Temer cometeu 'série de equívocos' com caminhoneiros, diz Márcio França » Rede Acontece
Últimas
18-08-2018 » Autor de Mutantes | Com presença da ex, Tiago Santiago se casa com chef 18-08-2018 » Show no Rio é adiado | Jorge Aragão é internado e passa por cateterismo 18-08-2018 » Barracos afetaram | Audiência motivou saída de Mara do Fofocalizando 18-08-2018 » Ao lado de Graciele | Zezé Di Camargo recebe as filhas em seu aniversário 18-08-2018 » Após ponte desabar | Mais corpos são achados em Gênova; vítimas sobem a 41 18-08-2018 » O presidente da Vila | Peres convida Pelé a se tratar no Santos e fala de rixa de Neymar 18-08-2018 » Opinião da seleção | Juca: Raras vezes uma convocação pegou tão mal 18-08-2018 » Série da Netflix | 5 motivos para todo fã dos Simpsons se viciar em Des(encanto) 18-08-2018 » Efeito pode ser minimizado | Afinal, a radiação dos celulares faz mal? Estudo traz novas respostas 18-08-2018 » Presidenciáveis voltam a se encontrar | Debate da RedeTV! tem 'sermão' e foco em economia 18-08-2018 » Certeiro e ousado | Harmonize chocolate com vinho e impressione o 'date'; veja sugestões 18-08-2018 » Clima esquentou no debate | Marina ataca Bolsonaro sobre direitos da mulher 18-08-2018 » 3 palavras: Lula, armas, pesquisa | Em debate, Bolsonaro lê 'cola' feita na mão antes de pergunta a Marina Silva 18-08-2018 » Entre críticas e alfinetadas | Ataque a Lula e embate entre Meirelles e Boulos; veja frases do debate 18-08-2018 » Casal de cegos vive só em SP | 'A cegueira é só uma parte de mim, eu sou muito mais que tudo isso' 18-08-2018 » A dúvida que não cala no PT | O que acontece se a candidatura de Lula for definitivamente negada? 18-08-2018 » Turbinado com motor do EcoSport | UOL Carros destrincha Ford Ka Sedan Titanium, versão 'luxuosa' de R$ 71 mil 18-08-2018 » Petista tenta candidatura | Supremo deve ignorar documento de comissão da ONU favorável a Lula 18-08-2018 » 'Um estadista global' | Morre o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, aos 80 18-08-2018 » Contra sarampo e polio | Campanha chega ao 'Dia D' com apenas 16% de crianças vacinadas
Publicidade
clinica master centro medico sao gabriel intersorft lab laboratorio
30 de maio de 2018

Temer cometeu ‘série de equívocos’ com caminhoneiros, diz Márcio França

Foto Ciete Silvério

O governo Michel Temer cometeu “uma série de equívocos” nas negociações da paralisação dos caminhoneiros, que acabaram estendendo o movimento, afirmou nesta quarta-feira (30) o governador de São Paulo Márcio França (PSB), candidato à reeleição. “O governo federal até que tentou, mas falou com as pessoas erradas”, disse França, em sabatina da Folha de S.Paulo, UOL e SBT. O pessebista assumiu a liderança na negociação com os caminhoneiros no estado na sexta (25), após o primeiro acordo do governo federal ser frustrado pela continuidade da paralisação.

Segundo ele, a decisão foi tomada “na mesa”, em Brasília, e não considerou caminhoneiros que não estavam ligados às grandes entidades da categoria. “Quando eles decidiram na mesa que acabou a greve, aqui na ponta houve uma revolta”, disse. Eleito vice-governador na chapa de reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB) em 2014, França assumiu o Palácio dos Bandeirantes em abril deste ano, com a renúncia do tucano para disputar a Presidência.

França foi o segundo a ser sabatinado entre os postulantes ao governo estadual. Na segunda (28) foi a vez de Luiz Marinho (PT). João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB) serão entrevistados nos próximos dias. Doria lidera as pesquisas de opinião e, em provocação, tem chamado França de “Márcio Cuba” na tentativa de ligá-lo à esquerda. Para França, o apelido é “frágil, um negócio meio baixo” porque mexe com nome de família. Ele critica Doria por ter renunciado a prefeitura para concorrer e compara ao pedido de uma pizza pelo telefone.

Disse que, se uma pessoa pede uma pizza de oito fatias, ela não pode vir incompleta. “Ele não pode tirar seis pedaços da pizza. Quer dizer, até pode, mas vai ter que ouvir reclamações”, afirmou. França também nega ter feito ações eleitoreiras ao homenagear uma policial militar que reagiu a um assalto e matou o ladrão em Suzano, na Grande São Paulo, e quando esteve no local em que um edifício desabou no centro da capital. “Acho que pode ser interpretado [como eleitoreiro], mas não é verdade. Qualquer um na condição de governador de São Paulo vai ter protagonismo”, disse. Ele diz que “não provocou” para ficar mais conhecido, mas que esses fatos precisavam de atitudes suas.


VOLTAR