Quem concorre com base em liminar está sujeito a ‘chuvas e trovoadas’, diz Fux » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro promete R$ 10 bi à ciência e quer astronauta ministro 23-10-2018 » Após fala de Eduardo | Em carta a Celso de Mello, Bolsonaro diz prestigiar STF 23-10-2018 » Candidato do PT | Duas semanas após 1º turno, Marina Silva declara 'voto crítico' em Haddad 23-10-2018 » Marcado para 24 de outubro | TRF-4 nega pedido de Vaccari para adiar julgamento de Palocci 23-10-2018 » 'Marginais vermelhos' | PT anuncia ações contra Bolsonaro por apologia ao crime após discurso 23-10-2018 » Campeonato Brasileiro | Santos marca no fim e empata com Inter por 2 a 2; assista aos gols 23-10-2018 » Ministério do Trabalho | 2017: Salário médio das mulheres cresce mais que de homens 23-10-2018 » Não é só Remy | Relembre mortos que 'ressuscitaram' do autor de Segundo Sol 23-10-2018 » SUVs | Jeep Renegade mudado e novos rivais: como fica o mercado 23-10-2018 » Personalidade forte | Sassá, F. Melo: futebol evolui, mas jogadores indomáveis resistem 23-10-2018 » Papo com o técnico | Renato Gaúcho: Grêmio pode encarar o Real de igual para igual 23-10-2018 » Desfila na SPFW | 'Tento me posicionar de uma forma mais sutil', diz Camila Queiroz 22-10-2018 » Submundo do marketing político | Como opera o mercado ilegal de santinhos virtuais via WhatsApp 22-10-2018 » Mais votado no 1º turno no AM | Wilson Lima tem respaldo de grupo de comunicação e apoia Bolsonaro 22-10-2018 » Opositor do regime morto na Turquia | As versões dadas pela Arábia Saudita até admitir assassinato de jornalista
Publicidade
14 de agosto de 2018

Quem concorre com base em liminar está sujeito a ‘chuvas e trovoadas’, diz Fux

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, disse nesta segunda-feira (13), durante um seminário, que quem concorrer nas próximas eleições graças a uma liminar estará sujeito a “chuvas e trovoadas”. Fux não mencionou nomes em sua fala, mas o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado e preso na Lava Jato, traça uma ofensiva jurídica para obter uma liminar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou no Supremo Tribunal Federal (STF) que afaste a sua inelegibilidade. “Quem concorre com base numa liminar, concorre sujeito a chuvas e trovoadas. Se vier a ganhar, e se for preciso realizar eleições suplementares, ele é responsável, porque provocou um gasto extra para a Justiça Eleitoral”, disse Fux, que deixa a presidência do TSE nesta terça-feira (14). No fim do mês passado, o ministro afirmou que “um político enquadrado na Lei da Ficha Limpa não pode forçar uma situação, se registrando, para se tornar um candidato sub judice”. Mais cedo, o ministro anunciou em uma sessão extraordinária do TSE um termo de cooperação com a Advocacia-Geral da União (AGU) voltado para cobrar daqueles que tiveram as candidaturas cassadas as despesas com a realização de novas eleições, as chamadas eleições suplementares. O acordo vale por cinco anos e pode ser prorrogado. Pelo acordo, o TSE informará à AGU quando forem realizadas eleições suplementares, repassando detalhes sobre os custos com o novo pleito. A AGU, por sua vez, ficará responsável por entrar com ações de ressarcimento na Justiça sempre que o político eleito no pleito original acabar cassado por ilícitos eleitorais, provocando, assim, a necessidade de uma nova campanha. “Assinamos com a AGU termo no sentido de que as verbas que foram deslocadas pelo TSE para realização de eleições suplementares deverão ser ressarcidas porque o próprio TSE entendeu que quem concorrer a qualquer tipo de cargo com base em liminar fica sujeito, como diria (o jurista) Barbosa Moreira, a chuvas e trovoadas, porque o movimento é efêmero, precário”, disse Fux durante a sessão plenária do TSE à tarde.


VOLTAR