USP trabalha na criação de um chip que identifica os vírus da dengue, chikungunya e zika » Rede Acontece
Últimas
22-06-2018 » Fugindo do ócio | Estádio candidato a "elefante russo" vai imitar Mané Garrincha 22-06-2018 » Rita se orgulha do camisa 9 | Professora pagava cópias de prova na escola de Gabriel Jesus 22-06-2018 » Espalhados pelo Mar Negro | A mando da Fifa, hotel da seleção tem quatro navios de patrulha 22-06-2018 » Político assassinado | Memorial de crítico ao Kremlin é confundido com comércio de flores 22-06-2018 » Opinião | Nina Lemos: Brasileiro sendo machista não é só na Copa do Mundo 22-06-2018 » Lá na Sibéria | Asteroide destruiu área maior que a de São Paulo há 110 anos 22-06-2018 » Mulher de peito | Dona da Hope prova todos os sutiãs e só vende aquilo que usaria 22-06-2018 » Vitória na acréscimos | Gol no fim alivia Neymar em dia de reclamação, broncas, VAR e choro 22-06-2018 » Ahmed Musa abre o placar para a Nigéria contra a Islândia 22-06-2018 » Situação complicou na Copa | Messi apagado? 4 questões podem explicar desempenho 22-06-2018 » Análise | Stycer: Galvão critica 'gesto artístico', mas se comove com choro de Neymar 22-06-2018 » Clima no estádio | Irritação com árbitro e sofrimento conectam torcida e seleção 22-06-2018 » 2 a 0 contra a Costa Rica | Tite vê 'aula' no 2º tempo 22-06-2018 » Laqueadura compulsória | Onde está o bebê da mulher esterelizada em Mococa (SP)? 22-06-2018 » Datafolha | Para eleitores, Lula é o mais preparado para aquecer economia 22-06-2018 » Assédio na Rússia | Russo que beijou repórter se desculpa: 'Brincadeira infeliz' 22-06-2018 » Imigração nos EUA | Menina de foto icônica não foi separada da mãe, conta pai 22-06-2018 » Luciana Gimenez "narra" jogo da seleção e diverte web com comentários 22-06-2018 » 'Meu pai fez um golaço que eu gostei demais', comemora David Lucca, filho de Neymar 22-06-2018 » Após vídeo ofensivo, colombianos se desculpam na embaixada do Japão
Publicidade
grafica bandeirante clinica master centro medico sao gabriel supermercado centrel intersorft lab laboratorio
24 de dezembro de 2015

USP trabalha na criação de um chip que identifica os vírus da dengue, chikungunya e zika

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto (SP) trabalham no desenvolvimento de um chip que pode ser capaz de detectar 416 tipos de vírus – entre eles o da dengue, da chikungunya e do zika vírus transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti – através de amostras clínicas de pacientes.O estudo pioneiro no Brasil é um passo importante para ajudar médicos em diagnósticos rápidos e precisos. Ao invés da conhecida virose, o médico poderá detalhar ao paciente em um único exame o quê de fato causou a doença. O trabalho está em fase final de desenvolvimento e a patente deve ser registrada no início do ano que vem. Luzes apontam as doenças – Segundo o professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Victor Hugo Aquino, amostras de sangue coletadas dos pacientes são submetidas à verificação de 15 mil sondas presentes em cada chip aplicado em lâmina. Os pontos fluorescentes na tela do computador apontam com exatidão a presença do vírus no organismo. “A sensibilidade é bastante alta porque a amostra clínica primeiramente é processada. Cada ponto está identificado e dessa forma conseguimos identificar qual vírus está presente na amostra clínica.Onde aparecem as marcações fluorescentes, posteriormente, são analisadas e é realizado um cálculo estatístico para ver qual o vírus presente na amostra clínica”, explica. O professor ressalta que, a princípio, o estudo foi realizado com base na ação de vírus presentes na América do Sul e transmitidos por artrópodes, que incluem insetos como o Aedes aegypti, e por pequenos mamíferos. “Esses vírus são de suma importância aqui no Brasil e em geral na América do Sul, que é uma região tropical, onde circulam muitos desses vírus. Dengue, zika, chikungunya são todos vírus transmitidos por mosquitos e tem outros vírus circulando no Brasil de grande importância, e pode vir a surgir outros vírus em outras regiões que são incluídas no nosso chip”, afirma. Desenvolvimento e próximos passos – Embora o chip esteja em fase de desenvolvimento, o próximo passo da pesquisa, segundo o professor, é ampliar a quantidade de vírus possíveis de serem detectados pelo dispositivo. “Nossa intenção, posteriormente, é incluir vírus respiratórios, causadores de encefalites, meningites, e assim sucessivamente, para facilitar o diagnóstico.” Aquino também destaca melhorias no monitoramento de doenças virais no país. “Devido à degradação ambiental que a gente está sofrendo, novos vírus vem surgindo e acometendo o ser humano. Isso dificilmente vai terminar, é preciso ter ferramentas para estar monitorando o ingresso de novos vírus e a infecção do ser humano com novos vírus.”


VOLTAR