupar. Esses browsers já possuem suporte ao padrão SHA-2. Mas se estiver em um Android 2.2, ou mesmo no Windows XP, seus dias de segurança na web estão contados. Pelo menos enquanto uma solução definitiva não for encontrada, informou o site.


VOLTAR
16 de dezembro de 2015

Quase 40 milhões ficarão sem segurança na internet em 1º de janeiro

FOTO BRUMADO ACONTECE

FOTO BRUMADO ACONTECE

Diversos países, assim como no Brasil, algumas pessoas ficarão parcialmente desprotegidos ao navegar na internet na virada do ano. Ao todo, serão quase 40 milhões de usuários deixados para trás com a atualização dos protocolos de segurança da web. Hoje, ao usar o Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge, um ícone de um cadeado e a sigla HTTPS surgem no início da maioria dos endereços eletrônicos disponíveis na web. Isso indica que a página que você está tentando acessar é devidamente criptografada e segura – como o Facebook e o Gmail. Segundo o site ‘Olhar Digital’, haverá uma mudança no certidicafo de segurança e a partir de 1 de janeiro de 2016, navegadores ou sistemas operacionais mais antigos não possuem suporte para o novo padrão, e, por isso, não serão capazes de validar a autenticidade de páginas como a do Facebook e outras áreas criptografadas da internet. Na prática, celulares lançados há mais de 5 anos, por exemplo, não terão mais a mesma segurança para navegar na web. Na China, por exemplo, cerca de 6% dos internautas serão afetados pela mudança, que atinge principalmente mercados emergentes. Ainda segundo a publicação, a CloudFlare e o próprio Facebook já se mobilizam para evitar que 40 milhões de pessoas sejam prejudicadas na virada do ano. Se você usa uma versão do Google Chrome superior à 39; Mozilla Firefox 37 ou mais novo; ou Microsoft Edge, navegador padrão do Windows 10; não há com o que se preocupar. Esses browsers já possuem suporte ao padrão SHA-2. Mas se estiver em um Android 2.2, ou mesmo no Windows XP, seus dias de segurança na web estão contados. Pelo menos enquanto uma solução definitiva não for encontrada, informou o site.


VOLTAR