STF pode decidir que criança com deficiência não é “humana” » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 05-06-2020 » Procurador-geral | Aras envia parecer ao STF e defende retorno de Ramagem à Abin 05-06-2020 » Ministro da educação | Para aliados de presidente, se Abraham Weintraub cair, Bolsonaro minimiza crise com STF e Congresso 05-06-2020 » Indígenas na pandemia | 'Me decepcionei com Bolsonaro', diz indígena que integrou comitiva na ONU 05-06-2020 » Comprova | Fala de médicos sobre vírus perder força não tem apoio de órgãos de saúde 05-06-2020 » Estados Unidos | Memória de George Floyd marca 10º dia de protestos 05-06-2020 » Preso em Brasília | Depressão de Marcola se agravou, diz família; condição preocupa autoridades 05-06-2020 » Suspeito é detido pela polícia | Ataque a faca em supermercado na China deixa 3 mortos e 7 feridos 05-06-2020 » 'Me destroem' | Fabio Assunção sobre vício: Há quem torça para que eu ceda 05-06-2020 » Ela é camgirl | Ex-BBB Clara: Tem cliente que paga só para me ver dormindo 05-06-2020 » Após descobrir sexo | De Férias: ex de Flávia tira satisfação com Novinho 05-06-2020 » TV Paga | CNN define substituto de Gottino e faz dança das cadeiras 05-06-2020 » Sonho virou pesadelo | Na Bélgica, homem recebe pizza há dez anos sem pedir 05-06-2020 » Durante pandemia | Roberto Carlos vende iate Lady Laura 4 por R$ 25 milhões 05-06-2020 » Em sinal a Trump | Putin detalha política para uso de armas nucleares 05-06-2020 » No UOL | João Gabbardo, chefe do centro de combate à covid de SP, fala às 15h 05-06-2020 » Combate ao coronavírus | Potencial vacina brasileira contra covid-19 começa a ser testada em animais 05-06-2020 » Presidente do TSE | Eleitor deve usar álcool gel após votar e não antes, diz ministro Barroso 05-06-2020 » Pandemia pelo Brasil | Brasil se torna terceiro país com mais mortes registradas por coronavírus 05-06-2020 » Fernando Holiday | A direita que não vê racismo 05-06-2020 » Reinaldo Azevedo | Diante de recorde de mortes, general se acovarda
Publicidade
7 de maio de 2019

STF pode decidir que criança com deficiência não é “humana”

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

No dia 22 de maio o Supremo Tribunal Federal vai iniciar o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) n. 5.581. O pedido da ação é para que não haja qualquer tipo de punição para as mães que abortem suas crianças pelo simples fato de estas serem diagnosticadas com microcefalia. O argumento? Os desgastes emocionais e psicológicos que uma criança com deficiência pode provocar em sua genitora. Em tempos nos quais a expressão “direitos humanos” tem sido cada vez mais invocada para defender assassinos e estupradores, o Supremo terá que decidir se esses direitos valem para todos. Se o STF permitir o aborto nestes casos estará dizendo que uma criança com deficiência não integra a categoria de “humano”, podendo ser tratada como simples coisa ou objeto. É importante considerarmos o decidido liminarmente em outra ADI, a de n. 5.938, de relatoria do Min. Alexandre de Moraes. Nessa ação a Procuradoria-Geral da República (PGR) emitiu parecer no sentido de que as mulheres grávidas e lactantes devem ser afastadas de todos os locais insalubres, pois, do contrário, haveria violação à saúde e aos demais direitos do nascituro. Acompanhando esse entendimento, o Ministro considerou – de modo correto – que as normas de proteção à maternidade devem impedir que as mulheres grávidas trabalhem em qualquer tipo de ambiente insalubre. Ou seja, é dever do Estado proteger o nascituro contra quaisquer ações ou omissões que violem seus direitos, a exemplo da vida. Mas e em relação aos nascituros com microcefalia? É espantoso que, aqui, a mesma PGR tenha defendido que é constitucional o aborto das crianças para a preservação da saúde mental da mulher, bem como de sua “autonomia reprodutiva”. O que isso significa? Que, para a PGR, apenas crianças saudáveis merecem proteção do Estado. E, mais, abre portas para que, em nome da “autonomia reprodutiva” das mulheres, seja implantada a legalização do aborto no Brasil. Esse tipo de entendimento é absurdo! Nada mais preconceituoso que classificar pessoas em “normais” ou “com deficiência”, como se estas não merecessem viver! É nessa direção que conclamamos a sociedade brasileira a defender a vida humana. Além disso, bradamos em alta voz para o STF: criança com deficiência NÃO é coisa, mas pessoa que merece ser defendida pelo Estado!


VOLTAR