Venda direta de etanol para os postos abre polêmica no setor » Rede Acontece
Últimas
20-04-2019 » Octa italiano | CR7 celebra título e diz que fica na Juventus: '1000% de certeza' 20-04-2019 » Decide Paulista contra o SP | Corinthians confirma desfalque de Junior Urso para final 20-04-2019 » Análise de especialistas | Inquérito de Toffoli deixa fraturas na relação do STF com os outros poderes 20-04-2019 » Funk de luto | MC Sapão é enterrado com presença de amigos, família e fãs 20-04-2019 » Um estranho no ninho | Senador sem partido há 3 anos relata 'desdém' de colegas 20-04-2019 » Revisão de vídeo é criticada | Árbitros admitem demora com VAR e pedem 'isolamento' de jogadores 20-04-2019 » Em teste no Brasil | Entenda o voucher, nova forma de pagamento do Uber 20-04-2019 » Em entrada de banco | Santos dá nova bicicleta para Sampaoli após outra ser furtada 20-04-2019 » Caso de 2018 | Justiça dos EUA manda prender lutador Ralph Gracie por agressão 20-04-2019 » No Arpoador | Turista tem celular roubado enquanto fazia selfie no Rio; veja 20-04-2019 » Tragédia em Brumadinho (MG) | Polícia tira 5 nomes e lista de desaparecidos cai a 41 20-04-2019 » Ameaçam parar dia 29 | 'Governo molha lenha seca na gasolina e joga na fogueira', diz líder de caminhoneiros 20-04-2019 » Atualizou rotas afetadas | Em crise, Avianca cancela mais de 1.300 voos até o dia 28 20-04-2019 » Nova Previdência tramita no Congresso | Pela reforma, governo prepara compensação previdenciária a estados 20-04-2019 » Histórias engraçadas e emocionantes | 'Já fui parar no hospital por causa da Xuxa', o relato de uma repórter 20-04-2019 » Alimentação saudável | Brócolis tem proteína? Conheça o top 10 dos legumes e verduras 20-04-2019 » UOL Confere | É falsa mensagem nas redes que diz que Moro pediu o fim do IPVA
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
19 de junho de 2018

Venda direta de etanol para os postos abre polêmica no setor

Foto Rede Acontece

Os grandes produtores, distribuidores e revendedores de etanol se uniram na tentativa de barrar o avanço de um projeto que libera a venda direta do combustível da usina para os postos. A abertura desse mercado impulsionaria pequenos produtores de álcool.
Previsto para ser votado pelo plenário do Senado nesta terça-feira (19), o texto acaba com o efeito de uma norma publicada pela ANP (Agência Nacional do Petróleo) em 2009, determinando que a venda do etanol só pode ser feita pelos produtores às distribuidoras, que, por sua vez, comercializam com os postos.
Ao apresentar o projeto após a greve dos caminhoneiros, o senador Otto Alencar (PSD-BA) argumentou que permitir a venda direta entre produtores e postos aumentará a concorrência, levando a uma redução no preço do etanol. Na Câmara, há outras propostas de teor semelhante.

Representantes das maiores empresas -produtores, distribuidores e revendedores- pressionam o Congresso contra o projeto. Estão juntos com a Unica (União Nacional da Indústria de Cana-de-Açúcar), entidade que agrega empresas responsáveis por 60% da produção de etanol do país; a Plural (Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência); e a Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes), que representa os postos.

O grupo justifica que pulverizar a distribuição de etanol vai dificultar a fiscalização, o que pode levar a uma piora na qualidade do produto e a uma elevação da sonegação de impostos.

“Para nós, isso não traz eficiência, ganho algum, seja para o consumidor, o revendedor ou o produtor. Essa falácia de que você vai sair com um caminhãozinho de dez mil litros para entregas picadas frequentes não funciona”, afirmou o presidente da Plural, Leonardo Gadotti.

Para o presidente do conselho da Unica, Pedro Mizutani, o argumento de que os preços serão reduzidos é “balela”. Ele explica que hoje as entregas aos postos são feitas por caminhões compartimentados que levam etanol, gasolina e diesel ao mesmo tempo. Segundo ele, a nova regra vai aumentar os custos de frete.

Em nota técnica, a ANP afirma que a liberação da venda direta exigiria mudanças na tributação que não estão previstas em lei. A incidência de PIS/Cofins e ICMS sobre as distribuidoras não teria como ser aplicada, o que levaria a uma queda de arrecadação perto de R$ 2,2 bilhões ao ano.

Representados pela Feplana (Federação dos Plantadores de Cana do Brasil), os produtores de etanol favoráveis à venda direta alegam que a medida reduziria o custo do combustível, ao excluir do processo as margens das distribuidoras e eliminar a necessidade do que chamam “passeio do etanol” -quando o produto tem que viajar da usina para a base das distribuidoras, mesmo que existam postos por perto.

“Só isso [o fim do passeio] baratearia uns R$ 0,10 por litro”, argumenta Alexandre Lima, presidente da Feplana (Federação dos Plantadores de Cana do Brasil).

Lima afirma que 10% dos R$ 265 bilhões que o setor movimenta ficam com as distribuidoras. Ele acusa as grandes distribuidoras de fazer lobby para impedir a mudança. “As unidades que têm produção muito alta de etanol têm medo de perder mercado”, diz.

A Fenapla defende que a fiscalização de qualidade seja feita nos próprios postos com o uso de densímetro -equipamento que indica quando há mais água do que o permitido- e que a fiscalização tributária ocorra nas usinas.


VOLTAR