Wagner comenta impeachment e diz que ‘impopularidade não é crime’ » Rede Acontece
Últimas
19-10-2018 » Ao Vivo | Band realiza debate eleitoral em 6 estados e no DF; acompanhe 19-10-2018 » Corrida presidencial | Datafolha: Bolsonaro tem 59%, e Haddad, 41% dos votos válidos 19-10-2018 » Campanha dos presidenciáveis | Pode estar ressentido, diz Haddad de recusa de Ciro 19-10-2018 » Sétimo Guardião vem aí | Realidade é tão terrível que voltei para fantasia, diz Aguinaldo Silva 19-10-2018 » Nega briga política | Marquezine confirma fim de namoro com Neymar: "Decisão dele" 19-10-2018 » Cuidado | Ameaçar a vida e a integridade de alguém nas redes é crime 19-10-2018 » Profissional do game | Longe do futebol, Jean Chera se dedica ao Fifa e jogará Brasileiro 19-10-2018 » 'Lamentável' | Susto e tristeza: como a banda de Roger Waters reagiu às vaias em SP 19-10-2018 » Ainda sem data para começar | Vítimas de pedofilia serão ouvidas em projeto-piloto do Vaticano no Brasil 19-10-2018 » Testemunha relata grito de 'Bolsonaro' | Grupo tenta evitar que travesti seja enterrada como indigente em SP 19-10-2018 » Remédio Vivo | Medicamentos biológicos tratam de câncer a doença viral; entenda 18-10-2018 » Eleições nas redes sociais | Campanha de Bolsonaro notificará empresas e processará Haddad 18-10-2018 » Mais Datafolha nos Estados | No Rio, Witzel tem 61% dos votos válidos 18-10-2018 » Disputa ao Governo de SP | Doria tem 53% e França, 47% dos votos válidos, diz Datafolha 18-10-2018 » Opinião | Justiça não pode duvidar que Ustra foi torturador 18-10-2018 » Caso Bolsonaro seja eleito | Ilan se prepara para deixar BC ao fim do mandato de Temer, segundo fontes
Publicidade
29 de dezembro de 2015

Wagner comenta impeachment e diz que ‘impopularidade não é crime’

Foto: Conquista Acontece

Foto: Conquista Acontece

O ministro da Casa Civil e ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) comentou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e afirmou que as recentes conquistas do governo no Supremo Tribunal Federal (STF) dão força para a superação da crise. “Fundamentalmente, na área jurídica, o governo melhorou por causa do STF. Isso tudo foi uma reflexão dentro do governo. Nas questões principais, nós vencemos: o Senado teve supremacia e o Supremo deu a dimensão que o processo precisa. O processo é tão grave que não pode ser tratado de forma corriqueira e banal. O STF acabou com a banalização e com a tentativa de uso [político] do impeachment. Eu participo de um governo que não está num bom momento. Eu sei das dificuldades, mas impopularidade não é crime. É problema, é defeito, é algo que pode ser sanado. Nós temos que melhorar a gestão da política, do emprego. É claro que a decisão do Supremo foi um trabalho de juristas, dos nossos aliados. Não dá para tratar o impedimento como o tapetão de uma disputa eleitoral”, declarou. O petista criticou ainda a posição do presidente da Câmara dos deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).De acordo com Wagner, a situação de Cunha se complica a cada dia com o anúncio de novas manobras para tentar retirar a presidente do poder e escapar do julgamento do Conselho de Ética e do Supremo Tribunal Federal, que podem resultar na sua cassação. “O futuro de Eduardo Cunha está na mão do Conselho de Ética, e não na minha mão e na da presidente. Quero elogiar o trabalho de José Carlos Araújo (PSD-BA) [presidente do Conselho], que foi ameaçado. Hoje, Cunha está em um dos seus piores momentos, porque muita gente não está mais rezando na cartilha dele. Ele tentou derrubar a a reunião do Conselho de Ética e não conseguiu. Ele está tomando ‘zig now’, porque a situação dele é pública e ruim”, disse.


VOLTAR