Sistema de votação eletrônico no Brasil é confiável, diz missão da OEA » Rede Acontece
Últimas
19-12-2018 » Política internacional | Bolsonaro critica pacto de migração: Vida na França ficou 'insuportável' 19-12-2018 » Após polêmica | Imagens sacras ficarão no Alvorada, diz Bolsonaro 19-12-2018 » Inclui Sesc e Sesi | O que é o sistema S e por que sua verba causa polêmica 19-12-2018 » Impacto R$ 9,5 mi ao ano | CNJ recria auxílio-moradia a parte dos juízes mesmo com gastos acima do teto 19-12-2018 » Comentou caso João de Deus | Para líder de vítimas de padres, relação com Deus é disfarce para abusadores 19-12-2018 » Fique ligado | Empresas têm até amanhã para pagar 2ª parcela do 13º; veja se tem direito 19-12-2018 » MP abriu mercado de aviação | Chegada de estrangeiros não vai baratear passagem área, dizem analistas 19-12-2018 » Decisão está a cargo do STJ | Governo de SP quer criminalizar dívida de ICMS de 16 mil empresários 19-12-2018 » Contas públicas | Estatais de saúde e pesquisa são as que mais gastam dinheiro público 19-12-2018 » Pedido do juiz Bretas | Iate de luxo de Eike Batista é vendido em leilão por R$ 14,4 mi 19-12-2018 » Presente da fábrica | Dona anda no mesmo Fusca desde 1967... e ganhou restauração 19-12-2018 » Tome cuidado | 10 dicas para evitar problemas no carro com as chuvas de verão 19-12-2018 » A pedido da CBF | Globo oficializa horário das 21h30 para jogos de futebol em 2019 19-12-2018 » Copa da Liga Francesa | Sem Neymar, PSG bate Orléans por 2 a 1 e leva vaga para as quartas 18-12-2018 » Como os relatos contra João de Deus | Por que lei pode dificultar processar casos ocorridos há mais de 6 meses 18-12-2018 » Medida de segurança | Protesto de madeireiros obriga Ibama a fugir de cidade do Amazonas 18-12-2018 » Lobby das bombas de insulina | Justiça paulista favorece fabricante em decisões evolvendo diabéticos
Publicidade
9 de outubro de 2018

Sistema de votação eletrônico no Brasil é confiável, diz missão da OEA

Foto Rede Acontece

Representantes da uma missão de observação eleitoral da OEA (Organização dos Estados Americanos) afirmaram nesta segunda-feira (8) que visitas feitas em mais de 390 seções eleitorais descartaram problemas nas urnas eletrônicas e que o processo adotado no Brasil é “confiável”.

A afirmação ocorre após a divulgação de um relatório preliminar da missão feito com base em visitas feitas em 12 Estados e Distrito Federal.

Ao todo, 41 pessoas acompanharam o processo no país, além de outras seis que observaram as votações no exterior. Essa é a primeira vez que a missão acompanha as eleições no Brasil.”Escolhemos uma amostra aleatória, mas representativa das distintas regiões do país. E dessa amostra que selecionamos, não encontramos nenhum elemento que possa questionar o processo eleitoral”, afirmou a chefe da missão e ex-presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla.

Segundo Chinchilla, visitas feitas pelo grupo nas 390 seções eleitorais de 130 locais de votação não encontraram irregularidades no processo.

“Nenhum dos problemas que vimos afetam a legitimidade dos resultados”, afirmou, referindo-se a dificuldades encontradas como a presença de filas em 55% das seções e a atrasos na identificação pelo sistema de biometria.

Neste domingo (7), apoiadores do candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltaram a questionar o processo por meio da divulgação de vídeos que mostram problemas nas urnas. “Se tivéssemos confiança no voto eletrônico, já teríamos o nome do futuro presidente”, disse o candidato. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral), porém, contestou a possibilidade de fraudes.

Para representantes da missão da OEA, é preciso analisar a veracidade do material e qual a possível intenção em divulgá-los.

“Há vídeos na internet, mas há vídeos em todos os processos eleitorais. Qual o impacto e a veracidade desses vídeos é um tema que precisamos analisar. E qual o propósito de tentar criar uma dúvida no processo eleitoral, que, na nossa opinião, é confiável”, afirma Geraldo de Icaza.

FAKE NEWS

O grupo também lamentou em relatório o uso de expressões com tom “discriminatório” e “excludente” por alguns candidatos durante a campanha e fez um apelo para que a disputa no segundo turno seja centrada mais em propostas do que em “ataques pessoais” ou em tentativas de “desqualificar ou estigmatizar opositores”.

A missão também classificou as fake news como um dos maiores desafios para as eleições, processo que ficou “mais evidente” no Brasil, informam.

Para Chinchilla, a “competitividade exarcebada” do processo eleitoral faz com que muitos recorram a notícias falsas. “É uma forma de desacreditar instituições e questionar resultados”, afirma.Ela elogiou projetos feitos para tentar combater esse problema, como o Comprova. “Vemos que o Brasil não está de braços cruzados”, disse.


VOLTAR