Wagner informou a empresários que Dilma sabe que não vai se recuperar, diz coluna » Rede Acontece
Últimas
19-10-2018 » Ao Vivo | Band realiza debate eleitoral em 6 estados e no DF; acompanhe 19-10-2018 » Corrida presidencial | Datafolha: Bolsonaro tem 59%, e Haddad, 41% dos votos válidos 19-10-2018 » Campanha dos presidenciáveis | Pode estar ressentido, diz Haddad de recusa de Ciro 19-10-2018 » Sétimo Guardião vem aí | Realidade é tão terrível que voltei para fantasia, diz Aguinaldo Silva 19-10-2018 » Nega briga política | Marquezine confirma fim de namoro com Neymar: "Decisão dele" 19-10-2018 » Cuidado | Ameaçar a vida e a integridade de alguém nas redes é crime 19-10-2018 » Profissional do game | Longe do futebol, Jean Chera se dedica ao Fifa e jogará Brasileiro 19-10-2018 » 'Lamentável' | Susto e tristeza: como a banda de Roger Waters reagiu às vaias em SP 19-10-2018 » Ainda sem data para começar | Vítimas de pedofilia serão ouvidas em projeto-piloto do Vaticano no Brasil 19-10-2018 » Testemunha relata grito de 'Bolsonaro' | Grupo tenta evitar que travesti seja enterrada como indigente em SP 19-10-2018 » Remédio Vivo | Medicamentos biológicos tratam de câncer a doença viral; entenda 18-10-2018 » Eleições nas redes sociais | Campanha de Bolsonaro notificará empresas e processará Haddad 18-10-2018 » Mais Datafolha nos Estados | No Rio, Witzel tem 61% dos votos válidos 18-10-2018 » Disputa ao Governo de SP | Doria tem 53% e França, 47% dos votos válidos, diz Datafolha 18-10-2018 » Opinião | Justiça não pode duvidar que Ustra foi torturador 18-10-2018 » Caso Bolsonaro seja eleito | Ilan se prepara para deixar BC ao fim do mandato de Temer, segundo fontes
Publicidade
17 de fevereiro de 2016

Wagner informou a empresários que Dilma sabe que não vai se recuperar, diz coluna

Foto: Urandi Acontece

Foto: Rede Acontece

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, teria dito a empresários que a presidente Dilma Rousseff tem consciência de que a popularidade de seu governo não vai se recuperar até o final do mandato, em 2018. De acordo com o blog de Fernando Rodrigues, no UOL, a declaração foi dada durante jantar realizado nesta segunda-feira (15), em São Paulo, com um grupo similar ao que se encontrou em setembro de 2015 com o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Mesmo assim, Wagner teria dito para os empresários que Dilma espera deixar um legado no país: a reforma na Previdência Social. Apesar de enfrentar resistência dentro do próprio PT, a proposta seria fixar uma idade mínima para a aposentadoria e unificar o pagamento para homens, mulheres, funcionários públicos e trabalhadores do setor privado. Os participantes teriam gostado do discurso de Wagner, mas repetiram perguntas sobre gastos públicos. O chefe da Casa Civil teria rebatido que as despesas vão continuar a aumentar, porque isso é inevitável, mas que a ideia é colocar um teto que não ultrapasse o crescimento do PIB. Já a proposta para a CPMF seria que o imposto vigoraria por tempo determinado – um período de 2 anos – e sempre num cenário de aperto dos gastos públicos. Em nota, porém, a Casa Civil negou que Wagner tenha “dito a empresários que a presidenta Dilma Rousseff não recuperará a popularidade até o fim do mandato”. “Wagner esclarece que, em jantar reservado, na noite de segunda-feira (15), em São Paulo, afirmou que a presidenta Dilma Rousseff não está preocupada com a questão da popularidade, mas sim com o bem do país”, diz o texto. “Jaques Wagner manifestou que, ao conversar com o empresariado, está fazendo exatamente o que a presidenta quer, ou seja, discutir propostas para o Brasil”, completa a nota.


VOLTAR