STF sinaliza que não existem elementos para afastar Cunha » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 19-05-2019 » Evento Cultural em SP | Virada tem arrastões e denúncias de assédio durante a madrugada 19-05-2019 » Risco de rompimento em MG | Simulado em Barão de Cocais tem protesto contra Vale 19-05-2019 » Por causa de Hitler | O dia em que o Tottenham 'declarou guerra' à Inglaterra 19-05-2019 » Especulações | Coutinho, Hazard e mais 8 agitam mercado europeu; confira 19-05-2019 » Saiu! | Ouça Paula Fernandes e Luan cantando a versão de Shallow 19-05-2019 » Bolsonaro quer corte | F-1: Petrobras não gasta R$ 782 mi em publicidade na McLaren 19-05-2019 » Jovem volta a brilhar | Fluminense faz 4 e goleia Cruzeiro no Maracanã; veja os gols 19-05-2019 » Contestadas | 30 medidas do governo Bolsonaro já são alvo de ações no Supremo 19-05-2019 » Usou detector de metal | Italiano acha moedas históricas do Brasil em AL e é detido por tentar vendê-las 19-05-2019 » Katia Rubio | Educar tem capacidade de transformar 19-05-2019 » Daniel Buarque | Brasil tem imagem externa de ser ingovernável 19-05-2019 » Cozinha Bruta | Quem zomba da mortadela tem nojo de pobre 19-05-2019 » Rodrigo Zeidan | Inflação e recessão já estão virando a rua 19-05-2019 » Daniel Castro | Justus e diretor da Band disputam fofoqueiro 19-05-2019 » Renato S. de Lima | Vida de 5 milhões de pessoas feridas é ignorada 19-05-2019 » D. Magnoli | Prazo de validade de presidente é 2020 19-05-2019 » Paola Machado | Por que não avacalhar a dieta no fim de semana 19-05-2019 » Perrone | Carille paga por fraco desempenho de Boselli 19-05-2019 » Flávio Ricco | Prateleira de novos programas pesa na Band 19-05-2019 » Jean Wyllys | Deu esperança e orgulho ver os atos por educação
Publicidade
INTERSORFT 100 MEGA
corretora de seguros
27 de janeiro de 2016

STF sinaliza que não existem elementos para afastar Cunha

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo sobre o destino de Cunha. A presidente Dilma Rousseff recebeu sinalização do STF (Supremo Tribunal Federal) de que não há elementos para afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. De acordo com o jornal ‘Folha de S. Paulo, Ricardo Lewandowski foi quem que conversou com integrantes do governo e com colegas do Judiciário sobre a decisão que deve ser tomada pelo plenário do STF em fevereiro, mas o Planalto não entendeu a decisão como um veredito. Aliados de Dilma dizem que, apesar de o ministro ter dado a entender que falava com base em uma avaliação “ampliada”, como se apontasse a tendência da maioria dos ministros da corte, ainda não há consenso entre eles. Ainda segundo a publicação, pensando na decisão, o Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo: os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli podem seguir a tese de Lewandowski e votar pelo não afastamento de Eduardo Cunha, já Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso e o relator do caso, Teori Zavascki, devem ser favoráveis a afastar o peemedebista. Os votos dos ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia são considerados incógnitas até este momento. Em 16 de dezembro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF o afastamento cautelar de Cunha, sob argumento de que o presidente da Câmara faz uso do cargo para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e as apurações do Conselho de Ética da Casa, que analisa o pedido de cassação de seu mandato. Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro e é suspeito de ocultar contas na Suíça irrigadas com dinheiro desviado do esquema da Petrobras.


VOLTAR
27 de janeiro de 2016

STF sinaliza que não existem elementos para afastar Cunha

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo sobre o destino de Cunha. A presidente Dilma Rousseff recebeu sinalização do STF (Supremo Tribunal Federal) de que não há elementos para afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. De acordo com o jornal ‘Folha de S. Paulo, Ricardo Lewandowski foi quem que conversou com integrantes do governo e com colegas do Judiciário sobre a decisão que deve ser tomada pelo plenário do STF em fevereiro, mas o Planalto não entendeu a decisão como um veredito. Aliados de Dilma dizem que, apesar de o ministro ter dado a entender que falava com base em uma avaliação “ampliada”, como se apontasse a tendência da maioria dos ministros da corte, ainda não há consenso entre eles. Ainda segundo a publicação, pensando na decisão, o Planalto faz as contas para justificar que não é hora de bater o martelo: os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli podem seguir a tese de Lewandowski e votar pelo não afastamento de Eduardo Cunha, já Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso e o relator do caso, Teori Zavascki, devem ser favoráveis a afastar o peemedebista. Os votos dos ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia são considerados incógnitas até este momento. Em 16 de dezembro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF o afastamento cautelar de Cunha, sob argumento de que o presidente da Câmara faz uso do cargo para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e as apurações do Conselho de Ética da Casa, que analisa o pedido de cassação de seu mandato. Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro e é suspeito de ocultar contas na Suíça irrigadas com dinheiro desviado do esquema da Petrobras.


VOLTAR