Retração do PIB em 2016 segue 2,99%, calcula relatório Focus » Rede Acontece
Últimas
21-09-2018 » Maior doador é da Cosan | Empresas de 4 dos 5 maiores doadores eleitorais devem R$ 17 milhões à União 21-09-2018 » Presidenciável pela Rede | Marina destacará força da mulher para reconquistar eleitoras 21-09-2018 » Debate na TV Aparecida | Haddad exalta Lula e vira alvo de Alckmin, Ciro, Dias e Meirelles 21-09-2018 » Palmeiras vence Colo-Colo | Após mês de treinos fechados, Felipão muda jogo 21-09-2018 » Candidato pelo PSL | Bolsonaro diz nunca ter cogitado volta da CPMF: "Votei pela revogação" 21-09-2018 » Não é mais só trabalho | Neta e saúde deixaram Muricy mais light. Até os amigos estranham 21-09-2018 » Bastidores do Mundial | Nike proibiu Neymar de rasgar meião durante a Copa do Mundo 21-09-2018 » Festival de música | Por que você não vai ver nomes do feminejo no VillaMix em SP 21-09-2018 » Sem data para o Brasil | EUA já vendem novos iPhones; como comprar sem ser taxado? 21-09-2018 » Nova série da Netflix | Com Emma Stone e Jonah Hill, Maniac retrata solidão moderna 21-09-2018 » De TPM ao clima | 6 fatores do dia a dia que podem levar a crises de asma 21-09-2018 » Veganos adoram | Ágar-ágar ajuda a emagrecer? Saiba mais deste alimento 21-09-2018 » #ficaadica | Aprenda a adicionar paradas no caminho no Google Maps 21-09-2018 » Juntos há 4 anos | "Somos apaixonados, mas não transamos há 3 anos", relata casal 21-09-2018 » Números de 2018 | Voos internacionais crescem 14% no Brasil; EUA lideram 21-09-2018 » A melhor avaliada de todos | Ela é motorista nº 1 da Uber no Rio: 'Tapa na cara dos machistas' 21-09-2018 » Violência no Rio de Janeiro | Morte por policial em área de UPP já se iguala a taxa de homicídio comum 21-09-2018 » Até 28 de setembro | Você pode ter dinheiro no fundo PIS/Pasep; resta uma semana para sacar 21-09-2018 » Papo sobre amor, violência e Anitta | "Ser sexy foi carma e uma opção minha", diz Rita Cadillac 21-09-2018 » Quarto confronto entre presidenciáveis | Ingratidão, inveja, caos e Posto Ipiranga; veja frases do debate
Publicidade
18 de janeiro de 2016

Retração do PIB em 2016 segue 2,99%, calcula relatório Focus

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

As projeções do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguem no terreno negativo, mas as estimativas de 2017 mostram alguma expectativa de recuperação, ainda que não seja tão forte. A mediana das estimativas no Relatório de Mercado Focus, divulgado na manhã desta segunda-feira, 18, pelo Banco Central (BC), permaneceu em -2,99% para 2016, como já apontava no levantamento anterior – há quatro semanas, a aposta era de queda menor, de 2,80%. Pouco mais de um ano atrás, na primeira pesquisa Focus de 2015, os especialistas consultados pelo BC acreditavam que haveria crescimento este ano, de 1,80%. Já para 2017, a expectativa é mais otimista, de expansão de 1,00%. Com o aumento visto hoje nas projeções a taxa volta para o patamar verificado há duas semanas – na semana passada, havia recuado para +0,86%. Quatro semanas atrás, a mediana das projeções de crescimento do PIB no ano que vem também era de 1,00%. A produção industrial segue como principal setor responsável pelas previsões para o PIB em 2016 e 2017. No boletim Focus, a mediana das estimativas do mercado para o setor manufatureiro revela uma expectativa de baixa de 3,47% para este ano ante -3,45% prevista na semana passada. Na pesquisa realizada quatro semanas atrás, a mediana das estimativas já estava em -3,45%. Para 2017, as apostas são de expansão de 1,80% para a indústria – na semana passada, a mediana estava em 1,98%, como também quatro semanas antes. Os economistas ajustaram ainda suas estimativas para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB. Para 2016, a mediana das previsões saiu de 39,30% para 39,75%. Quatro semanas antes estava em 40,20%. No caso de 2017, as expectativas se mantiveram em 41,40% – no boletim divulgado há um mês a taxa era de 41,05%. Superávit comercial: Com o forte ajuste econômico pelo qual passa o País, as perspectivas do mercado financeiro seguem positivas praticamente apenas para os dados que compõem o setor externo. Espera-se, entre os especialistas, uma melhora do saldo comercial, que, por sua vez, tem impacto positivo para as transações correntes. O superávit previsto para este ano no Relatório Focus subiu de US$ 35 bilhões para US$ 35,50 bilhões. Um mês antes estava em US$ 33 bilhões. Para 2017, a expectativa melhorou ainda mais. A mediana das projeções subiu de US$ 35 bilhões para US$ 38,80 bilhões. Quatro edições atrás do documento, o ponto central das estimativas estava em US$ 34,18 bilhões. Essa melhora ocorre depois de a balança registrar o primeiro déficit em 14 anos em 2014 e de surpreender positivamente na reta final do ano passado. No caso das previsões para a conta corrente, o mercado financeiro manteve a mediana para 2016 de um déficit de US$ 38,00 bilhões, já visto na pesquisa passada – quatro semanas antes, estava em US$ 38,50 bilhões. Já para 2017, a perspectiva é de um rombo de US$ 32 bilhões, volume que se manteve da edição anterior. Quatro meses atrás, a perspectiva era de déficit de US$ 31,15 bilhões. Para esses analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será insuficiente para cobrir esse resultado deficitário em 2016, já que a mediana das previsões para esse indicador segue em US$ 55,00 bilhões pela quinta semana consecutiva. Para 2017, a perspectiva é de um volume de entradas de US$ 60 bilhões em IDP, montante apontado pelo mercado há 14 semanas seguidas. Com informações do Estadão Conteúdo.


Tags:
VOLTAR