Reviravolta: Justiça descarta decretar falência da Avianca Brasil » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 18-09-2019 » Testamos | HB20 abre novo patamar com visual ousado e 1.0 surpreendente 18-09-2019 » 'Eu mudei' | Gerson: os segredos do jogador que está revolucionando o Flamengo 18-09-2019 » Ela resolveu dar a volta ao mundo | 'Não sou rica. Consegui viajar muito economizando - não tem milagre' 18-09-2019 » Nova tecnologia | Viagem grátis e 'fiada': pagamos ônibus de SP com cartão e celular 18-09-2019 » Gm não explicou caso | Novo Onix Plus pega fogo em manobra no pátio no RS 18-09-2019 » Em São Paulo | Seguranças suspeitos de chicotear jovem vão responder por tortura 18-09-2019 » Falou em universidade | 'Bolsonaro é tosco e misógino', diz Dilma Rousseff na Sorbonne 18-09-2019 » Ao comprar fraldas | Polícia crê em vingança ou feminicídio em caso de mulher morta em SP 18-09-2019 » Era da Odebrecht | Morre Henrique Valladares, um dos delatores da Lava Jato 18-09-2019 » Decisão da Copa do Brasil | Juca: Pode ser a noite da maioridade do Athletico-PR 18-09-2019 » Acontece na segunda | ONU veta discurso do Brasil na cúpula do clima em Nova York 18-09-2019 » Blog do Tales Faria | Com Maia, líderes da Câmara reclamam de traição de senadores e Alcolumbre 18-09-2019 » 'Ataque à lei de imigração' | Portaria de Moro sobre deportação é denunciada na ONU 18-09-2019 » Dados do 2º trimestre | 22,4% dos domicílios do Brasil não têm renda de trabalho, diz pesquisa do Ipea 18-09-2019 » Discussão no Senado | Relator da reforma tributária propõe unificar 9 impostos em 2 cobranças 18-09-2019 » Fica no cargo até aprovação de Aras | Interino na PGR assume cargo e anuncia volta de grupo da Lava Jato 18-09-2019 » Disputa interna no governo | Ala olavista passa a apoiar anistia a Maduro por mudança na Venezuela 18-09-2019 » Grandes grupos de varejo | Carrefour, GPA e Cencosud compraram carnes de autuados por trabalho escravo 18-09-2019 » Assembleia em NY | Carlos Bolsonaro diz que pai 'está bem' e prepara discurso da ONU 18-09-2019 » Gastos do governo | Em meio a cortes, Orçamento dá R$ 4,7 bi de vantagens para militares
Publicidade
11 de setembro de 2019

Reviravolta: Justiça descarta decretar falência da Avianca Brasil

Foto Rede Acontece

Em uma reviravolta, os desembargadores da 2ª Câmara de Direito Empresarial do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) decidiram nesta terça-feira (10), por três votos a dois, não decretar a falência da companhia aérea Avianca Brasil, que está com a concessão suspensa desde 21 de junho. Em julho, quando o julgamento começou, 3 dos 5 membros da Câmara haviam votado a favor de decretar a insolvência da companhia: Ricardo Negrão (relator do caso), Sérgio Shimura e José Araldo Telles. Um deles, Mauricio Pessoa, votou contra, e o magistrado Paulo Roberto Brazil declarou-se impedido de votar. O desembargador Alexandre Lazzarini, que entrou no julgamento no lugar de Brazil, manifestou-se contra decretar a insolvência da Avianca, sob o argumento de que o Tribunal não julgava um pedido de falência. Em 27 de agosto, Sérgio Shimura decidiu reaver sua posição e pediu vistas. Na sessão desta terça, apresentou seu novo voto alinhado com Pessoa e Lazzarini, o que reverteu o placar. O Tribunal analisava um agravo de instrumento interposto pela Swissport pedindo a anulação do plano de recuperação judicial da Avianca Brasil, que teve suas operações suspensas pela Anac em maio. A Swissport é uma das credoras da Avianca e tem R$ 17 milhões a receber. A empresa afirmava ser ilegal a proposta que consta no plano de recuperação, formulada pelo fundo de investimento Elliott (maior credor da aérea) com Gol e Latam, de realizar um leilão de slots (autorizações para pousos e decolagens) da Avianca. O certame foi conduzido em julho. Para a Swissport, que pedia à Justiça que um novo plano fosse apresentado, a companhia aérea não poderia vender os slots porque não são ativos dela, e sim concessões. Segundo a empresa, o pregão, que só teve lances de Gol e Latam, apresenta conflito de interesses porque envolveu pagamentos antecipados das empresas aéreas ao Elliott. O pregão tem sua legalidade questionada também porque a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) conseguiu, na Justiça, autorização para redistribuir os slots da companhia. A redistribuição foi realizada em agosto a partir de uma nova regra criada pela agência reguladora, e teve como principais beneficiadas a Azul e a Passaredo. Com a mais recente decisão do TJ-SP, o plano de recuperação judicial da Avianca precisaria ser cumprido. Ocorre, porém, que ele depende do pagamento dos lances que Gol e Latam fizeram no leilão. As companhias aéreas, no entanto, só vão desembolsar os US$ 147 milhões que ofertaram no evento pelos slots da Avianca Brasil se o pregão for validado pela Justiça e os ativos entregues de fato. O cenário é considerado improvável por especialistas ouvidos pela reportagem porque dependeria de anulação da redistribuição já feita pela Anac com aval do próprio TJ-SP. Derrotado na votação desta terça (10), Ricardo Negrão chamou o plano de recuperação de inexequível. Para o advogado Ronaldo Vasconcelos, professor de insolvência do Mackenzie, “o plano de recuperação da Avianca depende totalmente dos slots que foram redistribuídos. Ele será barrado pelo aspecto regulatório.” “Se o leilão prevalecer, a Avianca recebe os recursos. É a melhor solução para os credores, mas é um cenário pouco provável porque a companhia perdeu os slots por descumprir as normas da Anac”, afirma. A reportagem não conseguiu contato com representantes da Avianca Brasil até o momento.


VOLTAR