STF sinaliza que não existem elementos para afastar Cunha » Rede Acontece
Últimas
21-10-2018 » Só começa dia 4/11 | Celular mudou para o horário de verão sozinho? Saiba ajustar 21-10-2018 » Em 200 cidades | Manifestantes fazem atos hoje contra o PT e a favor de Bolsonaro 21-10-2018 » 2º turno em SP | França e Doria focam Lula e Bolsonaro em debates 21-10-2018 » 2º turno em MG | Verba de Zema cresce 318%; R$ 600 mil não têm origem declarada 21-10-2018 » Brasileirão | Corinthians enfrenta Vitória e tabu no 1º duelo direto na luta contra queda 21-10-2018 » Sucesso dos anos 90 | Depressão e budismo: a volta por cima de Deborah Blando 21-10-2018 » Mundial de surfe | Atrás do bi, Medina vai à 'final' na mesma situação de 1º título 21-10-2018 » Mais Brasileiro | SP ficou no jejum, mas teve gols na rodada de sábado; veja todos 21-10-2018 » Grávida de oito meses | Sabrina Sato revela em programa o nome da 1ª filha com Duda Nagle 21-10-2018 » Só 3.500 unidades | Renault Sandero 1.0 ganha série limitada GT Line por R$ 47.990 21-10-2018 » Semana decisiva antes das urnas | O que pensam eleitores em dúvida entre Haddad, Bolsonaro e voto nulo 21-10-2018 » 3 anos depois do surto | Mães de crianças com zika enfrentam dificuldade financeira e abandono 21-10-2018 » Advertência por 'transação comercial' | Nos anos 80, Bolsonaro vendia bolsas feitas de paraquedas do quartel 21-10-2018 » Disparo de mensagens | Relator de ação contra Bolsonaro tem fama de 'durão' e decisões contra PT 21-10-2018 » Eleições e economia | Privatizar estatais reduz dívida, mas não barra corrupção nem baixa preço 21-10-2018 » Região decisiva no 1º turno | Presidenciáveis jogam com o medo por voto do interior do Nordeste
Publicidade
27 de janeiro de 2016

STF sinaliza que não existem elementos para afastar Cunha

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo sobre o destino de Cunha. A presidente Dilma Rousseff recebeu sinalização do STF (Supremo Tribunal Federal) de que não há elementos para afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. De acordo com o jornal ‘Folha de S. Paulo, Ricardo Lewandowski foi quem que conversou com integrantes do governo e com colegas do Judiciário sobre a decisão que deve ser tomada pelo plenário do STF em fevereiro, mas o Planalto não entendeu a decisão como um veredito. Aliados de Dilma dizem que, apesar de o ministro ter dado a entender que falava com base em uma avaliação “ampliada”, como se apontasse a tendência da maioria dos ministros da corte, ainda não há consenso entre eles. Ainda segundo a publicação, pensando na decisão, o Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo: os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli podem seguir a tese de Lewandowski e votar pelo não afastamento de Eduardo Cunha, já Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso e o relator do caso, Teori Zavascki, devem ser favoráveis a afastar o peemedebista. Os votos dos ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia são considerados incógnitas até este momento. Em 16 de dezembro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF o afastamento cautelar de Cunha, sob argumento de que o presidente da Câmara faz uso do cargo para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e as apurações do Conselho de Ética da Casa, que analisa o pedido de cassação de seu mandato. Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro e é suspeito de ocultar contas na Suíça irrigadas com dinheiro desviado do esquema da Petrobras.


VOLTAR
27 de janeiro de 2016

STF sinaliza que não existem elementos para afastar Cunha

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo sobre o destino de Cunha. A presidente Dilma Rousseff recebeu sinalização do STF (Supremo Tribunal Federal) de que não há elementos para afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. De acordo com o jornal ‘Folha de S. Paulo, Ricardo Lewandowski foi quem que conversou com integrantes do governo e com colegas do Judiciário sobre a decisão que deve ser tomada pelo plenário do STF em fevereiro, mas o Planalto não entendeu a decisão como um veredito. Aliados de Dilma dizem que, apesar de o ministro ter dado a entender que falava com base em uma avaliação “ampliada”, como se apontasse a tendência da maioria dos ministros da corte, ainda não há consenso entre eles. Ainda segundo a publicação, pensando na decisão, o Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo: os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli podem seguir a tese de Lewandowski e votar pelo não afastamento de Eduardo Cunha, já Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso e o relator do caso, Teori Zavascki, devem ser favoráveis a afastar o peemedebista. Os votos dos ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia são considerados incógnitas até este momento. Em 16 de dezembro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF o afastamento cautelar de Cunha, sob argumento de que o presidente da Câmara faz uso do cargo para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e as apurações do Conselho de Ética da Casa, que analisa o pedido de cassação de seu mandato. Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro e é suspeito de ocultar contas na Suíça irrigadas com dinheiro desviado do esquema da Petrobras.


VOLTAR