Senado terá semana de negociações para votar reforma da Previdência » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 24-02-2020 » Ela não para! | De mototáxi a look sexy: a evolução de Bruna no Carnaval 24-02-2020 » Iza, Sato e mais | Veja os menores tapa-sexos das musas do Carnaval 24-02-2020 » Psirico | Alice Wegmann sobe em trio e manda bem no rebolado 24-02-2020 » Motivos não faltam! | Por que Neymar deveria vir à folia após expulsão 24-02-2020 » 'Bloco Lua de Mel' | Gentil e mulher viajam, mas precisam se passar por amigas 24-02-2020 » Mulheres do esporte | Após árbitra de futebol, Ludmilla mostra sua tenista 24-02-2020 » Período alvo da Lava Jato | 10 governadores eleitos em 2010 e 2014 já foram presos 24-02-2020 » Serra do Divisor | Por que parque com biodiversidade única corre risco no Acre 24-02-2020 » Morreu tentando | Como 'astronauta caseiro' queria provar que a Terra é plana 24-02-2020 » Vários tipos e modelos | Tapa-mamilos ganham adeptas em todo o país neste Carnaval 24-02-2020 » Área vip na Sapucaí | Camarote CarnaUOL N1 teve Isis de Cher, Doria sem Bia e Lu Gimenez loiraça 24-02-2020 » Mais do camarote | Mazzafera conta que Boca Rosa fez xixi enquanto gravava e trocou de calça 24-02-2020 » Litoral de São Paulo | Veja vídeo da ressaca em praia de Ubatuba 24-02-2020 » Foi à Justiça | Rose cobra R$ 50 mil de Leão Lobo após declaração sobre Gugu 24-02-2020 » Pediu respeito | 'Vou sair na porrada', diz Susana Vieira em apoio a Regina Duarte 24-02-2020 » Chico Barney | Assim como na novela, M. Alfradique rouba a cena na Grande Rio 24-02-2020 » Carnaval no exterior | Bolsonaro é retratado como 'assassino do clima' em folia alemã 24-02-2020 » São Paulo | Blocu invade as ruas um ano após polêmico 'golden shower' 24-02-2020 » Leo Dias | Paolla, Scooby e Anitta: os bafões dos famosos na folia na Sapucaí 24-02-2020 » PSG | Thiago Silva não deve jogar contra Dortmund
Publicidade
9 de setembro de 2019

Senado terá semana de negociações para votar reforma da Previdência


Foto: Marcos Araújo

Depois de mais de dois anos de articulações, a reforma da Previdência finalmente foi analisada e aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados e ganha fôlego no Senado, onde, com um número menor de parlamentares (81 contra 513 na Câmara), a expectativa é de um trâmite mais rápido. O texto aprovado pelos deputados passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e uma votação, na próxima semana, tem o apoio do presidente da Casa, Davi Alcolumbre. Ele espera firmar os acordos necessários com as lideranças partidárias e de bancadas para acelerar os prazos. Pelo regimento, o texto precisa passar por cinco sessões de discussão no plenário antes de ser votada em primeiro turno. Mas um acordo entre líderes da base, do centro e da oposição poderia reduzir esse prazo. “Estamos em processo de diálogo. Eu falei, desde a primeira vez que me perguntaram, que eu ia tentar construir um acordo, falar com os líderes. Então estou tentando convencê-los a votar na semana que vem”, disse Alcolumbre na última quinta-feira (5). O acordo de líderes a ser tentado por Alcolumbre precisa ter a anuência também da oposição. E, segundo o líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (REDE-AP), o acordo para abreviar a votação não será fechado. “Não aceitamos atalhos em um tema tão sensível aos direitos do povo, em retirar direitos do povo. Não tem acordo com os líderes da oposição para abreviar ritos de procedimentos. Para nós, a proposta de emenda constitucional vai ser votada no tempo que tiver que ser votada, cumprindo todos os prazos regimentais”, disse Randolfe. Caso o acordo não seja possível, o prazo de cinco sessões de discussão antes da votação deverá ser cumprido. Em todo caso, a votação em segundo turno está marcada para 10 de outubro. O presidente do Senado está otimista quanto à aprovação no próximo mês. “Nosso prazo é ainda o que estabelecemos no acordo, que é de votar em 10 de outubro a PEC número 6 e marcarmos uma sessão para promulgarmos”, disse Alcolumbre. Para esta terça-feira (10), está marcada uma sessão temática para discutir a Previdência. A sessão será realizada no plenário da Casa do Senado e está prevista a participação secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, e do ex-ministro da Previdência Social,

PEC Paralela

Durante votação do relatório da reforma, produzido por Tasso Jereissati (PSDB-CE), foram votadas oito sugestões de emendas, apenas uma foi aprovada. A emenda de autoria do senador Eduardo Braga (MDB-AM) estipula que pensionistas não podem receber valor inferior a um salário-mínimo.

As demais emendas foram rejeitadas. Elas previam queda de receita para a União, conforme argumentou o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE). No intuito de atender demandas consideradas meritórias, Jereissati propôs a criação de uma nova proposta de emenda à Constituição, uma espécie de emenda paralela, que traz pontos não incluídos na PEC original. A ideia é, principalmente, não fazer mudanças que obrigassem a proposta original a voltar para a Câmara.

O carro-chefe da PEC paralela é a possibilidade de incluir servidores estaduais e municipais na reforma da previdência. Mas ela também traz outras questões, como o fim das renúncias fiscais para entidades filantrópicas e regras mais brandas de aposentadoria para policiais, bombeiros, agentes prisionais, guardas municipais e outras carreiras ligadas à segurança pública.

Rito

A PEC paralela já existe formalmente e tem número 133/2019, mas precisa ser lida em plenário por Alcolumbre. Em seguida, ela retorna à CCJ, onde foi criada, e ganhará um relator. Jereissati, por estar inteirado de seu teor, fará a relatoria. A partir daí, ele poderá convocar audiências públicas, além de conversar com setores da sociedade.

O senador tucano adiantou que aguardará uma semana pelas sugestões de emendas e também para ouvir e debater com a sociedade em audiências públicas. Em seguida, apresentará seu relatório à presidente da comissão, Simone Tebet (MDB-MS). Após a leitura do parecer, é concedida vista coletiva de, ao menos, por cinco dias úteis. Em seguida, o relatório é votado na comissão.

Independentemente do relatório ser aprovado ou não na CCJ, ele irá para votação no plenário. Nesse caso, o veredito da comissão é apenas um balizador para o plenário. No plenário, a PEC precisa ser aprovada em dois turnos por 3/5 do total de senadores.

A proposta precisa de, pelo menos, 49 votos. Aprovada em dois turnos, ela segue para a Câmara dos Deputados. Lá, também passará pela CCJ da casa – e, nesse caso, a aprovação do relatório é necessária para assegurar o prosseguimento da proposta – e por uma comissão especial antes de ir para votação em plenário.


VOLTAR