Teixeira de Freitas: MP denuncia à Justiça dois envolvidos em adulteração de cilindros de oxigênio » Rede Acontece
Últimas
17-11-2018 » Mensagem circulando nas redes é falsa | Não é verdade que cédulas de US$ 100 perderão o valor em 2019 17-11-2018 » Estilo agrada Bolsonaro | Brasil tem condições de adotar a política externa agressiva de Trump? 17-11-2018 » Caravana tenta entrar nos EUA | O dia em que 12 mil migrantes chegaram à Cidade do México 17-11-2018 » Resgate ainda não foi definido | Localização de submarino argentino deixa parentes de tripulantes 'chocados' 17-11-2018 » Fogo avança nos EUA | Incêndios na Califórnia deixam mais de 70 mortos e 1.000 desaparecidos 17-11-2018 » Mandou suspender pagamento | Decisão de Gilmar sobre planos econômicos é alvo de petições no STF 17-11-2018 » A partir de R$ 80 mil | Salão de SP: como é dormir no Mitsubishi L200 Motorhome? 17-11-2018 » Foco total | 36 aviões por hora: a rotina na torre de controle de Congonhas 17-11-2018 » Falou de Bolsonaro | Silvio não sabia da participação de Lula no Teleton 2008, diz SBT 17-11-2018 » Procurando emprego? | Currículo que funciona é enxuto, em tópicos e sem nenhum enfeite 17-11-2018 » Apresentador na ESPN | Luciano Amaral já foi "herói do Tetra" e pioneiro de eSports 17-11-2018 » Novo governo | Culto e 2 cerimônias: o que já se sabe sobre a posse de Bolsonaro 17-11-2018 » Programa fica sem cubanos | Será difícil repor 10 mil vagas, diz ex-chefe do Mais Médicos 17-11-2018 » Equipes fazem escoramento | Prefeitura de SP reduz risco de desabamento de viaduto que cedeu 17-11-2018 » Amistoso Brasil x Uruguai | Neymar repete com Cavani e Suárez afagos e rusgas da vida pessoal
Publicidade
13 de setembro de 2018

Teixeira de Freitas: MP denuncia à Justiça dois envolvidos em adulteração de cilindros de oxigênio

Foto Rede Acontece

O Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) denunciou à Justiça duas pessoas envolvidas em um esquema de adulteração e alteração de produtos destinados a fins medicinais para fornecimento ao município de Teixeira de Freitas, no extremo-sul baiano.

O comerciante Izaias Rodrigues dos Santos e o contador Diogo Lemos Dias dos Santos, da empresa Assis e Rodrigues Ltda, são acusados de corromper cilindros de oxigênio medicinal, adulterando e alterando a sua qualidade e quantidade para entrega ao município. Além disso, eles forneceram cilindros de oxigênio industrial como se fossem medicinais, afirmam os promotores de Justiça autores da denúncia.

Segundo as investigações, Izaias, que é sócio administrador e representante da empresa, fraudou contrato decorrente de licitação realizada para aquisição de mercadorias, entre o final de 2017 e primeiro semestre de 2018, entregando produtos de empresa diversa à indicada na licitação, bem como alterando a substância e a qualidade da mercadoria fornecida. Ele se comprometeu a fornecer gás de oxigênio medicinal da marca Air Products Brasil Ltda para atender as demandas existentes nas unidades de saúde do município, mas entregou produtos de outras empresas e com alteração da substância.

Os cilindros de oxigênio medicinal apresentados ao Hospital Municipal de Teixeira de Freitas tinham conteúdo a menos e lacres sem identificação, bem como prazo de validade vencido, complementam os promotores de Justiça Gilberto de Campos, Michelle Resgala, Graziella Pereira, José Dutra Júnior, George Elias Pereira, Fábio Corrêa, João Batista Madeiro, Kerginaldo de Melo e Moisés Garnieri.

Laudo da Vigilância Sanitária do Município confirmou que os cilindros fornecidos apresentavam diferença entre os lacres e selos de origem, ausência de prazo de validade, lacres sem a origem do produto e, principalmente, cilindros de oxigênio industrial, da cor escura, pintados de cor verde para serem entregues como medicinal. Uma apreensão realizada na sede da empresa detectou diversos lacres de cilindros de oxigênio em desconformidade com o determinado pela Anvisa, além de diversos instrumentos utilizados para corromper, fraudar e adulterar os cilindros, afirmam os promotores de Justiça.

O MP-BA ressalta ainda que Diogo Lemos, “em comunhão de vontade e unidade de desígnios com o primeiro denunciado, tinha em depósito para venda produtos corrompidos e adulterados destinados a fins medicinais, como o oxigênio medicinal sem as características de identidade e qualidade admitidas para a sua comercialização e com a redução de seu valor terapêutico”.


VOLTAR