Sistema de votação eletrônico no Brasil é confiável, diz missão da OEA » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 17-06-2019 » 'Estamos parados' | Daniel Filho critica governo e falta de apoio ao cinema: 'Brasil não é de idiotas' 17-06-2019 » Alíquota cairia de 16% para 4% | Bolsonaro: Governo estuda reduzir imposto para produtos de tecnologia 17-06-2019 » Deysi Cioccari | A eleição de Bolsonaro para além da facada 17-06-2019 » Julio Gomes | Estádios vazios na Copa América: alguém surpreso? 17-06-2019 » Stycer | Emissoras usam confusão entre ator e personagem 17-06-2019 » Schwartsman | Critérios errados de escolha levam a chefes ruins 17-06-2019 » Marcos Lisboa | Não se sabe como os vazamentos terminam 17-06-2019 » Michael Viriato | Lições do junho vermelho para investir em ações 17-06-2019 » Padiglione | Paródia de Moro compensa timidez editorial da Globo 17-06-2019 » Reinaldo Lopes | O que pode explicar o fim de povos amazônicos 17-06-2019 » Lei em Campo | Foi a NBA que permitiu time do Canadá nos EUA 17-06-2019 » Quicando | Todos queriam ser Adele conhecendo as Spice Girls 17-06-2019 » Angela Alonso | Só não viram deslizes os cegos de ódio pelo vilão 17-06-2019 » Coworking | Empresa faz ponte entre corporações e startups 17-06-2019 » Pediu demissão após fala de Bolsonaro | CPI do BNDES quer que Levy explique demissão e 'caixa preta' 17-06-2019 » Ato contra reforma em SP | 'Não agredi, não cuspi na cara, não desacatei policial', diz defensor preso 17-06-2019 » Segurança digital | Vazamento de dados cresce e já é 2º maior ataque digital ao governo federal 17-06-2019 » Assassinado em casa | 'São 55 filhos agora sem pai', diz deputada após morte do marido em Niterói (RJ) 17-06-2019 » Chico Xavier | Justiça nega ação para reconhecer suposto filho adotivo do médium 17-06-2019 » Para barrar nazistas | Linha Maginot: a mais poderosa e inútil fortificação da história
Publicidade
9 de outubro de 2018

Sistema de votação eletrônico no Brasil é confiável, diz missão da OEA

Foto Rede Acontece

Representantes da uma missão de observação eleitoral da OEA (Organização dos Estados Americanos) afirmaram nesta segunda-feira (8) que visitas feitas em mais de 390 seções eleitorais descartaram problemas nas urnas eletrônicas e que o processo adotado no Brasil é “confiável”.

A afirmação ocorre após a divulgação de um relatório preliminar da missão feito com base em visitas feitas em 12 Estados e Distrito Federal.

Ao todo, 41 pessoas acompanharam o processo no país, além de outras seis que observaram as votações no exterior. Essa é a primeira vez que a missão acompanha as eleições no Brasil.”Escolhemos uma amostra aleatória, mas representativa das distintas regiões do país. E dessa amostra que selecionamos, não encontramos nenhum elemento que possa questionar o processo eleitoral”, afirmou a chefe da missão e ex-presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla.

Segundo Chinchilla, visitas feitas pelo grupo nas 390 seções eleitorais de 130 locais de votação não encontraram irregularidades no processo.

“Nenhum dos problemas que vimos afetam a legitimidade dos resultados”, afirmou, referindo-se a dificuldades encontradas como a presença de filas em 55% das seções e a atrasos na identificação pelo sistema de biometria.

Neste domingo (7), apoiadores do candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltaram a questionar o processo por meio da divulgação de vídeos que mostram problemas nas urnas. “Se tivéssemos confiança no voto eletrônico, já teríamos o nome do futuro presidente”, disse o candidato. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral), porém, contestou a possibilidade de fraudes.

Para representantes da missão da OEA, é preciso analisar a veracidade do material e qual a possível intenção em divulgá-los.

“Há vídeos na internet, mas há vídeos em todos os processos eleitorais. Qual o impacto e a veracidade desses vídeos é um tema que precisamos analisar. E qual o propósito de tentar criar uma dúvida no processo eleitoral, que, na nossa opinião, é confiável”, afirma Geraldo de Icaza.

FAKE NEWS

O grupo também lamentou em relatório o uso de expressões com tom “discriminatório” e “excludente” por alguns candidatos durante a campanha e fez um apelo para que a disputa no segundo turno seja centrada mais em propostas do que em “ataques pessoais” ou em tentativas de “desqualificar ou estigmatizar opositores”.

A missão também classificou as fake news como um dos maiores desafios para as eleições, processo que ficou “mais evidente” no Brasil, informam.

Para Chinchilla, a “competitividade exarcebada” do processo eleitoral faz com que muitos recorram a notícias falsas. “É uma forma de desacreditar instituições e questionar resultados”, afirma.Ela elogiou projetos feitos para tentar combater esse problema, como o Comprova. “Vemos que o Brasil não está de braços cruzados”, disse.


VOLTAR