Risco de morte estaciona depois dos 100 anos, diz estudo » Rede Acontece
Últimas
21-09-2018 » Ibope | Renan Filho tem 65% na disputa pelo governo de AL 21-09-2018 » Atuação na Petrobras | Juiz convoca Temer e ministros a depor em ação por organização criminosa 21-09-2018 » Ao Vivo | Candidatos ao Planalto participam de debate na TV Aparecida; assista 21-09-2018 » Carro da VW | Opinião do dono: Jetta só ganha elogios, seja 5-cilindros, 2.0 ou turbo 21-09-2018 » Estudo nos EUA | Humanos estão sempre envoltos por nuvens de micro-organismos 21-09-2018 » Vitória da Apple | STJ diz que marca iPhone não é exclusiva da Gradiente 21-09-2018 » Seleção de Tite | Convocados que forem à final de Copa do Brasil serão liberados 21-09-2018 » Para evitar agravar crise | Em carta, FHC pede união de candidatos 'não extremistas' 21-09-2018 » Esfaqueado em Minas | 'Vamos em frente', diz Bolsonaro em vídeo gravado no hospital 21-09-2018 » Da Hyundai | HB20 faz seis anos com quase 1 milhão de carros vendidos 21-09-2018 » Comportamento | Como é sua personalidade? São 4 grandes perfis 21-09-2018 » Renascimento | País consegue recuperar mar que havia sido extinto 21-09-2018 » Problema comum | Drauzio responde 5 perguntas sobre depressão pós-parto 21-09-2018 » Entenda o caso | Emoções fortes podem provocar infarto como o do fã de Xuxa? 21-09-2018 » Quando perdemos peso | Para onde vai toda a gordura que queimamos? 20-09-2018 » Ligado ao Plano Collor 2 | STF decide que Caixa tem de pagar diferença sobre FGTS a trabalhadores 20-09-2018 » Julgamento do PCC | 8 são presos por suposta ação em 'tribunal do crime' 20-09-2018 » Concorrência pressiona | Bancos zeram taxas para quem investe em Tesouro Direto e previdência 20-09-2018 » Condenado por assassinato | Os desenhos que levaram inocente a deixar prisão depois de 27 anos 20-09-2018 » 'Isso é totalmente falso' | Patrícia Pillar desmente meme e diz que nunca foi agredida por Ciro Gomes
Publicidade
29 de junho de 2018

Risco de morte estaciona depois dos 100 anos, diz estudo

Foto: Reprodução

O limite biológico à longevidade humana é um mistério, se é que ele existe. Mas, de acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Roma La Sapienza e publicada pela revista “Science” nesta quinta-feira (28), uma vez que se chega aos 105 anos de idade, o envelhecimento é interrompido, já que o risco de morte é constante para os próximos anos.

Isso significa que, depois dessa idade, é praticamente impossível dizer qual será a duração da vida das pessoas. “Se existe um limite biológico para a vida humana, ainda não foi verificado”, disse à ANSA a coordenadora do estudo, Elisabetta Barbi, do Departamento de Estatística da Sapienza.

A análise foi feita entre 2012 e 2015, com base em dados de 3.886 pessoas na faixa dos 105 anos, no mínimo. Com isso, os pesquisadores descobriram como a idade influencia no risco de óbito, mas que, em determinado momento (após os 105 anos), essa chance estaciona.

Por exemplo, com 50 anos, o risco de morrer no próximo ano é três vezes maior do que quando se tem 30. E, quando chegamos nos 60 ou 70 anos, as chances de falecer dobram a cada oito anos. Se você for sortudo o suficiente para viver 100 anos, suas chances de chegar ao próximo aniversário são de 60%”, diz o relatório.

Outro dado obtido com a pesquisa é que “para as gerações de nascimento mais jovens, os níveis de mortalidade são levemente mais baixos”, falou Barbi. Um estudo similar sobre o perigo de óbito em idades mais extremas foi realizado com outras espécies de animais, como insetos, o que faz pensar que exista uma explicação do ponto de vista evolutivo para a interrupção da velhice.

A descoberta do limite para o envelhecimento, segundo Barbi, “não somente dá uma resposta clara e certa sobre as taxas de mortalidade, como é crucial para a compreensão dos mecanismos na base da longevidade humana e para o desenvolvimento futuro das teorias de envelhecimento”.

Para ela, é a primeira “confirmação do papel desempenhado pela sobrevivência seletiva, ou seja, o fato de que sobrevivem os indivíduos menos frágeis ou vulneráveis às enfermidades ou à morte”, concluiu. (ANSA)


VOLTAR