Vírus HIV: Fiocruz vai fornecer antirretroviral para o SUS a partir de agosto » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 31-05-2020 » 'É um grupo muito obsoleto' | Trump anuncia que adiará cúpula do G7 e convidará mais países para encontro 31-05-2020 » UFC Las Vegas | Durinho dá show, massacra ex-campeão e desafia colega de treino por título 31-05-2020 » Aponta dados da Saúde | Comorbidades neurológicas são as mais presentes em crianças com covid 31-05-2020 » Governo | Bolsonaro visita Goiás e volta a atacar Judiciário: 'Tudo aponta para crise' 31-05-2020 » Repasses de R$ 2,75 milhões | Promotoria investiga transferências entre contas de Ricardo Salles 31-05-2020 » Asfixiado por policial | EUA registram mais um dia de protestos violentos por morte de George Floyd 31-05-2020 » Ministro da Educação | Weintraub cita 'mudar regras' para evitar Brasil em 'paraíso esquerdista' 31-05-2020 » Benefício de R$ 600 | Acordo fixa prazo de 20 dias para análise de pedidos do auxílio 31-05-2020 » 'Procuradoria do Bolsonaro' | Prédio da PGR é alvo de pichação, e órgão repudia vandalismo 31-05-2020 » Coronavírus no país | Quarentena em SP é prorrogada até 15/06, mas comércio poderá ser reaberto antes 31-05-2020 » Não deu muito certo | Anitta fica de ponta-cabeça em desafio com Gui Araújo e ri 31-05-2020 » 'Somos 70%' | Xuxa adere a campanha contra Jair Bolsonaro 31-05-2020 » Na Redetv! | Sikêra Jr. usa camisa de força e critica Bolsonaro em live 31-05-2020 » 'Montagem?' | Sheherazade zomba de terraplanistas após voo de foguete 31-05-2020 » Pais de Duda Reis | Sogros de Nego do Borel voltam a criticar namoro: 'Mau-caráter' 31-05-2020 » Em frente ao marido | Flávia Alessandra confessa que já ficou excitada em cena 31-05-2020 » Pandemia de coronavírus no Brasil | Brasil passa França em mortes e tem maior número de casos em 24h 31-05-2020 » Acidente de carro | Centurión pensou em se matar após tragédia com a namorada 31-05-2020 » M.M Izidoro | Não vamos mudar o mundo. Ainda bem 31-05-2020 » Cozinha Bruta | Vamos trancar o gado em bares e jogar chave fora
Publicidade
27 de junho de 2019

Vírus HIV: Fiocruz vai fornecer antirretroviral para o SUS a partir de agosto


Foto: Alexandre Matos/Fiocruz

A partir de agosto, o Instituto de Tecnologia em Fármacos da Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/Fiocruz) vai produzir e fornecer para o Sistema Único de Saúde (SUS) o antirretroviral Duplivir, usado no tratamento de pessoas que vivem com o vírus HIV/Aids. No início de junho, a instituição, ligada ao Ministério da Saúde, concluiu a produção de três lotes-piloto do medicamento, num total de 30 milhões de doses, já distribuídas para as unidades farmacêuticas. Até o fim do ano, serão produzidos em Farmanguinhos mais 75 milhões de comprimidos do Duplivir para o SUS. A coordenadora de Desenvolvimento Tecnológico de Farmanguinhos, Alessandra Esteves, disse que a fabricação do medicamento pela instituição pública foi possível por um acordo de transferência de tecnologia com a fabricante nacional Blanver, no modelo chamado de Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP). “O parceiro privado, nesse acaso a Blanver, transfere a tecnologia de produção, chamada de reversa. A gente absorve primeiro a parte de embalagem, depois o controle de qualidade e por último a produção do medicamento em si, o que aconteceu agora em junho com os lotes-pilotos”. Ela explicou que, durante o período da transferência, que leva cinco anos, o parceiro privado tem a garantia do fornecimento do produto para o governo, já que o Farmanguinhos começa o processo adquirindo a expertise na embalagem do remédio produzido pelo parceiro, avançando para a análise e, apenas na última etapa, passa a dominar o processo completo da produção. Com a etapa dos lotes-piloto concluída, Alessandra disse que o Farmanguinhos será incluído como local de fabricação do Duplivir pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O Duplivir reúne em um único comprimido dois princípios ativos, o fumarato de tenofovir desoproxila e a lamivudina, o que reduz a quantidade de comprimidos ingeridos diariamente e melhora a qualidade de vida do paciente, segundo Alessandra. A coordenadora destacou que a produção nacional e pública fortalece o programa de HIV/Aids do Ministério da Saúde, que já é reconhecido internacionalmente. “Nós somos uma fábrica pública de medicamentos, então é o próprio governo dominando a tecnologia de produção e atendendo a população do jeito que necessita. Além disso, a gente está impulsionando a economia local, com a questão da geração de emprego e renda. Com a nacionalização dos insumos ativos, a gente passa a dominar essa parte tecnológica no país. É uma questão importante, porque traz a soberania e a independência nacional”. Segundo Alessandra, a demanda anual varia de 70 milhões a 150 milhões de unidades, e Farmanguinhos terá capacidade de suprir toda a necessidade do país. O medicamento tinha preço de mercado de R$ 3 por comprimido, com a parceria o valor caiu para R$ 1,90, o que representou, nos últimos cinco anos, uma economia de R$ 258 milhões para os cofres públicos. O Brasil começou a distribuir gratuitamente os medicamentos antirretrovirais para as pessoas que vivem com HIV em 1996. Nem todos que são infectados pelo vírus desenvolvem a síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids). O último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde indica que foram diagnosticados 42.420 novos casos de HIV e 37.791 casos de aids no Brasil em 2017. Desde o ano de 1980 até junho de 2018, foram detectados no país 982.129 casos de aids. O total de óbitos em 2017 chegou a 11.463, o que representa uma queda de 15,8% desde 2014.


VOLTAR